Intel lança novo SSD 660p para PCs de entrada e mainstream

I

Disponível nas versões de 256 GB até 2 TB, esse modelo vem equipado com memórias 3D NAND QLC + porta NVMe o que proporciona uma melhor relação de custo x benefício para aplicações do dia a dia.

A Intel anunciou ontem a chegada do seu novo SSD da série 660p disponível nas versões de 256 GB, 512 GB, 1 TB e 2 TB:

Para quem ainda não conhece esse produto, trata-se de um disco SSD na forma de cartão que segue o padrão de formato M.2 2280 cuja terminação “2280” se refere às dimensões do mesmo (22 mm de largura x 80 mm de comprimento):

Fora isso, o novo 660 também vem equipado com uma interface NVMe o que torna o mesmo mais veloz que os cartões m.2 padrão SATA (veja a diferença aqui) cuja velocidade máxima de leitura — na teoria — não ultrapassa 600 MB/s.

Segundo Roberto Mattos, gerente da unidade de negócios de memórias da Intel (e chapa deste Ztop+Zumo) esse lançamento vem para atender a crescente demanda dos discos SSDs que cada vez mais estão substituindo os HDDs convencionais nos PCs novos (e até usados, diga-se passagem).

O executivo afirma que a participação dos SSDs no chamado TAM (Total Available Market) do segmento de armazenamento pode chegar a mais de 80% até 2021.

Isso significa que os discos SATA irão desaparecer do mercado? Mattos acha que não porque ele produto ainda sobreviverá por um bom tempo enquanto existirem PCs equipados com essa interface. Depois disso, é claro que eles tendem a ter o mesmo destino dos discos PATA e SCSI (de fato, alguém ainda se lembra deles?)

E até por causa disso também existe a tendência natural da interface SATA perder cada vez mais espaço para o NVMe devido ao significativo ganho de desempenho.

Baseado nisso, começamos a entender que, ao contrário do que possa parecer à primeira vista, o SSD 660p não é uma solução extrema voltada somente para velocidade e sim como uma solução que realmente oferece ganhos reais de desempenho se comparado com o HDD, mas que é voltado para a chamada computação do dia a dia, caso dos discos da série WD Blue da Western Digital:

De fato, ao analisarmos com calma suas características técnicas, elas são boas, mas nada que espalhe o terror na concorrência:

Quando questionamos isso com Mattos, ele reforçou a mensagem de que eesse produto não seria exatamente voltado para (muito) desempenho, já que para esse público mais exigente como entusiastas e gamers, sua empresa também oferece a série Intel SSD 760p bem mais performática e — para casos ainda mais extremos — ela ainda tem as soluções baseadas em Optane como os SSDs 900p/905p:

Interessante observar que a Intel também possui uma linha de discos SSD 545s equipada com porta SATA III/SATA 600 disponível no formato de disco de 2,5″ quanto de cartão m.2:

Uma característica interessante do 660p é que ela utiliza chips de memória NAND (não confundir com Optane) com tecnologia 3D QLC cuja principal característica é sua capacidade de armazenar até 4 bits de informação na mesma célula contra três do 3D TLC e duas do 2D/3D MLC.

Isso significa que é possível aumentar a densidade/capacidade de armazenamento na mesma célula de memória, reduzindo assim o seu custo de produção — ou seja, fazer SSDs de mesma capacidade com menos chips de memória — o que torna esse produto no fim das contas até mais acessível.

Outra característica interessante desse disco é que ele conta com um recurso que gerencia dinamicamente o tamanho do cache SLC para cima ou para baixo para melhorar o desempenho geral do SSD:

Para quem não sabe, SLC é a abreviação de “Single Level Cell” o que nesse contexto significa que parte de um banco de memória QLC pode se comportar como se fosse uma memória SLC ou seja, na hora de gravar algo, apenas um bit da célula e QLC é gravada (ao invés das quatro ao mesmo tempo) o que faz com que o ganho de velocidade seja dramático, e a medida que esse cache SLC enche, ele automaticamente transfere seu conteúdo para outras células QLC.

Dai, a grande sacada dessa solução da Intel é que como o tamanho desse cache SLC é dinâmico, ele pode ser maior ou menor dependendo da quantidade de memória QLC livre tornando assim o disco mais (ou menos) veloz de acordo com o contexto tirando assim o máximo proveito da mídia.

E para não ficar só no anúncio, a empresa também apresentou alguns números de desempenho comparando o seu novo SSD 660p NVMe (a direita) com um SSD SATA (ao centro) e um HDD SATA (a esquerda) da concorrência, tanto no modo de leitura sequencial…

Clique para ampliar

… quanto aleatório:

Clique para ampliar

Como acontece com outros produtos da casa, a Intel não vende direto para o usuário final, de modo que o preço sugerido dos novos SSD 660p é determinado por cada canal de importação e a loja do varejo.

Mais informações aqui.

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

Disclaimer: o ZTOP+ZUMO tem links de afiliados com a Amazon e pode ser
remunerado caso você clique em links neste artigo e compre algo.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos