Macro: Lenovo Miix 510

M

O Lenovo Miix 510 é um tablet com Windows 10 da fabricante chinesa (e que infelizmente não está à venda no Brasil). Vem com teclado destacável e, dependendo do modelo, até tem caneta stylus.

O Miix faz parte de uma família de tablets Windows com teclado destacável e tela de 12″, que passa por configurações mais básicas (modelo 510, com processador Intel Core i3/i5 de 6a ou 7a gerações e tela Full HD) até os modelos 700 (com Core m5) e 710 (com Intel Core i7 de 7a geração + tela QHD+).

A configuração do Miix 510 que recebi conta com processador Intel Core i5 (6200U de 2,3 GHz), 8 GB de RAM, 512 GB de SSD, tela de 12,2″ IPS Full HD e rodando Windows 10 Home.

E, por ter uma tela grande, não é algo simples de manusear com uma mão só. Mas é a cara (e o focinho) do Microsoft Surface Pro 4 (tanto que algumas pessoas me perguntaram… é um Surface da Lenovo? Não, mas é bem parecido)

… Um dos principais motivos para a comparação é seu suporte em alumínio para a tela.

Apesar de ter a configuração de hardware de um notebook, a ausência de portas é o principal problema do Miix 510: só uma USB 3.0 e uma USB-C. Na lateral esquerda, ainda está o conector da fonte de energia.

Um teste que não tive coragem de realizar foi checar se a porta USB-C, conectada a uma fonte de energia compatível (como do Galaxy S8 ou do Moto Z) é capaz de recarregar a bateria. Melhor deixar tudo funcionando bonitinho, sem queimar nada né (teoricamente esse conceito de recarga é possível).

De qualquer modo, eu tenho um dongle (presente de alguma coletiva no passado) USB-C com mais uma porta USB, conectores HDMI, VGA e Ethernet, que ajudam a expandir as portas do Miix 510.

Do lado direito, estão apenas o botão de liga-desliga, o controle de volume e o conector 3,5 mm para fones de ouvido. 

Acima da tela temos uma webcam de 2 megapixels para videoconferência…

… Assim como uma câmera de 5 megapixels na parte traseira (meu mantra é: não fotografe com tablets). A parte traseira do Lenovo Miix 510 é revestida em alumínio – o que deixa o equipamento bem leve (880 gramas sem o teclado; 1,25kg com o teclado). 

Um detalhe de design muito interessante do Lenovo Miix 510 é a dobradiça estilo “pulseira de relógio” para movimentar o suporte traseiro do tablet – é algo único da Lenovo, presente em diversos outros produtos (mais notadamente o conversível Yoga).

Para economizar espaço e deixar a superfície traseira mais limpa, os selos de certificação estão embaixo do suporte traseiro. 

Aqui vemos o Lenovo Miix 510 com seu teclado acoplado.

É um teclado QWERTY completo com retroiluminação (yay!), teclas no estilo “chiclet” bem confortáveis e um trackpad que pode muito bem ser substituído por um mouse.

Meu grande porém aqui é que, por não ser um notebook – e ter o teclado mais fino que o de um note convencional, sem ser fixo à tela por uma estrutura mais forte -, é quase impossível usar o Miix no colo para digitar (em uma coletiva de imprensa, por exemplo, tenho que colocar em cima da mochila para dar um apoio melhor) – ou usar uma mesa de apoio.

O teclado se fixa ao tablet usando ímãs, mas usa um conector próprio para trocar dados com o tablet (não é um teclado Bluetooth, ainda bem). Vale notar que, por ser um tablet, o Windows 10 roda no modo tablet também (com ícones maiores) – e a Lenovo vende uma caneta stylus para anotações/desenhos à parte (a caixa do Miix vem com o espaço para a canetinha, que não estava presente nela neste caso específico).

O legal é que, ao ser fechado sobre o tablet, o teclado tem uma aparência de couro, dando a impressão de ser um caderno gigante. 

Finalmente, a fonte do Miix – segue o velho e bom padrão de fontes de notebook com o velcro no meio para amarrar o fio. A bateria do Miix 510 dura algo entre 4-5 horas fora da tomada, com Wi-Fi ligado e brilho da tela abaixo dos 50%. 

O Lenovo Miix 510 custa em torno de US$ 600 no mercado norte-americano. É uma máquina bem interessante – ao menos na configuração que recebi – com boa tela, hardware razoavelmente poderoso.

Meus únicos poréns em relação a esse tipo de equipamento são a pouca oferta de portas de conexão e o teclado “molenga” que torna difícil usar no colo.

Disclaimer: Henrique recebeu o Miix 510 da Lenovo pelo programa global de influenciadores da marca, o LenovoIN. Fotos e opiniões são dele. 

[Lenovo]

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

<span class="dsq-postid" data-dsqidentifier="113915 http://www.ztop.com.br/?p=113915">comentários</span>

  • Quer dizer que você virou blogueira fitness, quer dizer, digital influencer? rsrs

    Brincadeiras à parte, esse tablet me lembrou o Acer Switch Alpha. Conceito semelhante, preços um pouco acima.

  • Tablets com Windows é algo difícil de se encontrar. Infelizmente eles acabaram aderindo ao mantra dos notebooks 2 em 1 e perdendo o ponto que deveria ser decisivo para a compra: preço. Sempre enxerguei tablets como a alternativa aos “netbooks” por serem mais portáteis e relativamente baratos sem comprometer o desempenho. Me arrependo até hoje de não ter comprado o Thinkpad 8 a uns 2 anos atrás numa Black Friday da vida.

    • Tinha um Asus T100TA, mas a tela de 10″ era muito pesada pra usar como tablet.
      Vendi e comprei o Thinkpad 8 e me arrependi apenas de não ter comprado o modelo 3G (até HDMI out ele tem é porta usa 3.0 host). o tablet Android ficou encostado.

      mas sempre sonhei com Dell Venue Pro (cadê o Nagano San pra me lembrar que ele tem um?!)

      • Pois é. Acho que o Thinkpad 8 foi o estado da arte em tablets rodando Windows 10. Ele chegou a custar R$600 e vinha com 64gb de storage …

    • Pois é, uma pena. Gostaria muito de ver uma maior representação deste tipo de produto por aqui pois me atenderia perfeitamente, mas pelo jeito não irá acontecer tão cedo.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos