IDF 2011: Atom entrará de cabeça no mundo dos tablets

I

Empresa anuncia mudanças na sua estratégia de desenvolvimento de novos chips, sendo que o Atom “correrá por fora” para alcançar a concorrência no segmento de tablets e smartphones.

Stephen Smith, vice-presidente e (até o IDF do ano passado) diretor de operações de clientes de PC, está de cargo novo e assumiu a direção do Desenvolvimento de Notebooks e Tablets na Intel. E em uma apresentação exclusiva para a imprensa ele declarou que, para atender as novas demandas do mercado, a Intel está mudando a maneira como desenha seus chips e que a regra do jogo é alta integração de componentes. Quer dizer, a Lei de Moore vai bem obrigado e ganha ainda mais importância neste momento.

Com isso ele quer dizer que com as novas tecnologias criadas pela Intel como o processo de fabricação de 22 nm e o transístor trigate o pessoal de Santa Clara será capaz de (finalmente) entrar de sola (de maneira mais competitiva) no mercado de  smartphones e tablets. Smith disse que só com a tecnologia trigate foi possível reduzir o consumo dos transístores em até 50% e que com o processo de 22 nm será possível espremer até quatro núcleos de processamento onde só cabiam dois de 45 nm.

Outra mudança anunciada pelo executivo é que até hoje a Intel projeta seus processadores e sua versã0 System On a Chip (SoC) como produtos à parte, contando cada um com seu próprio grupo de desenvolvimento…

… sendo que a partir de agora haverá um esforço para haver uma maior sinergia entre esses grupos de modo que eles se tornem praticamente o mesmo produto, só que capaz de atender a um leque bem maior de aplicações tanto a nível de consumo quanto de desempenho.

Outro anúncio ainda mais interessante é que o processador Atom terá um ritmo diferente de desenvolvimento dos seus irmãos maiores. De fato o que dá para entender é que a partir de 2012 a microarquitetura do Atom seja renovada na mesma época que a Intel renova/reduz seu processo de fabricação…

De modo que a empresa terá um chip totalmente novo a cada ano. Assim em 2012 teremos o Saltwell de 32 nm em 2012, o Silvermont de 22 nm em 2013 e o Airmont em 2014. Com isso Smith também declarou que a cada nova geração o desempenho de alguns de seus componentes internos — em especial a sua aceleradora gráficairá melhorar cada vez mais, mas numa conversinha reservada que eu tive com ele fora da sala de imprensa ele me explicou que sim, o ganho será significativo mas que ele nunca irá ficar no mesmo nível de desempenho dos chips mainstream como o Ivy Bridge/Haswel,l já que estes também irão dar o seu salto de desempenho afastando-se novamente dos Atoms.

E com o passar do tempo, a idéia é que até os grupos de desenvolvimento do Core e Atom…

Se integrem numa única estrutura permitindo assim uma maior troca de informações e uma estratégia coesa e unificada de desenvolvimento.

No final da sua apresentação, Smith ainda mostrou um protótipo (ou mais exatamente um design de referência) de um tablet baseado no Medfield — codinome Red Ridge — rodando Android. A idéia nesse caso é de ajudar os OEMs a criarem seus próprios produtos baseados na plataforma Intel.

Cool…

 

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos