Retrotech: IEEE cria Hall da fama para eletrônicos de consumo

R

Instituto homenageia os 25 maiores equipamentos, gadgets e engenhocas lançadas desde o fim dos anos 1960 até os dias de hoje.

Considerada a maior associação profissional dedicada ao avanço da tecnologia em beneficio da humanidade (e presente até no Brasil), o IEEE (ou Institute of Electrical and Electronics Engineers) dos EUA lançou no início deste ano uma iniciativa batizada de Consumer Electronics Hall of Fame cujo objetivo é de homenagear os 25 melhores eletrônicos de consumo lançado nas últimas cinco décadas:

Por que isso é relevante?

Sob um certo ponto de vista, essa iniciativa tem tudo a ver com o IEEE, já que ela celebra o grande trabalho realizado por inúmeros engenheiros — muitos deles anônimos — que gastaram centenas (ou seriam milhares?) de horas da sua labuta diária (sem contar as horas extras e os fins de semana arruinados) para fazer com que muitas idéias malucas deixassem de ser uma viajada na maionese da “tchurma” do marketing e/ou do dono da empresa para se tornarem produtos de fato, tecnicamente factíveis e comercialmente viáveis.

Afinal, não é esse o trabalho de um engenheiro?

Talvez o melhor exemplo disso seja o bom e velho Steve Jobs (o visionário meio aloprado) que começou a mudar o mundo graças ao trabalho genial de Steve Wozniak (o engenheiro cuca fresca e brilhante) no Apple I e II.

Regras do jogo

Como estamos falando de algo promovido por uma associação de engenheiros, a primeira coisa que o IEEE fez foi estabelecer algumas regras para aqueles que desejam fazer parte dessa lista.

Por exemplo, o produto tem que ter sido lançado a partir de 1968, isso porque o fim dos anos 1960 marcou a popularização do uso generalizado do transístor o que provocou o início da chamada explosão cambriana da eletrônica de estado sólido, uma época em que os engenheiros começaram a construir equipamentos eletrônicos realmente compactos, confiáveis e tão úteis que até convenceram as pessoas a trazerem um na loja.

Mas fora isso, quais seriam os outros critérios?

  • Aquele que vendeu mais na sua categoria de produto?
  • Aquele com o projeto mais engenhoso e criativo?
  • Aquele que conquistou a maior legião de fãs?
  • Nenhuma das anteriores?

A resposta neste caso seria a uma mistura desses fatores já que cada caso é um caso, ou seja, existem exemplos em que um produto é simplesmente genial, em outros o sucesso foi alcançado por pura persistência do fabricante. Fora isso, ainda existe o chamado “cool effect” ou seja, algo realmente tão “legal”ou “bacana” que a engenharia em si pode ter sido de primeira classe ou só mediana que fez sucesso do mesmo jeito.

Mas é ai que entrou o grande trabalho dos redatores do IEEE já que para cada produto imortalizado nessa lista, eles elaboraram um artigo que descreve toda a história, a tecnologia empregada e até as peripécias (técnicas ou nem tanto) que seus inventores tiveram que fazer para conquistar seu principal objetivo — resolver um problema.

O Hall da Fama

Assim sem mais delongas, os primeiros 25 produtos a entrarem no Hall da Fama do IEEE são os seguintes:

  • Grundig Satellit 650 Radio (1986) — O mercado de rádios de ondas curtas de luxo entrou em colapso no início dos anos 2000, mas antes disso, a Grundig criou uma chama de glória.
  • Samsung BD-P1000 (2006) — O primeiro leitor de discos Blu-ray a chegar ao mercado não foi uma unanimidade, mas triunfou ao sair inteira de uma guerra de formatos potencialmente devastadora.
  • Atari 2600 (1977) — Esta foi a máquina que finalmente nos deixou jogar Space Invaders em casa.
  • Motorola Advisor Pager (1990) — Este foi o primeiro produto que realmente permitiu que você contatasse um médico quando você absolutamente precisasse de um.
  • Sony DCR-VX1000 (1995) — Essa camcorder digital combinou recursos profissionais com um preço que os amadores podiam pagar.
  • Humminbird LCR Fish Finder (1984) — O dispositivo que criou a categoria de localizador de peixes, tem suas origens num casal de inventores que começaram a fuçar num kit de medidor de profundidade para montar da Heathkit.
  • Wadia Digital 170iTransport (2008) — Depois de uma longa batalha, os audiófilos finalmente conseguiram persuadir a famosa Apple a liberar o acesso aos seus iPods.
  • Heartstream Forerunner (1996) — O dinheiro levantado com cartões de crédito ajudou a financiar em grande parte o desenvolvimento de um gadget que hoje salva milhares de vidas todos os anos em todo o mundo.
  • Electrolert Fuzzbuster Radar Detector (1968) — O caminho para o primeiro detector de radar automotivo começou quando um engenheiro de radar foi parado pela polícia por excesso de velocidade.
  • DJI Phantom Drone (2013) — Dezenas de empresas se engalfinharam para construir o primeiro drone recreativo de sucesso comercial, só que essa disputa foi ganha por um engenheiro chinês que mal saiu da adolescência.
  • Cobra 138XLR Single Sideband CB Radio (1977) — O Cobra 138XLR foi o modelo mais lendário da breve porém gloriosa era de ouro dos rádio CB (ou PX no Brasil) .
  • The Matsushita/Technics SL-1200 (1972) — Pioneiro na tecnologia de toca-discos com direct drive, o modelo SL-1200 ganhou a distinção de ser um reprodutor de música que também podia ser usado como instrumento musical.
  • Apple Watch (2015) — O smart watch de ouro de US$ 10 mil da Apple é um exemplo extremo da capacidade do pessoal de Cupertino de cobrar caro por seus produtos. Pena que eles pararam de oferecer atualizações para o produto depois de 3 anos.
  • Sony Trinitron (1968) — O Trinitron não apenas consolidou a imagem da Sony como uma empresa inovadora de primeira linha, mas também estabeleceu o Japão como um polo de eletrônica avançada de classe mundial.
  • Garmin StreetPilot GPS Navigation System (1998) — O StreetPilot ajudou a destruir o mercado de mapas de rua, mas pode ter salvo alguns casamentos no processo.
  • Nokia N85 Cellphone (2008) — O primeiro celular com tela AMOLED fracassou no mercado, apesar de combinar várias tecnologias muito avançadas.
  • Sony Walkman (1979) — A ideia do Walkman saiu da cabeça de um amante de ópera e que também era o co-fundador da Sony.
  • Epson R-D1 (2004) — Esta estranha câmera híbrida tinha um obturador mecânico, usava lentes Leica de foco manual e um sensor de imagem de 6,1 megapixels.
  • GoPro Hero (2004) — A câmera de ação original começou como uma alça caseira que prendia uma câmera descartável ao pulso do seu usuário.
  • Bowmar 901B (1971) — Em 1973, a Bowmar / ALI era a maior empresa de calculadoras do mundo. Em 1976, saiu do negócio.
  • Microsoft Xbox (2001) — O Xbox foi um incrível caso de sucesso na conturbada história da Microsoft do segmento de hardware para o consumidor final.
  • Zojirushi Micom Electric Rice Cooker/Warmer (1983) — A Zojirushi estava entre as primeiras empresas a utilizar a tecnologia de fuzzy logic em seus produtos, o que tornou praticamente impossível alguém arruinar uma panelada de arroz.
  • Tandy/RadioShack TRS-80 Model 1 (1977) — A RadioShack esperava que suas vendas de PCs compensassem a queda de faturamento causada pela crescente perda de interesse nos rádios CB.
  • Marantz CD-7 (1998) — O projeto para construir o CD player definitivo dependia do desenho de um filtro low-pass.
  • Roku DVP N1000 (2008) — A Roku teve sucesso em um mercado caótico e mesmo diante de dificuldades assustadoras ela conseguiu estabelecer padrões que foram copiados até por rivais bem maiores.

Para ver todos esses produtos (e alguns finalistas) visite o site do Hall da Fama do IEEE.

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

Por Mário Nagano

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos