ZTOP+ZUMO

Hands-on: Luma Labs Cinch (segunda geração)

A correia de câmera preferida deste ZTOP está de volta numa versão nova com design mais simples, mas que mantém suas características de versatilidade e conforto de uso.

Como se diz por aí — “invente uma ratoeira melhor e o mundo fará fila na sua porta” — eu acho que este é o caso da americana Luma Labs, que conseguiu realizar a façanha de criar uma correia de câmera melhor e mais confortável.

Batizada de Cinch à primeira vista esse acessório parece não ser muito mais do mesmo: uma correia de Neoprene meio estilosa com longas tiras de nylon que permitem ao fotógrafo carregar sua câmera a tiracolo.

Cinch_original

Porém como podemos ver no vídeo abaixo, a Cinch é bem mais do que uma carinha bonita:

Eu conheci esse produto meio que por acaso no pescoço do Henrique durante a última CES 2013 e depois de um pequeno test drive, fiquei verde de inveja impressionado com sua versatilidade e conforto de uso ao ponto de pensar em aposentar minha correia favorita (uma Quantaray furreca parecida com essa). Porém, minha dupla surpresa foi grande: ela só estava à venda no site do fabricante e… estava esgotada! 🙁

A boa notícia porém é que na época a Luma Labs já anunciava um modelo “new and improved” e como eles postavam para o Brasil (+ US$ 12) encomendei uma em meados de maio e que chegou aqui na Zumo Caverna depois de uns 30 dias:

Cinch_pacote

Fabricada nos  EUA (ou mais exatamente em Portland, Oregon), a nova Cinch é um produto típico do design industrial americano — simples, utilitário e bem reforçado. Eu optei pela versão mais simples (US$ 50)…

Clique para ampliar.

… que difere das outras apenas pela ausência de acessórios que permitem fixar a correia pela rosca do tripé ou mesmo pela lente (caso das super teles) que, no geral, adicionam mais US$ 10 ao preço final. Mais detalhes aqui.

Cinch_acessorios

Como sua antecessora, a alça de pescoço/ombro é feita de neoprene — um material flexível que alivia a sensação de peso de uma câmera de maior porte. Cada ponta termina numa sólida argola de aço que se une a uma tira de nylon de 18 mm de largura, que…

Cinch_Neoprene

… termina numa tira menor de 9 mm de largura que se fixa na câmera.

Cinch_amarra

A grande novidade do novo modelo é sua fivela que regula o comprimento da correia que deixa de ser de metal e agora é feito de um material plástico que a empresa chama de “ceramic-carbon polymer” (= polímero de carbono-cerâmico?) ou simplesmente “Lumidium” — nomes que até parecem ter saído da cabeça de Don Draper da série Mad Men ou do professor Hubert J. Farnsworth da série Futurama.

Cinch_fivela

A Luma Labs afirma que essa nova fivela apresenta diversas vantagens como permitir um movimento mais macio ao mesmo tempo que ela  não cede/escorrega, mesmo quando puxada com força. Eu adicionaria a essa lista o fato desse material ser menos propenso (que a versão anterior) a arranhar/machucar o corpo da câmera (em especial aquelas de metal pintadas de preto), principalmente quando socamos a câmera + correia dentro da bolsa/mochila. Fora isso, essa fivela possui um corte interno que permite remover a correia de nylon apenas com as mãos, o que facilita a instalação de tiras mais longas que podem ser adquiridas à parte no site da empresa.

E como esse novo modelo se compara com o original? Para responder a essa pergunta, eu pedi emprestado a correia do Henrique e notei que a original é um produto bem mais caprichado e bem acabado, com suas argolas e fivelas feitas de metal usinado…

Cinch_comp1

… com destaque para sua lingueta de couro que, na minha opinião, facilita e muito o movimento de esticar/encurtar a correia…

Cinch_aba

… mas que deixou de existir no novo modelo, o que nos obriga a segurar na fivela para fazer o mesmo movimento.

Cinch_aba2

Fora isso, a parte larga da correia passou de 25 mm (na versão antiga) para 18 mm e a junção com a tira de 9 mm que antes tinha um acabamento mais caprichado com um pedaço de couro. Agora ele é mais simples com a costura exposta, mas nada que um pedaço de tubo termo retrátil não resolva.

Cinch_comp3

A única melhoria que realmente vimos no novo modelo é a aplicação de material antiderrapante ,que agora é bem mais concentrado na forma de favo de abelha em vez do padrão ondulado do original.

Cinch_comp3

Com isso queremos dizer que esse novo modelo não é tão “new and improved” assim? — bom… sim e não — já que o que notamos é que, de fato, a nova Cinch é bem mais simples e menos trabalhada que a original, mas isso não significa que ela seja uma fraude.

Deixe me explicar o que penso disso com uma pequena história:

Durante a Segunda Guerra Mundial, o exército americano, que sempre se orgulhou da mira de seus soldados (one shot, one kill), acordou meio tarde para a necessidade de ter em seu arsenal uma submetralhadora — uma arma de menor alcance e precisão porém mais adequada para combate a curtas distâncias, especialmente em locais confinados como casas e prédios. E a única opção disponível na época era a boa e velha Thompson, que foi projetada no fim da década de 1910 mas que não chegou a tempo de ser usada na Primeira Grande Guerra.

Apesar dela ser uma arma competente, sua fabricação era bastante complexa e cara (~ US$ 225 em 1928 ou ~US$ 3.129 nos dias de hoje)…

Tommy_gun

… e mesmo depois de inúmeras simplificações que derrubaram seu custo para uns US$ 70 em 1942 (~US$ 1.200 nos dias de hoje) seu preço ainda era considerável.

Thompson_M1A1

Isso porque seu projeto exigia o uso de muitas peças e operações de usinagem que impactavam diretamente no seu tempo de fabricação e custo de matéria prima, ou seja, não era a melhor alternativa para produção em massa, principalmente em tempos de guerra.

Assim, inspirado em exemplos (até bem desesperados) como a Sten Gun inglesa, o governo americano procurou a General Motors para desenvolver uma nova arma que fosse mais simples, barata, rápida de ser produzida e ser até descartável no caso de quebra. E o resultado foi a submetralhadora M3 (a.k.a. pistola de graxa), que era feita na sua maioria com chapa de metal estampado, arame grosso, rebite e solda sendo que seu custo de produção em 1942 ficava em torno de US$ 20 por unidade (~US$ 291 nos dias de hoje).

M3_submachinegun

Tecnicamente falando, fica claro para qualquer um que a Thompson com sua sustância e melhor acabamento parece ser bem mais arma de fogo do que a M3 com seu jeitão de brinquedo de lata. Porém — em termos práticos — ambas se equivalem na sua função primária, ou seja, matar gente!

Assim, essa mesma analogia pode ser aplicada a velha e a nova Cinch, já que a impressão que tenho é que o pessoal da Luma Labs realmente simplificou a Cinch para que ela fosse mais simples e barata de ser produzida mas, em termos práticos, ela funciona do mesmo jeito que a original, o que ainda é uma vantagem se comparado com a concorrência.

Resumindo: Apesar de tudo, ainda acredito que a nova Cinch é um produto interessante e útil. Eu só acho é que a fabricante poderia ter mantido a versão antiga, mesmo cobrando um pouco a mais por ela.

Ela pode ser encontrada no site da Luma Labs.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.