ZTOP+ZUMO

Internet Explorer 9: Microsoft tenta reinventar a roda

Um ano depois de seu anúncio e de uma fase de testes com mais de 40 milhões de downloads, a Microsoft lança hoje oficialmente o navegador Internet Explorer 9. ZTOP passou os últimos 10 dias fuçando diariamente a versão Release Candidate do browser, que terá o download liberado à meia-noite desta terça-feira.

Nas palavras da própria companhia, é a “reinvenção” do browser que ainda é líder de mercado (56,7%, segundo a NetApplications), mas que perdeu (e muito) em inovação nos últimos anos para os concorrentes Mozilla Firefox (21,74%) e Google Chrome (10,93%).

Gente como eu, que raramente usa o Internet Explorer, vai se surpreender com o novo visual do navegador (uso Google Chrome no PC e no Mac, por sinal).

A Microsoft retrabalhou a interface toda,  um salto enorme para quem ainda usa IE 6 (sim, 11,33% dos navegadores do mundo usam um software lançado em 2001). No IE9, os sites ficam mais centralizados, com menos barras de ferramentas e botões do navegador para atrapalhar. Dá até para brincar de mover as abas para cima, ao lado da barra de endereços, e para baixo dela.

Mas interface, para o IE9, não é o principal. O forte do navegador é o fato de a Microsoft ter investido em três grandes áreas: velocidade, segurança e compatibilidade com novos padrões para a web.

O primeiro item, pelo menos de acordo com números iniciais divulgados pela Microsoft, impressiona: da fase de testes beta do IE9 para a versão Release Candidate (a última antes da final), foram mais de 2.000 mudanças feitas pela equipe de desenvolvimento do navegador. Entre os itens importantes estão o processo de o navegador delegar à placa de vídeo (ou GPU) do computador o processamento de textos, fotos e, principalmente, vídeos. Nos outros browsers, essa tarefa é feita pelo processador do PC, utilizando mais recursos e, por consequência, deixando o processo mais lento.

Para acelerar a navegação na web, o IE9 traz um novo engine de processamento de JavaScript, chamado Chakra, que lida melhor com processos nesse formato (como galerias de fotos em sites, para citar um exemplo). Recursos de integração ao Windows 7 (e ao Vista, por consequência) tornam a experiência de uso do IE9 melhor, como o uso das “JumpLists” (que trazem informações de sites sem precisar entrar na página, como manchetes de jornais), o “Aero Snap” (divide a tela para ajustar a navegação em múltiplas janelas, item padrão do Windows 7) e a criação rápida de atalhos para sites na barra de ferramentas do sistema.

Segurança, para quem usa qualquer máquina com Windows, é fundamental. O IE9 permite criar listas de sites que você não quer que te rastreiem, para aumentar a privacidade, e um novo gerenciador de downloads facilita – e muito – a detecção de arquivos maliciosos que podem infectar o computador. Arquivos com “reputação positiva” passam batido (e o Windows não alerta simplesmente que “este arquivo pode danificar seu computador”), arquivos com potenciais problema fazem soar o alarme. E a Microsoft seguiu muito bem a escola Google Chrome e lança o navegador pronto para atualizações automáticas.

Finalmente, os padrões: desde o lançamento das versões beta (e da Release Candidate), a Microsoft bate na tecla de que o IE9 está mais que pronto para a nova geração de novos padrões para a web, como HTML5, CSS3 e SVG (já comuns no Google Chrome e Apple Safari, por sinal). O Acid3 Test discorda, mas tudo bem (pelo menos aqui pra mim deu 95 pontos, contra 100 do Chrome)

Funciona? Sim. Tem uso por um monte de desenvolvedores? Ainda não. Mas com cada vez mais gente criando sites/aplicativos para plataformas móveis como iPad – que não roda vídeos em Flash, vale lembrar, mas aceita vídeos em HTML5 – ter o apoio da Microsoft no HTML5 conta muito.

Recursos à parte, a grande notícia é que o Internet Explorer 9 consolida a posição de uma “nova” Microsoft que surgiu poucos anos atrás. A chegada do Windows 7, um sistema operacional reformulado e altamente funcional, foi o primeiro sinal, seguido pelo Windows Phone (pouca gente usa, mas é um enorme salto em relação ao Windows Mobile) e, agora, pelo Internet Explorer 9.

Quem vai usar? Consumidores com Windows 7 e Vista (não roda no XP, o que é um problema) que sempre usaram e vão continuar a usar o navegador que veio com seu computador (como avós e pais tecnológicos). Os recursos – visuais e de desempenho – do IE9 encantam à primeira vista, mas dificilmente quem está acostumado com um Firefox ou Chrome vai voltar ao velho IE. Ou, no caso de um novo computador, usam o IE para baixar um dos seus concorrentes.

Onde conhecer novos recursos do IE9? Na boa (e bela) galeria Beauty of the Web. Para baixar o IE9, use o Windows Update do seu PC ou baixe no www.internetexplorer9.com.br (previsto pra 0h de terça)

Em tempo: No IE9, este ZTOP aparece com o design do modo que foi imaginado (o mesmo ocorre no Google Chrome para Mac), com fontes no tamanho certo e elementos carregando sem problemas.

Jô comenta: apesar do trauma das versões anteriores do IE – especialmente o 6 – vale dar um voto de confiança à Microsoft e testar o IE9. O navegador deu um salto equivalente ao do Windows 7 em relação ao Vista.

O que o Henrique disse, sobre uma “nova” Microsoft, é muito pertinente. Historicamente, a empresa do tio Bill sempre tentou enfiar goela abaixo dos usuários e da comunidade de desenvolvedores padrões proprietários, coisa que nunca deu certo.

Aliás, essa postura atraiu a fúria de muita gente, que decidiu abandonar o navegador inicialmente por posicionamento ideológico, e depois percebeu que as alternativas eram muito melhores.

Outro ponto importante no IE9 é a adaptabilidade ao meio. O IE ficou com má fama pela forma como era conduzido, sempre atrás dos outros ou, pior, inseguro e cheio de brechas. A Microsoft parece ter se emendado e dá sinais que entendeu finalmente como a banda toca. O negócio é ouvir a comunidade e o usuário, tirar o que não serve (xiitas e odiadores de plantão) e colocar o que as pessoas precisam no produto.

HTML5, pelo menos em testes sintéticos, roda que é uma beleza. O IE9 acessa os recursos da GPU da mesma forma que o Windows 7. Quase nenhum benchmark de navegação testa aceleração gráfica, por isso essa vantagem não é tão evidente. Na navegação corriqueira, isso não é muito sensível, mas com sites mais violentos, faz a maior diferença.

E talvez esse seja o trunfo do IE9: ele foi feito para o futuro. E claro, ele está aí hoje, e funciona direitinho. Mas a aposta é que, em pouco tempo, os sites fiquem mais complexos e os concorrentes abram o bico.

É claro, esse é um cenário hipotético, pois o Google não fez o que fez com o Chrome para deixá-lo obsoleto, e a Mozilla uma hora acorda e dá um jeito no Firefox.

Porém, a Microsoft sabe como funcionam as engrenagens do Windows 7, e parece que finalmente colocou esse conhecimento dentro do browser. O Henrique tem toda razão quanto ao público inicial do IE9. Porém, vale lembrar que muita gente achava o Security Essentials (o antivírus e caça-spyware da Microsoft) uma piada, mas hoje ele roda super leve e efetivamente resolve, protegendo o usuário da mesma forma que um produto comercial. E por causa disso, muita gente passou a usar o programa.

Se o segredo é dar o que as pessoas querem, talvez a Microsoft vire o jogo dos browsers. Ou pelo menos pare de passar vergonha…

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

  • Alexandre Gorges 14/03/2011, 08:16

    vamos ver se para os problemas de alinhamento e css das versões anteriores.

  • dflopes 14/03/2011, 08:41

    Não, obrigado.

    PAra entrar sites em que é obrigatório o IE, vamos de IE Tab (no FF ou Chrome).

    E como estão os teste com Flash? Pois, mesmo que o Tio Estavão queira, ele não morreu.

    • henriquem 14/03/2011, 08:43

      flash não morreu, mas vai ficar cada vez com menos relevância

  • Bruno 14/03/2011, 14:49

    "… o processo de o navegador delegar à placa de vídeo (ou GPU) do computador o processamento de textos, fotos e, principalmente, vídeos. Nos outros browsers, essa tarefa é feita pelo processador do PC …"

    Você anda meio desinformado, isso já está presente no Chrome e no Firefox 4 (ta certo, este último ainda não foi lançado).

  • Fabiano 14/03/2011, 15:43

    Sou fã do Chrome, mas confesso que o Internet Explorer 9 foi uma baita melhorada no IE! Mas ainda não consegue roubar a coroa do navegador da Google!
    Quem sabe no IE10…

  • Ajr 16/03/2011, 11:19

    Rapaz mais do mesmo, ou seja deram uma garibada num navegador que nunca prestou, sempre foi uma bomba em todos os sentidos. Esse tipo de lançamento só serve para usuários incautos os famosos "newbies" ou o mais inacreditável "fanboys" da ms essa espécie em extinção.

  • wslemos 17/03/2011, 15:19

    Testei o IE9 e não vi muitas melhorias aliás acho que até o Opera 11 está mais funcional sem contar que o visual do IE com aquelas abas quadradas dá uma impressão de mal acabamento do produto. Vou esperar a versão final do Firefox pra retornar ao uso de um browser decente. Espero que a Fundação Mozilla não me decepcione.