Intel anuncia Core ix de décima geração para desktops

I

Voltado para o segmentos de volume, entusiasta e gamer, o novo Comet Lake S estará disponível nas versões com dois até dez núcleos de processamento com clocks de até 5,3 GHz!

Depois do recente anúncio dos processadores Intel Core-ix de décima geração da série H para notebooks de alto desempenho chegou a vez dos desktops receberem a sua versão (codinome Comet Lake S) disponível em mais de 20 modelos que vai do “singelo” Celeron G5900 de 3,4 GHz até o superlativo Core i9-10900K que chega a 5,3 GHz no modo Single Turbo sem contar que ele pode ser acelerado mais ainda via overclock (modelos identificados pelo sufixo “K”)

Note também a existência de modelos com e sem aceleradora gráfica sendo este último identificado pelo sufixo “F” caso do Core i5-10400F ou do Core i5-10600KF que seria destravado e sem GPU:

De fato, a empresa destaca que o recurso de Hyperthreading (HT) está disponível em toda a sua linha Core desde o i3 até o i9 de modo que apenas os novos Celeron e Pentium Gold não contam com esse recurso além de serem os únicos modelos dessa lista ainda equipados com apenas dois núcleos (dual-core):

Se comparado com o Comet Lake H a versão S traz mais novidades como o uso de um novo chipset da série 400, suporte para memórias DDR4-2933, interface Intel AX201 WiFi6 (com GIG+) integrado e suporte (externo) para a controladora de rede de 2,5 Gb Ethernet Intel I225-LM (codinome Foxville) e diversos recursos voltados a melhorar a sua velocidade/desempenho.

Com relação os suporte para vPro (mais indicado para o mercado corporativo) a empresa explicou que ele seria uma linha de produtos à parte que ainda está para ser anunciado, provavelmente junto com as primeiras versões para workstation com suporte para memórias ECC .

Velocidade importa

Segundo Brandt Guttridge diretor sênior de marketing para desktop e workstation, um dos destaques do Comet Lake S é a ênfase no seu desempenho, o que neste caso significa que o pessoal de Santa Clara implementou diversos recursos para tirar o máximo de “clock” dos seus novos chips o que foi feito por meio de diversas abordagens.

Por exemplo a nível de fabricação foi feita uma mudança no chamado STIM que seria o material de interface térmica com base em solda (TIM) que fica entre o dissipador de calor integrado (IHS) e a pastilha de silício (ou die) do processador, sendo que neste caso o que a Intel fez foi de reduzir a espessura do die ao mesmo tempo que preencheu esse espaço com um IHS mais alto aumentando assim a sua capacidade de dispersar calor…

… melhorando assim o seu desempenho térmico, ou seja, com essa nova tecnologia (batizada de Thin Die STIM) o chip pode operar a clocks mais elevados sem sofrer problemas de superaquecimento.

Outra abordagem é o uso da tecnologia Intel Turbo Boost Max 3.0 que identifica os dois núcleos mais velozes do processador (o que pode variar de chip para chip) e utiliza-os para obter ainda mais desempenho em aplicações e jogos feitos para rodar em sistemas single ou dual core (algo como 60% do mercado — mais sobre isso aqui).

Fora isso, a Intel também atualizou o Intel Extreme Tuning Utility a sua ferramenta de ajuste fino/overclock que além de melhorias na parte visual/gráfica e nas ferramentas de ganho de desempenho, ele incorpora novos recursos como mudar a relação de PEG/DMI (para fazer overclock) ou ligar/desligar o HT de cada núcleo de processamento com o objetivo de reduzir a geração de calor:

Com relação ao desempenho, a Intel apresentou o resultado de alguns testes (hi Hiral !!! ) realizados com o seu modelo topo de linha, o Core-i9 10900K

… com um sistema de três anos atrás, ou mais exatamente num PC com processador Core i7-7700K:

Disponibilidade e preço

Segundo a Intel, a expectativa é que esses novos chips cheguem ao mercado global (incluindo o Brasil) por meio dos canais normais de distribuição e, a partir deles, devem chegar ao varejo e aos integradores de hardware.

Já preço unitário em dólar para lotes de mil peças já pode ser conferido nas tabelas publicadas acima.

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

+novos