Joguinho (nerd) do dia: Hatsukoi Kao Karuta (a face do primeiro amor)

J

Jogo de baralho + app da Gift10 mexe com dois clichês da cultura nipônica: A do primeiro amor na escola e que todo japonês tem a mesma cara!

Aqui neste ztop+zumo somos fãs da Gift10 Industry uma pequena startup japonesa tocada por um designer de jogos e um artista gráfico que criam e vendem jogos de cartas e de tabuleiro com uma pegada super hi-tech só que neste caso, a tecnologia não é o foco central da brincadeira e sim apenas uma ferramenta que ajuda a viabilizar a mecânica e o andamento do jogo, caso do seu primeiro título A Máscara de Anubis

… que usa uma “máscara mágica” (na verdade um Google Cardboard com a app do jogo) o que permite que os participantes tenham “visões místicas” do interior de um templo abandonado que eles precisam explorar:

Mas isso também não impede que eles atuem no mercado de videogames caso da Imobiliária Madorica que foi o seu primeiro título para Nintendo Switch (e mais recentemente para PC via plataforma Steam)…

… que também não deixou de seguir a proposta da empresa de combinar elementos analógicos (papel e lápis) e digitais (Nintendo Switch) no mesmo jogo.

Meu primeiro amor (ou todo japonês tem a mesma cara?)

Nos últimos tempos a Gift10 tem dado uma pausa nos jogos de tabuleiro e investido mais na criação de jogos de cartas como o Madorino Karuta VR ou o Morse Card que, além de serem mais fáceis de produzir tem um custo final bem mais em conta, permitindo assim atingir um público mais amplo.

E dentre esses últimos lançamentos está o Hatsukoi Kao Karuta (初恋かおカルタ) sendo que hatsukoi kao poderia ser traduzido como a face do primeiro amor:

Como dá para perceber, esse jogo mexe com dois clichês da cultura nipônica, a do primeiro amor da escola (um tema intensamente explorado em mangás e animes) e a impressão de que todo japonês tem a mesma cara (especialmente no colegial onde as regras de vestuário datam de antes da guerra):

A empresa confirma que, a primeira vista, o visual dos estudantes parece o mesmo, mas um olhar mais minucioso revela pequenas diferenças nas faces, na forma das franjas e até nos ouvidos, o que lembra até um jogo de sete erros só que com dezenas de variações…

… o que faz com que a idéia básica desse jogo é que os participantes consigam identificar uma certa face no meio de tantas…

… e é ai que entra a ajuda do app para iOS ou Android desse jogo que apresenta uma “imagem geral” dos alunos e aplica uma espécie de efeito zoom na direção de uma determinada face…

…. sendo que o primeiro jogador que associar essa imagem com a face correta em uma das cartas é o vencedor a rodada.

De um certo modo, essa mecânica lembra vagamente outros jogos bem tradicionais no Japão — o erudito Uta Garuta (歌 ガルタ) ou sua versão “didática” o Iroha Garuta (いろは がるた) .

Como jogar

Segundo o site da empresa, Hatsukoi Kao pode ser jogado por 2~8 pessoas com idade a partir dos 6 anos, sendo que o tempo médio de uma partida gira em torno de 10 minutos usando todas as 18 cartas, apesar de que também é possível realizar partidas mais curtas com apenas 9 cartas (o chamado modo “half”).

Neste momento também é preciso definir se o jogo começará no “modo menino” ou no “modo menina” já que cada carta possui o seu gênero oposto na outra face. A exceção fica por conta das duas “cartas do professor” que é usada em ambos os modos:

No início de cada rodada, o smartphone ou tablet fica com a tela voltada para baixo, sendo que a empresa sugere que a primeira pessoa a desvirá-la poderia ser aquele (afetivamente) mais “infeliz” na época da escola. Mas é claro que se todo mundo se deu bem naquela época (?) melhor mesmo tirar logo no par ou impar ou no dois ou um.

Feito isso o mal amado eleito desvira a tela e a imagem com zoom começa a funcionar e após o sinal de “pegar” aparecer na tela, todo mundo está liberado para pular em cima da carta que julga ser a mesma o mais rápido possível, sendo que depois disso a tela apresenta o número da carta correta e o acertador fica com a mesma enquanto que os outros devolvem as cartas erradas de volta para a mesa.

Para reiniciar o jogo, basta voltar a tela de novo para baixo e repetir a rotina até que a primeira carta de professor apareça — o que pode acontecer a qualquer momento — e que também deve ser pego por um dos jogadores tomando o devido cuidado já que eles também são diferentes:

Isso marca o fim da primeira parte desse jogo, sendo que agora a partida se reinicia com o gênero trocado, ou seja, as cartas ainda em jogo são desviradas, passando no nosso exemplo do modo menina para o modo menino, sendo que essa parte também termina quando o segundo professor aparecer na tela:

No final contam-se as cartas na mão de cada jogador e o vencedor é aquele que pegou mais meninos, meninas e até professores (trocadilho não intencional!!!) durante a partida.

Legal né?

Esse jogo já pode ser encontrado na lojinha da empresa pelo preço sugerido de 1.180 ienes ou R$ 42.

Mais informações aqui.

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos