Hands-on: Caixa de som Bluetooth LG XBOOM Go PK3

H

Pequena, discreta e até que bem barulhenta, a Go PK3 é a caçula das caixas de som portátil da LG que oferece uma ótima qualidade sonora quando usada de maneira correta.

Estava eu aqui na Zumo-caverna pensando em maldades quando um portador chegou por aqui com um pacote. Dentro dele estava a nova caixa de som Bluetooth da LG — a XBOOM Go PK3:

Ela faz parte da linha de som portátil XBOOM Go da LG que é um acessório cuja popularidade tem crescido junto com o hábito de ouvir músicas por streaming em smartphones. Isso porque elas oferecem uma experiência sonora bem mais próxima dos aparelhos de som convencionais que não costumam ter suporte nativo para esse tipo de mídia.

Isso também transforma uma experiência pessoal em algo que pode ser compartilhado em grupos — algo por sinal muito apreciado pelos brasileiros na praia e na piscina, alguns até com um certo exagero, diga-se de passagem:

Um modelo para cada ocasião

De fato, a Go PK3 é a menor caixa dessa família, sendo que acima dela ainda existem os modelos XBOOM Go PK5 e XBOOM Go PK7 que são modelos maiores, mais potentes e até mais espalhafatosos:

Mas fora isso — no geral — eles têm muito mais em comum do que diferenças:

XBOOM Go PK3XBOOM Go PK5XBOOM Go PK7
Preço médioR$ 499R$ 699R$ 999
Potência (RMS)16 watts20 watts40 watts (na bateria: 30 watts)
Falantes iluminados?NãoSimSim
Tweeter embutido?NãoNãoSim
Microfone embutido?SimSimSim
Botão para
comando de voz?
SimSimSim
Recurso de Enhanced Bass / Clear Vocal?Sim /
Não
Sim / Sim Sim / Sim
Modo Dual Play (conectar segunda caixa PK Go)?NãoSimSim
Dimensões182 x 82 x 82 mm220 x 129 x 119 mm320 x 167 x 152 mm
Peso0,7 kg1,2 kg3,0 kg
ProteçãoIPX7IPX5IPX5
BluetoothSimSimSim
ReproduçãoaptX / AAC / SBCaptX / aptX HD/ AAC / SBCaptX / aptX HD/ AAC / SBC
Tecnologia Meridian?SimSimSim
Entrada de Áudio 3,5mmSimSimSim
Bateria3,7 V x 5.200 mAh
7,4 V x 2.600 mAh7,4 V x 5.200 mAh
Autonomia~12 horas~18 horas~22 horas
Tempo de recarga~3,5 horas~4 horas~3,5 horas
Carregamento via porta USB-C?SimSimNão
Acessórios inclusosCabo
USB-C
Cabo USB-CAdaptador de rede elétrica (19V x 1,7A)
Mais informaçõeswww.lg.com/brwww.lg.com/brwww.lg.com/br

Diante disso, podemos afirmar que a Go PK7 é um modelo “de mesa” voltado para o máximo desempenho, enquanto que a Go PK3 é mais focado na mobilidade. Já o Go PK5 é um meio termo entre esses dois extremos combinando características de ambos.

A pequena (não tão) notável

Medindo aproximadamente 18,2 x 8,2 x 8,2 cm (LxAxP), a XBOOM Go PK3 é uma caixa relativamente pequena, mas não ao ponto de poder entrar no bolso da camisa ou da calça:

Mas contrario dos suas irmãs maiores, ela não possui alças nem os notórios alto falantes iluminados, o que faz com que seja dona de um visual mais simples, sóbrio e discreto em tons de cinza e preto (o que eu gosto, já que nem todo mundo quer ser um trio elétrico ambulante).

Some se a isso suas 700 gramas de peso e temos um produto que passa uma agradável sensação de qualidade tanto no seu acabamento quanto na solidez na sua construção, ao contrário de outros que mais parecem uma garrafa térmica, almofada ou até brinquedo de plástico.

E para compensar a ausência das alças de transporte presentes nas Go PK5 e PK7, esta possui um ponto de fixação onde o consumidor pode prender tanto uma correia de transporte quanto um cabo anti-furto:

Fora issoa Go PK3 é o único modelo da linha certificado pela norma de proteção IPX7, o que significa que ela pode cair na água e permanecer submersa por até 30 minutos sob 1 metro de água.

Os modelos Go PK5 e PK7 só atendem a norma IPX5, o que significa que só resistem a respingos d’água como um chuva ou jato de água, mas nada de pular na piscina.

Isso de um certo modo explica ou uso de uma tampa selada com um anel de borracha que protege o painel traseiro da Go PK3…

… onde fica a entrada de alimentação via porta USB, entrada para plug de som estéreo de 3,5 mm e o botão de reset.

Note que a Go PK3 já adota o padrão de porta USB-C, sendo que a empresa já fornece um cabo desse tipo (yaay!), mas não a fonte (buu!) que a LG recomenda que seja de, pelo menos 5V x 1,8A:

Já sua bateria de íons de lítio é de 3,7 V x 5.200 mAh e sua autonomia é estimada em torno de 12 horas com tempo de recarga de 3,5 horas. A caixa se auto-desliga após 15 minutos de inatividade.

É possível checar o estado da bateria por meio de um LED colorido que acende quando mantemos pressionado o botão de liga/desliga por mais de dois segundos:

Este indicador permanecerá acesso por uns 3 segundos e não funciona enquanto a bateria estiver sendo carregada porque neste momento o LED apresenta outra função:

Painel de controle:

Na parte de cima da caixa ficam os controles do aparelho e, como era de se esperar de um equipamento a prova d’água, o teclado tem a forma de uma tira de borracha. E apesar da presença de LEDs, ele não é iluminado:

Tanto o layout quanto a sua iconografia são claras e relativamente intuitivas, em especial para aqueles que já estão familiarizados com esse tipo de produto. Já para aqueles que nunca mexeram numa caixa Bluetooth, recomendamos a leitura do manual do usuário que acompanha o produto, mas que também pode ser baixado no site da empresa.

Interessante observar que essa caixa possui um botão (10) que pode ser usado tanto para avançar para a próxima música quanto para atender/finalizar ligações como se fosse um sistema de viva-voz e outro (11) que pode ser usado para invocar um assistente de voz como o Google Assistente.

Nota do Henrique: reza a lenda que a LG vai lançar smart speakers com Google Assistente nativo (como o da JBL) no Brasil nos próximos meses.

Meridian & Qualcomm Inside

Com relação à tecnologia embarcada, um atrativo dessa linha XBOOM Go é a participação da Meridian

… que é uma notória empresa inglesa (por sinal, a terra dos audiófilos mais chatos) que desenvolve soluções de som de alto desempenho, em especial caixas de som equipados com DSPs e amplificador integrado, sendo que a mesma mantém diversas parcerias de colaboração com empresas como Jaguar Land Rover, British Airways e, é claro, a LG Consumer Electronics:

Outro destaque é o uso da tecnologia aptX da Qualcomm um codec de Bluetooth que garante a máxima qualidade de áudio por meio uma tecnologia de compressão/transmissão de dados que garante uma taxa de bits (ou bit-rate) mais constante e eficiente entre a fonte do sinal e o reprodutor:

Com isso, o aptX proporciona uma qualidade de som mais próxima da gravação original, porque ele minimiza ao máximo a possibilidade de perda de informações causadas pelo gargalo criado pela interface Bluetooth:

Porém, observamos que o Apt-X é uma tecnologia que a Qualcomm licencia (entenda-se que cobram $$$) para os fabricantes de hardware oferecerem esse recurso em seus produtos:

O que isso significa em termos práticos é que dispositivos “não certificados” (instruções de como verificar aqui) irão funcionar normalmente no Go PK3, só que neste caso a caixa vai se comportar como se o aptX não estivesse presente.

Também vale a pena ressaltar que os modelos Go PK5 e PK7 também adotam uma versão ainda mais avançada dessa tecnologia batizada de AptX HD.

Enhanced Bass

O Go PK3 vem equipado com dois alto-falantes frontais com potência de 16 watts RMS

… e dois radiadores passivos nas laterais que ajudam a espalhar os sons graves, funcionando assim como pequenos sub-woofers:

Para aqueles que curtem tons graves a boa notícia é que o Go PK3 possui o recurso Enhanced Bass, que acentua ainda mais esse efeito nas músicas.

Para visualizar o funcionamento desse recurso, fiz uma pequena brincadeira com essa caixa, primeiro com o Enhanced Bass desligado

… e depois com o Enhanced Bass ligado:

Experiência de uso

No geral, a qualidade do som do Go PK3 é ótima, sendo que a caixa é capaz de reproduzir tons graves, médios e agudos de maneira limpa e clara em diversos ambientes (internos e externos), o que é algo notável para um equipamento do seu porte.

Porém, vale a pena enfatizar é que a qualidade da reprodução de som do Go PK3 (ou de qualquer outra caixa de som, diga-se de passagem) depende muito da qualidade da gravação original, ou seja, arquivos de som de origem suspeita, criados com codecs velhos/estranhos/exóticos com taxa de amostragem muito baixa ou compressão muito alta tendem a ter uma qualidade de som não lá muito boa — o que pode até ser melhor percebido quando usamos uma boa caixa de som — de modo que o consumidor deveria levar isso em consideração antes de achar que o som da caixa não presta.

O seu nível de volume é bom sendo capaz de preencher espaços fechados do tamanho, e mesmo em locais abertos ele pode ser ouvido de maneira clara mesmo a uma boa distância (algo como 3~5 metros), mas é claro que neste caso a percepção do áudio é a mesma de um alto-falante numa quermesse da igreja, ou seja, ouve-se a música, mas nada de efeito estéreo ou graves melhorados.

Falando especificamente sobre a percepção do Enhanced Bass ou mais exatamente, daquela sensação de “pancada acústica”, ela é mais percebida com o consumidor posicionado mais perto da caixa — algo como meio metro para menos — sendo que a medida que nos afastamos para além desse limite, o efeito meio que se dissipa e se mistura com os outros tons da música.

Como o smartphone usado nos testes é compatível com aptX nunca notamos algo que poderia ser descrito como um problema de latência no sinal, a não ser quando afastamos o aparelho para muito longe da caixa de som ou colocamos um obstáculo entre eles, como uma parede de tijolos.

Mas cá entre nós, isso também é meio que forçar a amizade, né ??

Considerações finais:

Como dissemos no início dessa análise, ouvir música é meio que um fenômeno social, sendo que em algumas culturas isso é considerado uma atividade mais pessoal (onde o fone de ouvido reina) enquanto que, em outras é mais uma atividade de grupo, sendo que o Brasil se encaixa nesse segundo caso ao ponto de diversas empresas (daqui e de fora) criarem produtos sob medida para o nosso público…

… sendo que a palavra de ordem parece ser quanto maior, mais barulhento e espalhafatoso melhor!

Dentro desse cenário, é inegável a atração dos consumidores pelas caixas de som Bluetooth já que elas combinam com outra paixão — o smartphone — que deixa de ser um simples reprodutor de música para se tornar um aparelho de som de fato:

Mesmo assim, na nossa opinião, a XBOOM Go PK3 ainda está posicionada mais do lado pessoal do que do coletivo, já que o melhor que ele oferece pode ser melhor apreciado no nível pessoal ou em pequenos grupos — ou seja — o Go PK3 não é o melhor equipamento para animar um baile, e até para isso a própria LG tem modelos mais adequados ?.

Dito isso, acreditamos que o Go PK3 é o equipamento ideal para ser usado na sala ou no quarto da casa para ouvir músicas, streamings, podcasts e outros bichos — mas que também pode ser levado para qualquer lugar, inclusive no serviço onde ele pode ser usado tanto para animar sua estação/mesa/bancada de trabalho quanto para dar suporte em outras atividades como reuniões de negócios, apresentações e treinamentos que, somado as suas características de robustez e portabilidade, mostra uma outra faceta mais prática e utilitária desse produto que pode ir além do simples entretenimento.

Legal né?

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos