ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Macro: Lenovo Miix 510

O Lenovo Miix 510 é um tablet com Windows 10 da fabricante chinesa (e que infelizmente não está à venda no Brasil). Vem com teclado destacável e, dependendo do modelo, até tem caneta stylus.

O Miix faz parte de uma família de tablets Windows com teclado destacável e tela de 12″, que passa por configurações mais básicas (modelo 510, com processador Intel Core i3/i5 de 6a ou 7a gerações e tela Full HD) até os modelos 700 (com Core m5) e 710 (com Intel Core i7 de 7a geração + tela QHD+).

A configuração do Miix 510 que recebi conta com processador Intel Core i5 (6200U de 2,3 GHz), 8 GB de RAM, 512 GB de SSD, tela de 12,2″ IPS Full HD e rodando Windows 10 Home.

E, por ter uma tela grande, não é algo simples de manusear com uma mão só. Mas é a cara (e o focinho) do Microsoft Surface Pro 4 (tanto que algumas pessoas me perguntaram… é um Surface da Lenovo? Não, mas é bem parecido)

… Um dos principais motivos para a comparação é seu suporte em alumínio para a tela.

Apesar de ter a configuração de hardware de um notebook, a ausência de portas é o principal problema do Miix 510: só uma USB 3.0 e uma USB-C. Na lateral esquerda, ainda está o conector da fonte de energia.

Um teste que não tive coragem de realizar foi checar se a porta USB-C, conectada a uma fonte de energia compatível (como do Galaxy S8 ou do Moto Z) é capaz de recarregar a bateria. Melhor deixar tudo funcionando bonitinho, sem queimar nada né (teoricamente esse conceito de recarga é possível).

De qualquer modo, eu tenho um dongle (presente de alguma coletiva no passado) USB-C com mais uma porta USB, conectores HDMI, VGA e Ethernet, que ajudam a expandir as portas do Miix 510.

Do lado direito, estão apenas o botão de liga-desliga, o controle de volume e o conector 3,5 mm para fones de ouvido. 

Acima da tela temos uma webcam de 2 megapixels para videoconferência…

… Assim como uma câmera de 5 megapixels na parte traseira (meu mantra é: não fotografe com tablets). A parte traseira do Lenovo Miix 510 é revestida em alumínio – o que deixa o equipamento bem leve (880 gramas sem o teclado; 1,25kg com o teclado). 

Um detalhe de design muito interessante do Lenovo Miix 510 é a dobradiça estilo “pulseira de relógio” para movimentar o suporte traseiro do tablet – é algo único da Lenovo, presente em diversos outros produtos (mais notadamente o conversível Yoga).

Para economizar espaço e deixar a superfície traseira mais limpa, os selos de certificação estão embaixo do suporte traseiro. 

Aqui vemos o Lenovo Miix 510 com seu teclado acoplado.

É um teclado QWERTY completo com retroiluminação (yay!), teclas no estilo “chiclet” bem confortáveis e um trackpad que pode muito bem ser substituído por um mouse.

Meu grande porém aqui é que, por não ser um notebook – e ter o teclado mais fino que o de um note convencional, sem ser fixo à tela por uma estrutura mais forte -, é quase impossível usar o Miix no colo para digitar (em uma coletiva de imprensa, por exemplo, tenho que colocar em cima da mochila para dar um apoio melhor) – ou usar uma mesa de apoio.

O teclado se fixa ao tablet usando ímãs, mas usa um conector próprio para trocar dados com o tablet (não é um teclado Bluetooth, ainda bem). Vale notar que, por ser um tablet, o Windows 10 roda no modo tablet também (com ícones maiores) – e a Lenovo vende uma caneta stylus para anotações/desenhos à parte (a caixa do Miix vem com o espaço para a canetinha, que não estava presente nela neste caso específico).

O legal é que, ao ser fechado sobre o tablet, o teclado tem uma aparência de couro, dando a impressão de ser um caderno gigante. 

Finalmente, a fonte do Miix – segue o velho e bom padrão de fontes de notebook com o velcro no meio para amarrar o fio. A bateria do Miix 510 dura algo entre 4-5 horas fora da tomada, com Wi-Fi ligado e brilho da tela abaixo dos 50%. 

O Lenovo Miix 510 custa em torno de US$ 600 no mercado norte-americano. É uma máquina bem interessante – ao menos na configuração que recebi – com boa tela, hardware razoavelmente poderoso.

Meus únicos poréns em relação a esse tipo de equipamento são a pouca oferta de portas de conexão e o teclado “molenga” que torna difícil usar no colo.

Disclaimer: Henrique recebeu o Miix 510 da Lenovo pelo programa global de influenciadores da marca, o LenovoIN. Fotos e opiniões são dele. 

[Lenovo]

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

  • Thiago

    Quer dizer que você virou blogueira fitness, quer dizer, digital influencer? rsrs

    Brincadeiras à parte, esse tablet me lembrou o Acer Switch Alpha. Conceito semelhante, preços um pouco acima.

  • Vinicius Vasques

    Tablets com Windows é algo difícil de se encontrar. Infelizmente eles acabaram aderindo ao mantra dos notebooks 2 em 1 e perdendo o ponto que deveria ser decisivo para a compra: preço. Sempre enxerguei tablets como a alternativa aos “netbooks” por serem mais portáteis e relativamente baratos sem comprometer o desempenho. Me arrependo até hoje de não ter comprado o Thinkpad 8 a uns 2 anos atrás numa Black Friday da vida.

    • Tinha um Asus T100TA, mas a tela de 10″ era muito pesada pra usar como tablet.
      Vendi e comprei o Thinkpad 8 e me arrependi apenas de não ter comprado o modelo 3G (até HDMI out ele tem é porta usa 3.0 host). o tablet Android ficou encostado.

      mas sempre sonhei com Dell Venue Pro (cadê o Nagano San pra me lembrar que ele tem um?!)

      • Vinicius Vasques

        Pois é. Acho que o Thinkpad 8 foi o estado da arte em tablets rodando Windows 10. Ele chegou a custar R$600 e vinha com 64gb de storage …

  • Surface 1 tem uso, Mini DisplayPort e slot mSD – compensa o pouco espaço.

    • Lucas

      Pois é, uma pena. Gostaria muito de ver uma maior representação deste tipo de produto por aqui pois me atenderia perfeitamente, mas pelo jeito não irá acontecer tão cedo.