ZTOP+ZUMO

Intel anuncia chip Core i5 “Clarkdale” com GPU integrada

(Pré) CES 2010 — Menos de quatro meses após o lançamento do Core i5 Lynnfield, a Intel aproveitará a CES 2010 para anunciar a chegada do Clarkdale, seu primeiro processador Core a vir equipado com uma aceleradora gráfica integrada. Mas, ao contrário de nossas previsões, além do Core i3 ele também estará disponível como Core i5, o que pode criar alguma confusão do mercado, já que o Lynnfield continuará no mercado por mais algum tempo.

Com o segmento de PCs topo de linha bem atendido com o Core i7 “Bloomfield”, chegou a vez de a Intel redirecionar seu foco para o mainstream. Segundo a Intel, esse segmento, representado pelos desktops mini-torre, compactos e “all-in-one”, são responsáveis por quase 80% do mercado mundial de PCs e atendem a um novo perfil de usuário mais interessado em comsumir conteúdo da internet e processar mídias digitais como fotos, músicas e, mais recentemente, vídeo em alta definição.

Segundo pesquisas internas, os chamados “players casuais” — que gostam de joguinhos em Flash ou mesmo títulos como The Sims — representam um público que quase empata com aqueles que apreciam jogos mais avançados e que dependem de uma aceleradora gráfica mais potente para se divertir.

Assim temos um público-alvo que deseja um computador moderno e que não precisa ser topo de linha, mas que seja capaz de atender as necessidades básicas de acessar a web e outras atividades mais pesadas como processar mídia e reproduzir conteúdo em HD. E é nesse contexto que a Intel introduz sua primeira leva de processadores da sua “linha 2010”, que inclui quatro novos processadores Core i3 e sete novos processadores Core i5 tanto na versão para desktops (Clarkdale) quanto para portáteis (Arandale). Mais detalhes sobre a linha móvel em outro post.

Como já foi dito anteriormente, o Clarkdale é o primeiro processador Core da empresa a vir equipado com uma aceleradora gráfica integrada (o título de primeirão foi para o Atom “Pinetrail” anunciado em dezembro do ano passado) e que integra no mesmo encapsulamento uma curiosa combinação de dois chips montados lado a lado: à esquerda o chamado iGFX (aceleradora gráfica Intel HD mais o controlador de memória DDR 3 e o controle do barramento PCI Express) e à direita o processador propriamente dito. Note que o iGFX é ligeiramente maior porque ele ainda é construído em 45 nm contra 32 nm do processador.

Note que ele é bem diferente do Core i5 série 700 (Lynnfield), com seu padrão de construção monolítico:

Segue abaixo a tabela com as principais características técnicas dos novos Core i3 série 500 e Core i5 série 600.

Ao contrário do Core i5 Lynnfield e seus quatro núcleos físicos, o Clarkdale é um modelo dual-core com HT, o que adiciona mais dois núcleos lógicos ao sistema. Além disso os novos chips já vem com o chamado AES-NI (Advanced Encryption Standard New Instructions): são seis novas instruções especificamente criadas para consolidar as operações matemáticas, permitindo assim acelerar as aplicações que utilizam os algoritmos de segurança padrão AES.

Aparentemente a principal diferença entre essas duas linhas é que o Core i3, além do cl0ck mais baixo (de 2,93 a 3,05 GHz) também não conta com o recurso Turbo Boost, uma tecnologia que acelera um ou mais núcleos do processador de maneira dinâmica e de acordo com o contexto. Assim se apenas um dos núcleos já estiver em uso e o sistema precisar de um pouco mais de desempenho, o sistema pode optar por acelerar mais ainda mais o mesmo do que ativar o segundo núcleo. Uma amostra de que cada vez mais, o ganho de desempenho está sendo ganho não só com força bruta e sim com chips mais espertos.

Segundo os roadmaps mais recentes da Intel, podemos ver que com a chegada do Clarkdale o Core 2 Duo “Penryn” de 45 nm, um processador que — de um certo — acabou de vez com a má impressão deixada pelo Pentium 4 “Prescott” de 90 nm, cujo TDP chegou até 115 watts!

De um certo modo, o fato de o Clarkdale vir equipado com o iGFX integrado ao núcleo também traz uma mudança significativa na sua plataforma, ou mais exatamente no chipset da chamada série 5 principalmente quando comparada com seu antecessor da série 4:

Com o Clarkdale a Intel apresenta quatro novos chipsets modelos H57, H55, Q57 cuja grande novidade é o suporte à aceleradora gráfica Intel HD, recurso que não existe no P55.

Isso significa que os novos Core i3/i5 Clarkdale não podem ser instalados numa placa-mãe com chipset P55?  Pelo que já conversei com uma fonte do mercado isso é possível, mas nesse caso o recurso de vídeo não estaria disponível, o mesmo acontecendo no caso do  i7 Lynnfield soquetado numa placa com H57, H55 ou Q57. Ah sim, alguém perguntou de preços?  (sempre unitário para lotes de mil peças.)

Para ajudar os consumidores na hora da compra do novo Core i5, ouvimos dizer que a Intel irá colocar nas caixas de seus produtos de prateleira um grande aviso com um alerta sobre gráficos integrados (Clarkdale dual-core) ou não (Lynfield quad-core).

A aceleradora Intel HD Graphics parece ser uma evolução do atual GMA X4500HD presente nos chips G45:

Pelo que pude entender, as melhorias foram no sentido de tornar o produto mais adequado à exigências do Windows 7 e oferecer uma melhor experiência de uso no processamento e reprodução de vídeo em Full-HD (incluindo DXVA-HD e reproduução de Blu-ray), incluindo um novo suporte para duas saídas em HDMI ao mesmo tempo, ou seja, podemos esperar uma boa melhora no suporte de vídeo, na qualidade de vídeos e até uma sensível melhora nos desempenho em 3D, mas nada que tire o sonho do pessoal do Verdão de Santa Clara ou do Rubro-negro de Sunnyvale.

Para quem curte especificações mais detalhadas:

Nesse momento é importante relembrar que a nova aceleradora Intel HD — assim como seus antecessores — não é voltado para entusiastas e gamers. Nesse caso a opção é o uso de uma placa de vídeo discreta de seu fabricante favorito, já que os novos chipsets oferecem suporte para slot PCI-e X16.

Mais detalhes (se houver mais alguns) no stand da Intel durante a CES 2010 lá em Vegas. Fiquem ligados.

Veja também:

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.