ZTOP+ZUMO

Retrotech: Lomography ressuscita a lente Jupiter-3

Produzida na União Soviética entre os anos de 1947~1988 a Jupiter 3+ Art Lens é uma cópia da Zeiss Sonnar 50 mm f1.5 que volta ao mercado por um preço lá perto das estrelas.

Depois de fazer barulho no mercado com o relançamento da sua lente Petzval 85 , a Lomographische AG (ou Lomography para os íntimos) anunciou recentemente mais uma lente que não deixa de ser um resquício da chamada Guerra Fria — a Jupiter 3+ Art Lens:

Segundo o seu criativo time de marketing “Depois de quase um meio século depois que a Jupiter 3 original foi concebida nos subúrbios de Moscou, nós estamos extremamente orgulhosos de anunciar um regresso histórico. Apresentando a New Jupiter 3+ Art Lens: a mais recente na nossa linha de Lomography Art Lenses artesanais e únicas. Construídas à mão por especialistas técnicos na mesma fábrica Zenit, que a lente original, a New Jupiter 3+ Art Lens veio para arrasar: com o mesmo caráter forte e o espírito Soviético da sua antepassada. Aguarde a nitidez cristalina, cores naturais e um bokeh exuberante e sonhador — refeita e aperfeiçoada pelo time altamente experiente da Lomography.

jupiter_3plus_overall

Na realidade, a Jupiter 3 é uma cópia da lente Carl Zeiss Sonnar 50mm f1.5, projetada em 1931 e produzida originalmente para a Contax II/III

Contax_III

… que foi produzida na Alemanha até o fim da segunda grande guerra, época na qual o Exército Vermelho ocupou as fábricas da Zeiss, em Jena, e confiscou todos os projetos (e até algumas linhas de produção,  peças e funcionários da emrpesa, diga-se de passagem) e levou tudo de volta para a pátria-mãe onde a produção das câmeras e lentes recomeçou em novas instalações sob outras marcas, como a Kiev (embaixo):

Kiev_camera

Nessa época, essas Sonnar russas de 50mm receberam um novo nome — ЮПИТЕР (Jupiter) — e estavam disponíveis com abertura máxima de f2.0 (Jupiter-8) e f1.5 (Jupiter-3). O curioso é que com o passar do tempo, elas também foram adaptadas para serem usadas nas câmeras Fed e Zorki (cópias da câmera Leica com encaixe de rosca M39) que foram produzidas até meados dos anos 1980.

Até por causa disso, milhares delas ainda podem ser encontradas no mercado de usados ou até mesmo novas, vindo de estoques antigos (também chamados de NOS = New Old Stock), em especial de países da ex-União Soviética, tanto nos sites de leilões quanto em lojas on-line na versão prata ou preta:

Jupiter-3

Tudo leva a crer que a nova lente Jupiter 3+ é baseada no modelo acima, porém com algumas melhorias, em especial na distância mínima de foco que baixou para 0,7 m (contra 1 metro da original). Ela está sendo sendo oferecida, inicialmente, em quantidades limitadas (entenda-se, quem chegar primeiro leva) apenas na cor prata.

jupiter_3plus_lente

Entre os acessórios inclusos, está um anel adaptador para baioneta Leica M. Já para usá-la em outras câmeras, basta adquirir um adaptador de lente de rosca M39 para o padrão desejado.

Curiosamente, o anel da lente informa que ela é produzida em Krasnogorsk, provavelmente na fábrica da KMZ (Krasnogorsky Zavod) que também fez as notórias câmeras Zenit.

 

jupiter_3plus_frente

Segundo o site da Lomography, o preço sugerido dessa lente é de aproximadamente US$ 520, mas adicionados todos os nossos impostos, a brincadeira já sobe para US$ 1.040 aqui no Brasil.

E aí… Vale a pena investir de 2 a 4 mil reais numa lente russa de foco manual projetada na Alemanha a mais de 70 anos atrás? Minha resposta é que isso depende muito do ponto de vista e o nível de desejo do consumidor. Digo isso porque, com o dólar a R$ 4, tudo é caro para nós. :-/

No geral, as lentes russas sempre tiveram o atrativo de ofercer uma interessante relação de custo x benefício. Porém, o lado benefício sempre esteve à mercê do chamado “controle de qualidade” desses produtos, que dizem variar do sublime até o inacreditável(mente ruim!)

Eu mesmo passei muito tempo atrás de uma lente Jupiter-8 (a versão mais simples com abertura máxima de f2.0) com rosca M39, para usar na minha OM-D. E, para minha felicidade, eu recentemente achei e arrematei uma no ML pagando a bagatela de R$ 90 (~ US$ 22,50) + postagem — e ainda veio com uma Zorki 4 espetada de brinde:

Zorki_4

E qual o resultado dessa lente na minha Olympus?

Jupiter_8_flor

Jupiter_8_gato

Jupiter_8_flo2

Jupiter_8_PB

Daí vem o seguinte dilema: É fato conhecido que as Jupiter russas são baseadas no mesmo design da Zeiss de ~70 anos atrás, de modo que — para mim — seu desempenho é excelente para uma lente russa da década de 1970 (a minha é de ~1972).

Agora… Será que vale a pena pagar US$ 1.040 para ter o mesmo resultado de uma lente velha de US$ 22,50 + frete?

Mais informações aqui.

 

Ainda em tempo:

Segue abaixo o press release do anúncio dessa lente, ocorrido no último dia 21 de janeiro, e que, de tão relevante, resolvi reproduzí-lo na íntegra abaixo já que, cá entre nós, não é sempre que nos deparamos com uma “RESSURREIÇÃO DE PROPORÇÕES PLANETÁRIAS“, né?

A BOLD, BEAUTIFUL & BRIMMING-WITH-BOKEH RESURRECTION FROM THE ZENITH OF RUSSIAN OPTICAL DESIGN

 

A Resurrection of Planetary Proportions from the glory days of rangefinder photography Unsurpassed Character with super-fast performance and incredible low light hability, handcrafted Construction of solid chrome-plated brass and Russian glass optics Rich Russian Heritage based on the iconic Jupiter lens.

A RESURRECTION OF PLANETARY PROPORTIONS

Designed by the highly experienced Lomography team and manufactured by the expert technicians at the exact same Zenit factory in Russia as the original lens, the New Jupiter 3+ Art Lens retains the strong character and Soviet spirit of its forbearer — crisp sharpness, smooth, natural colors and lush, dreamy bokeh — while transcending it in many ways. With substantial improvements on design and compatibility, Lomography is extremely proud to introduce the New Jupiter 3+ Art Lens to their line of exquisitely handcrafted Lomography Art Lenses over half a century since the original Jupiter 3 lens was released.

UNSURPASSED CHARACTER

Equipped with a versatile 50mm focal length and fast f/1.5 maximum aperture, the New Jupiter 3+ Art Lens allows you to effortlessly capture every moment from portraits to everyday life. It has an outstandingly shallow depth of field at large apertures and yields stunning results in all kinds of settings, whether you’re shooting in low light or bright sunshine. Subjects will pop out from the frame while the defocused areas will be drenched in beautiful bokeh, resulting in an extremely unique image quality that makes this lens incredibly special and gives a character entirely its own!

HANDCRAFTED CONSTRUCTION

With years of knowledge and experience, the skilled and dedicated team of technicians at the Zenit Factory in Russia has produced the lens to the highest quality. In addition to having a modified 0.7m closest focusing distance (an improvement from 1m on the original lens), the New Jupiter 3+ Art Lens is directly compatible with L39 and M mount rangefinder and mirrorless digital cameras, as well as many more using adapter mounts.

Constructed from chrome-plated solid brass, the New Jupiter 3+ Art Lens is much more durable than the original Jupiter 3 lens, which was made out of aluminum, so it will last for many, many years to come.

RICH RUSSIAN HERITAGE

First developed in Soviet Russia in the late 1940’s, the original Jupiter lens was crafted by the optical pioneers at the Zenit factory in the suburbs of Moscow and came to be loved for the incredible character it gave to the images captured with it. Since then, it’s been used to capture millions of photographs around the world. But production of the Jupiter 3 was halted in 1988 and the option to find one has become more difficult as time goes on. Lomography is proud to bring this lens back into the spotlight and make it available once again to a new generation of photographers. The New Jupiter 3+ Art Lens is being produced in small batches and thus will be available on a very limited first-come, first- served basis in the Lomography Online Shop.

TECHNICAL INFORMATION

Focal Length: 50mm
Aperture: f/1.5 – 1/22
Lens Mount: L39, includes Leica M-mount adapter
M-mount Adapter Frame Line
Triggering: 50mm frame line
Rangefinder Coupling: Yes
Minimum image circle: 44mm
Field of view : 46 degrees
Flange distance: 28.8mm (L39 mount) 27.8mm (M mount)
Closest Focusing Distance: 0.7m
Filter Thread Requirement: 40.5mm
Lens Construction: 7 elements in 3 groups
Order the New Jupiter 3+ Art Lens

http://shop.lomography.com/jupiter-3-plus

Visit the New Jupiter 3+ Art Lens Microsite

http://www.lomography.com/jupiter

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Panino, o Manino 25/01/2016, 18:35

    Essas lentes antigas ainda tem mercado por causa da abertura. O
    Uma lente mais atual com grande abertura é quase sempre mais cara, ou muito mais. Naturalmente você não tem as facilidades de foco automático, mas para quem quer explorar as possibilidades e se divertir fotografando isso não importa tanto.
    Pelo menos, é essa minha impressão.
    Sei que tem gente que vai atrás dessas lentes até pelos defeitos dela. É a “personalidade” da lente.

    • Mario Nagano 25/01/2016, 19:00

      Sim, concordo que a grande graça dessas lentes clássicas está no que você chama a de “personalidade”. Acho que um bom exemplo de lente desse tipo é a nova Trioplan 100mm/f2.8 que a Meyer-Optik que produz o notório “Soap Bubble Bokeh”

      http://petapixel.com/2015/07/10/trioplan-100mm-f2-8-rebirth-will-bring-soap-bubble-bokeh-to-modern-cameras/

      Mas como a Jupiter-3+ parece seu precinho também é de matar — algo como US$ 1.699 — nada mal para uma lente de três elementos.

      Com relação à abertura, eu acho que existem ofertas bem mais atraentes (ou seriam consistentes) no mercado de usados, em especial entre as lentes normais japonesas com abertura f2.0, f1.8, f1.7 e até f1.4 como as Konica Hexanon AR, Olympus Zuiko, Yashica ML, Canon FD, Minolta MD ou SMC Takumar da Pentax que podem ser adquiridas por bem menos do que US$ 1.040.

      Se o usuário fizer questão de uma lente russa e abrir mão de um ou dois pontos de abertura, as Helios 44-2, 44-M7 e até mesmo a ultrajante Zenitar-M2s/K2 oferecem uma excelente relação custo benefício, podendo ser achadas por ai na faixa dos R$ 200 (ou menos) até com câmera espetada de brinde.

  • Carlos Eduardo Bittencourt 26/01/2016, 12:29

    De fato, o que você disse no texto que o controle de qualidade das lentes da época da União Soviética eram terríveis, infelizmente é verdade!

    Adoro lentes manuais antigas (ou talvez eu seja pobre mesmo… enfim!), e fui premiado com algumas belas surpresas, mas também com verdadeiros desastres…

    Por exemplo, tenho uma Pentacon 1.8/50mm que é o modelo que deu origem à Carl Zeiss Pancolar 1.8/50mm (os melhores modelos eram assim nomeados). Fui premiado… resolução incrível, bokeh maravilhoso, muito nítida!

    Já, ao contrário, levado pela impressão que tinha da marca, adquiri uma Pentacon 2.8/29mm que deu origem à CJ Pancolar 2.8/29mm. Li comentários dos mais diversos, de pessoas que não conseguiam tirar a lente da máquina e outras que a considerava bastante razoável. Porém, o modelo que recebi é sofrível, toda aberta parece lente de plástico, brinquedo de criança e só consigo nitidez nas bordas em f/11.

    Enfim, tive outras belas também, por exemplo, ao adquirir uma desconhecida Tele-Lentar 2.8/135mm com 15 lâminas que deixa o bokeh perfeitamente redondo em qualquer abertura. A SMC Takumar 1.8/55mm afiadíssima aberta, entre outras!

    Agora, esse novo modelo da Jupiter3, você com certeza comprará uma lente com filtros e tudo mais que uma bela lente moderna deve trazer. Mas, ao mesmo tempo, você perde aquela característica única, que só uma lente da época pode trazer, p.ex. a Trioplan que você comentou!

    • Mario Nagano 26/01/2016, 19:00

      O curioso é que a VEB Pentacon nem é uma fábrica russa e sim da República Democrática Alemã (Deutsche Demokratische Republik – DDR) que fundiu diversas empresas da área como Zeiss Ikon, Welta, etc. sob uma única marca.

      Nunca tive muito contato com os produtos da linha Praktica/Pentacon mas o que noto na rede é que seus produtos não são tão populares quanto a dos russos.

      Interessante notar que esse grupo comercializou a primeira câmera com Pentaprisma (Contax-S) que também introduziu o “Engate Univesal” de rosca M42. Fora isso ela foi a primeira a criar uma baioneta com contatos eletrônicos (Pentacon Electric) que transmitia a informação da abertura da lente para o corpo da câmera.

    • Mario Nagano 03/01/2018, 09:27

      Oh by the way,,,

      AFAIK tanto a Pentacon 1.8/50 mm quanto a Pentacon 2.8/29 mm não são projetos da Zeiss e sim da Meyer-Optik Görlitz que, no início, fornecia as lentes Orestor 1.8/50 mm e Orestegon 2.8/29 mm para as câmeras Praktica, mas depois de um tempo essa empresa foi absorvida pela VEB-Pentacon de modo que essas lentes passaram a ostentar apenas a marca (genérica) “Pentacon”.

      http://vintage-camera-lenses.com/meyer-optik-gorlitz-oreston-1-8-50/

      http://vintage-camera-lenses.com/meyer-optik-gorlitz-orestegon-2-8-29/

      Já a Carl Zeiss Pancolar foi um desenvolvimento próprio (e muito bem sucedido) da Carl Zeiss Jena DDR (= a que ficou do lado oriental da Alemanha) que foi criada a partir do projeto da Carl Zeiss Biotar 2.0/58 mm que, na época, foi copiada pelos russos e deu origem a notória lente Helios-44, 44-2, 44-3 e 44M-4/5/6/7 usada nas Zenits.

      http://camerajunky.net/2012/02/26/carl-zeiss-jena-pancolar-80mm-f1-8/

      Fora isso, acho nunca existiu uma Pancolar de 29mm. As lentes grande-angular da Carl Zeiss Jena DDR eram chamadas de Flektogon.

      http://vintage-camera-lenses.com/carl-zeiss-jena-flektogon-35mm-2-4/

      Sob o ponto de vista mercadológico o meu palpite é que na época, as lentes da Pentacon/Meyer-Optik eram consideradas modelos de linha/volume, enquanto que as lentes da Carlz Zeiss Jena DDR eram consideradas um produto mais premium e, por causa disso mais caras.

  • dflopes 01/02/2016, 23:32

    Aqui sou apenas espectador, lendo para aprender.