ZTOP+ZUMO 10 anos!

Joguinho (nerd) do dia: Morse Card da Gift10

Aprenda brincando algo que pode lhe ser muito útil na próxima vez que estiver preso num submarino naufragado (e o WhatsApp não conectar!)

Sejamos francos: Em um mundo cada vez mais “internetizado” para que conhecer código Morse?

Bom, além do potencial para impressionar as garotas e os amigos nerds, dominar esse código pode ser o meio mais simples e prático para você se tornar um ser humano realmente digital sem precisar de parafusar um eletrodo na sua cabeça.

Isso porque a grafia de “traços e pontos” não deixa de ser um tipo de código binário né?

Fora isso, o código morse é reconhecido mundialmente como um meio de comunicação legítimo — inclusive entre pessoas normais — ao contrário de outras línguas francas como o bocce ou klingonês.

De fato, alguns expertos apresentam diversas aplicações práticas para o uso do código morse nos dias de hoje, incluindo o notório Sheldon Lee Cooper (PhD)…

… ou até num futuro distante, caso do também notório capitão de nave estrelar James T. Kirk e sua turma do barulho:

Assim, para facilitar o aprendizado desse código de maneira lúdica e divertida, a fabricante de joguinhos de tabuleiro com tecnologia AR e VR favorita desse Ztop — a Gift10 Industry — anunciou recentemente um novo jogo de cartas chamado Morse Cards (モウルス カルタ = Morusu Karuta):

Este talvez seja o jogo mais simples criado pela empresa já que ele é basicamente um deck de baralho formado por 18 “morse cards” ilustradas com uma figura e a sua descrição em inglês e código morse, além de duas “cartas guia”:

O jogo em si lembra vagamente outro jogo bem popular no Japão — o erudito Uta Garuta (歌 ガルタ) ou sua versão “didática” o Iroha Garuta (いろは がるた) — cuja regra é bem simples: As cartas são espalhadas sobre o tatami e o árbitro da partida começa a ler um poema ou provérbio contido em outro deck de cartas, sendo que os jogadores tem que encontrar (ou literalmente, meter a mão) na carta cuja ilustração corresponde ao mesmo. Assim vence aquele que pegar mais cartas.

Já na versão da Gift10 essas cartas de provérbios/poemas foram substituídas por um app para iOS ou Android que funciona como um manipulador Morse, capaz de “telegrafar” o nome de uma morse card na forma de pulsos sonoros. E para facilitar a vida do operadores de “munheca dura” ao invés de usar toques longos e curtos, ao tocarmos na tela com um dedo a app emite o bipe curto (= “ponto”) e ao tocar com dois dedos ele gera o bipe longo (= “traço”).

A idéia é que os jogadores ouçam atentamente a mensagem em morse e tentem encontrar (e literalmente, meter a mão) na carta cuja ilustração corresponde ao mesmo:

Interessante notar que esse app também tem a opção de funcionar no modo automático, o seja, ele dispensa a necessidade de ter uma pessoa dedicada a telegrafar as mensagens em morse, permitindo assim realizar uma partida com apenas duas pessoas.

Fora isso, ainda existe um segundo tipo de partida que pode ser jogada usando a face oposta das morse caras, que mostram apenas a imagem sem as legendas:

Neste caso, o árbitro da partida não precisa telegrafar a palavra que está escrita na carta e sim algo relacionado com a figura. Por exemplo, no exemplo abaixo pode-se tanto transmitir a palavra “sol”, “estrela” ou mesmo “Natsu” (verão em japonês). Assim, o primeiro a “captar a mensagem” deve procurar (e literalmente, meter a mão) na carta cuja ilustração corresponde ao mesmo:

Simples não? Mas para quem não entendeu nada, o pessoal da Gift10 disponibilizou uma página em inglês que explica detalhadamente essas regras, o que mostra que a empresa começa abrir seus olhos para o mercado internacional.

O jogo é indicado para grupos de 2 até 8 pessoas com idade a partir de 6 anos. A duração de cada partida é de aproximadamente 10 minutos.

Ele foi lançado pelo preço promocional de 1.000 ienes (~R$ 33) mas devido ao modelo de negócios da Gift10 de produzir itens numa quantidade bem limitada (lotes de 10 a 1.000 unidades) para não ter que gerenciar grandes estoques (ou pior, mercadoria encalhada), os 100 primeiros decks do Morse Card já foram vendidos na lojinha da empresa (yaay ou boo???)

Para mais informações visite o site da Gift10  e também o seu blog que fala um pouco sobre o “making of” desse produto (aqui e aqui) além dos desafios de ser uma empresa nanica nessa tal de indústria 4.0:

Nova série do ztop+zumo! — Consertos para a juventude (um suplemento cultural para melhorar o nível intelectual dos nossos posts infames!):

Para quem não sabe, a palavra カルタ (= karuta) vem do português “carta” e, assim como outras, são influência do contato do Japão com os navegadores portugueses ainda na época dos samurais. Isso porque eles foram os primeiros europeus a encostarem na ilha em 1543 e que levou à um acordo exclusivo de comércio com os nipões durante o chamado período Nanban (= comércio com o bárbaros do sul)…

… o que levou a introdução de novos produtos e serviços vindos de fora na ilha como seda, porcelana…

… açúcar, vinho, armas de fogo (que os nativos de tanga da ilha logo aprenderam a copiar) …

… e é claro, missionários jesuítas:

Reza a lenda que depois de um início meio desastroso, os Jesuítas ganharam uma certa popularidade entre o público local ao ponto dos monges budistas (que eram ligados ao estado) irem se queixar da concorrência com o Xogunato Tokugawa que solicitou aos portugueses que controlassem seus religiosos.

Mas como nada foi resolvido, o Xogum resolveu chutar o balde e botou toda a portuguesada pra fora em 1614 e trocou-os pelos holandeses, que estavam mais interessados em fazer negócios do que salvar almas.

E para garantir que as coisas ficassem de acordo com os conformes, eles confinaram a presença dos “Kōmō” (紅毛 = “cabelo vermelho”) numa ilha artificial colada na baia de Nagasaki chamada Dejima onde seus movimentos foram cuidadosamente observados e rigorosamente controlados.

Yep, comércio internacional is hell!

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.