Intel Edison: Idéia brilhante, mas não foi o primeiro

I

CES 2014: A idéia de um computador num cartão SD pode parecer nova, mas algo semelhante até já existe no mercado e alguns hobbistas de eletrônica já aprenderam como hackeá-lo para servir a seus propósitos.

Depois de surpreender a comunidade de desenvolvedores / inventores / hobbistas / educadores / makers / doers / tinkerers / hackers ou semelhantes com o lançamento da placa Galileo a Intel repetiu a façanha na CES 2014 com o anúncio do Edison, um “computador” — ou mais exatamente um microcontrolador programável x86 —  na forma de um cartão SD.

CES2014_Keynote-Edison

Apesar das informações na sua página no site da Intel ainda serem meio vagas e escassas, o que já se sabe do Edison é que ele é formado por um processador Quark dual-core de 22 nm e 400 MHz, 512 MB de de RAM do tipo LPDDR2, 1 a 2 MB memória Flash para armazenamento local e diversas interfaces, incluindo GPIO, UART, I2C, SPI, PWM, Wi-Fi e bluetooth LE de baixo consumo.

De fato a grande sacada desse produto é que o desenvolvedor pode, por exemplo, criar uma aplicação para o Edson no seu PC e transferir o executável diretamente para o mesmo, bastando para isso apenas inseri-lo no leitor de cartões do computador. Seu sistema operacional é baseado no Linux.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Mas ao contrário do Galileo que é uma plataforma de exploração e experiências equipado com diversos recursos, para funcionar o Edison precisa ser instalado num hardware específico que ele irá controlar — como o Mimo Baby  Monitor mostrado durante a apresentação de Brian Krzanich na CES 2014:

mimo_baby_monitor

 

Apesar da sua concepção brilhante e o seu potencial criativo ser imenso para a indústria, receio que a Intel não seja a primeira a realizar essa façanha, pois já faz algum tempo que circulam relatos na web de que hobbistas de hardware já exploram esse conceito com um produto de prateleira — ou mais exatamente o cartão SD com Wi-Fi da Transcend (e similares).

Segundo o site Hack-a-day um dos primeiros a tocar nesse assunto foi “Pablo” que publicou no seu blog um relato sobre sua descoberta de que o cartão da Transcend não deixava de ser um sistema embedded rodando Linux, de modo que é tecnicamente possível reprogramá-lo para outras funções. Segundo outro  post, seu hardware é formado por um processador ARMv5 de ~400 MHz, 32 MiB de RAM, interface Wi-Fi e 16~32 GiB de memória Flash:

demo

Depois disso, outros hackers entraram na dança e começaram a desenvolver seus próprios projetos de hardware/software baseado nesse cartão:

É fato que o Edison é um produto mais poderoso, versátil e amigável para o desenvolvedor, mas não se pode negar que o conceito na sua essência já existia nesses cartões SD com Wi-Fi. Mais admirável ainda é o esforço de “standard nerds” (® Denholm Reynholm) de explorar o potencial desses dispositivos por sua conta e risco e até mesmo sem o suporte/aprovação do fabricante.

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos