ZTOP+ZUMO

HP reinventa sua linha de impressoras laser coloridas

Batizada de HP Jetintelligence, essa nova tecnologia promete uma série de melhorias que vão da qualidade do toner até o pós-serviço.

A HP apresentou ontem (13) sua nova plataforma de impressão JetIntelligence, que traz a proposta de um produto BBB (Bom, Bonito e Barato).

Segundo Luis Esteter, diretor da área de impressão da HP Brasil, a  nova linha de produtos nasceu a partir do feedback dos seus clientes ao redor do mundo que (como sempre) pediram um produto com essas características e o seu time de P&D partiu dessas premissas para praticamente redesenhar as suas impressoras, cujo resultado final é uma combinação de um novo tipo de toner e uma impressora projetada sob medida para tirar o máximo proveito deste insumo.

Nessa primeira leva, a HP anunciou três modelos coloridos: a HP Color LaserJet Pro M252 (preço sugerido: R$ 849), um modelo compacto voltado para uso pessoal ou grupos de trabalho de até três pessoas que imprime até 19 ppm (paginas por minuto) tanto em cores quanto em preto e branco. Já para aqueles que preferem uma multifuncional, a companhia oferece a HP Color LaserJet Pro MFP M277 (preço sugerido: R$ 1.599) que é, na sua essência, uma M252 com função de cópia, scanner e fax.

E para atender grupos de trabalhos maiores e até departamentos de empresas, a empresa agora tem a HP Color LaserJet Enterprise M553 (preço sugerido: R$ 1.899) que é um modelo de 40 ppm em cores ou P&B equipado com um engine de impressão mais robusto capaz de imprimir até 6 mil páginas/mês (contra 2.500 dos modelos menores).

Todos os modelos já contam com impressão duplex de fábrica, suporte para NFC, Google Cloud Print 2.0 e um curioso recurso que permite imprimir documentos do Microsoft Office diretamente de um memory key.

E o que é essa tecnologia JetIntelligence? No geral seria um conjunto de inovações e tecnologias que, combinadas, viabilizaram o desenvolvimento de uma impressora menor, mais rápida e até mais econômica.

Para explicar melhor sobre isso, a HP trouxe para o Brasil direto do seu laboratório de pesquisas de Boise IdahoMichael J. Borg gerente e especialista em suprimentos de toner da HP que fez uma apresentação super didática sobre a tecnologia de impressão a laser…

… utilizando até algumas engenhocas que ele mesmo construiu, como esse modelo de canhão a laser usado pelas impressoras…

.. para formar os caracteres e figuras no cilindro de imagem:

Com relação ao toner, Borg explicou que para sua empresa não existe o que poderia ser chamado de “Toner Universal” de modo que cada insumo é formulado especificamente para atender as características de tamanho, volume de trabalho e velocidade de cada impressora da casa, evoluindo assim junto com o produto.

Assim, seu novo toner à base de polímero possui características muito interessantes que viablizaram o desenvolvimento das novas LaserJet Pro.

Segundo o executivo, seu toner é mais regular, fino e mantém as suas características do início ao fim na vida útil do cartucho…

… garantindo assim a mesma consistência na qualidade de imagem da primeira até a última impressão:

Outra tecnologia interessante é o ColorSphere 3 toner, cujas partículas têm a aparência de um confeito drageado do tipo Confeti ou M&M’s ou seja, uma micro-esfera de polímero colorido recheada com cera e recoberta com uma resistente capa protetora.

Segundo Borg, uma das principais características desse toner é que ele se funde à uma temperatura mais baixa, o que faz com que o cilindro fusor não precise esquentar muito para fixar o pigmento no papel. Menos calor significa um menor tempo para a impressora ficar pronta para uso e também menos consumo de energia, o que numa laser é uma característica super desejada.

E para não ficar só no papo, o executivo fez uma pequena demonstração comparando o seu novo toner com o “não-original”. Observe que o original da HP é a metade mais afastada do cabo da frigideira:

Com relação à capa protetora, Borg diz que como o toner é constantemente remexido dentro do cartucho, existe uma tendência natural que, depois de milhares de impressões, o material restante no cartucho fique “desgastado” devido ao excesso de atrito entre as partículas de toner, resultando assim num insumo mais irregular, o que pode comprometer a qualidade da impressão.

Com uma capa mais resistente, é possível garantir a integridade e a qualidade do toner da primeira até a última página impressa.

Além disso, como esse toner é mais fino é possível colocar mais tinta no mesmo cartucho, o que abre diversas possibilidades no desenho do mesmo…

… como o desenvolvimento de reservatórios menores sem perda de rendimento (ou até de mesmo tamanho com mais tinta) impactando assim até no tamanho final da impressora, que também pode ficar menor.

Essa quantia adicional de toner também pode impactar positivamente no custo da página impressa, já que a HP estima que se comparado com seu novo cartucho 05A padrão, a versão de alta capacidade 05x pode proporcionar uma economia de até 35% por página impressa e de mais 10% se o cliente optar pela versão multipack. Infelizmente neste dia, a empresa ainda não divulgou os preços dos insumos aqui no Brasil.

Outra sacada interessante desse novo cartucho é seu sistema de lacre que, ao contrário dos antecessores, não precisa ser mais puxado e arrancado para fora (junto com um pouco de toner grudento). O novo sistema batizado de Auto Seal Revoval possui um rolete interno que, ao girar, remove automaticamente o lacre do cartucho que fica contido dentro do mesmo. Isso faz com que o processo de instalar um novo cartucho se resume a retirá-lo da embalagem e colocá-lo na impressora — simples não?

HP_jetIntelligence_cartucho_lacre_Leg

Finalmente, a HP incorporou um novo sistema de chip de identificação em cada cartucho, o que permite um maior controle sobre os insumos além de aumentar a segurança contra roubos e uso de insumos falsos, recarregados e até pirateados.

Um recurso bem curioso implementado nessa linha é a associação eletrônica de um cartucho com uma ou até todas as impressoras da empresa o que permite, por exemplo, que numa emergência o usuário possa “pegar emprestado” o cartucho de uma máquina e colocá-la em outra dentro da empresa. Mas se esse empréstimo for mais permanente e o cartucho for instalado em uma impressora não autorizada, ele simplesmente não funciona!

Resumindo: Se combinarmos todas essas novas soluções e tecnologias temos realmente um produto com características bem interessantes para o consumidor final e de negócios. A HP está tão entusiasmada com essa linha que já adiantou que novos modelos já estão programados para chegarem ao mercado durante esse ano.

Aproveitamos a seção de perguntas e respostas para perguntar se poderíamos esperar uma versão monocromática com JetIntelligence e a resposta de Esteter é que nada impede que essa tecnologia seja implementada numa mono. Borg complementou dizendo que como novos modelos já estão a caminho, quem sabe né?

Finalmente, também perguntei se a HP faz alguma diferenciação do público alvo que consumiria a OfficeJet Pro X (com tecnologia de jato de tinta PageWide) ou a LaserJet Pro. Esterer explicou que fica a critério do cliente optar pela solução que mais o agrade mas, se for o caso, a empresa pode até ajudá-lo a fazer a melhor escolha.

Mais informações aqui.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Paulo Celso Bruno de Andrade 15/05/2015, 09:18

    Espero que essa tecnologia seja, de fato, menos dispendiosa para o consumidor. Já tive 3 impressoras a laser (2 hp e uma samsung) e com nenhuma delas foi vantajoso substituir os toners por outros originais, pois sairia menos caro comprar outra impressora do que a troca dos toners e usar toners “recondicionados” é frustrante. Assim, optei por uma Epson (L-555) jato de tinta com tanques (“bulk ink” – salvo engano) e estou feliz há 18 meses com a mesma impressora!

    • Mario Nagano 15/05/2015, 10:41

      Sim, esse problema é recorrente principalmente entre os modelos beem de entrada onde o que você gasta com cada três cartuchos dá pra comprar uma laser nova.

      Eu resolvi esse problema comprando uma Brother HL-2070N, um modelo de médio porte para pequenos negócios ou grupos de trabalho, equipado com porta de rede e um sistema de toner independente do cilindro.

      Eu tenho essa impressora a quase oito anos e fora uma passada na assistência técnica para ajustar o mecanismo de transporte de papel e a troca do firmware, ela continua firme e forte cumprindo o seu dever cívico com este que vos bloga.

      Neste tempo, já usei uns três cartuchos de toner e um cilindro (porque o original riscou) todos originais, sendo que todo esse custo (~R$ 625) ainda não superou o que paguei pela impressora (~R$ 800).

      Estou satisfeito com essa compra, mas não sei se sou um bom exemplo já que mal imprimo 100~150 folhas por mês.

    • Eliezer 19/05/2015, 21:15

      Estou felicissimo como minha Xerox Phaser 3040, toner a 35 reais e imprimi em media 3500 paginas, para casa e pequenos escritórios não tem melhor…

      • Paulo Celso Bruno de Andrade 20/05/2015, 10:38

        Vi essa impressora aqui em Manaus/Am. Só não comprei porque a própria loja não vendia toners e nem sabia quem vende! A versão que vi era multifuncional e um dos atrativos dela, ao meu ver, era a compatibilidade imediata com Linux – conforme mostrava a logo do pinguim estampada na caixa!

        Boa dica, Eliezer! Bom saber disso, pois a impressora ainda é vista por aqui !

  • dflopes 19/05/2015, 21:41

    Imprimo pouco em casa, tentando ser o mais paperless possível, mais ainda refém da burocracia nacional (cópia de documentos e afins).
    Já tive epson, que perdi pois secou (e estragou) a. cabeça de impressão – e diferente das. concorrentes, fica no carro e não no cartucho.
    Hoje, tenho uma antiga HP office jet que aceita recarga de cartuchos.
    Hoje, prefiro não imprimir e ler no Tablet/Kindle.

    P.S.1: Os equipamentos apresentados já tem preço?
    P.S.2: Qual a pronúncia correta, “Boase ou Boise”?

    • Paulo Celso Bruno de Andrade 20/05/2015, 10:45

      Então… Já tinham me avisado desse problema da Epson. Falaram-me pra nunca ficar cerca de 15 dias sem imprimir nada.

    • Mario Nagano 20/05/2015, 17:15

      A pronuncia correta é “Bói-ze”

    • Adriano De Lima 21/05/2015, 12:35

      Eu já tava me vendo livre disso, mas agora que meu filho está no ginásio….
      Embora a escola dele faça questão da maioria dos trabalhos serem manuscritos, o que aprovo.

      • Mário Nagano 21/05/2015, 15:18

        Nessas de exigir trabalhos manuscritos (o que também) aprovo), não ficaria surpreso se algum aluno redescobrisse uma engenhoca mecânica chamada máquina de escrever.

        Hein! Hein!

  • borges 20/05/2015, 09:54

    Ótimo post, mas faltou um detalhe: preço do toner.
    O que é quase mais importante que o preço da própria impressora.

    • Mario Nagano 20/05/2015, 17:13

      No dia do evento o pessoal da HP ainda não tinha o preço sugerido para divulgar. Mas pela nossa experiência, o melhor local para encontrar o preço oficial é no site da Kalunga.

      • borges 20/05/2015, 17:17

        Opa, valeu.
        Poderia colocar após a informação do preço da impressora “preço do toner TBA” 😀