ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Hands-on: WD MyBook World Edition II de 4 Terabytes

Para aqueles que precisam de muuuito espaço de disco de uma maneira simples, rápida e segura, a Western Digital dispõe do modelo MyBook World Edition II que, ao contrário da versão MyBook Mirror (que já analisamos aqui) vem equipado com porta de rede Ethernet, o que permite compartilhar até 4 Terabytes de disco com diversos usuários ao mesmo tempo.

Assim como todos os MyBooks, o World Edition II é dono de um curioso desenho na forma de livro (ou nesse caso, um dicionário) e devido ao seu “número de páginas” e 2,3 kg de peso, fica  de pé de maneira sólida e sem o risco de tombar, permitindo até funcionar como uma cantoneira de livros ou formar sua própria biblioteca de discos (no sentido literal da frase).

É interessante notar que a parte do seu gabinete que não fica em contato com outros discos (ou livros) é formado por uma superfície perfurada na forma de grade, o que facilta a circulação de ar no seu interior, entrando fria por baixo e saindo aquecida por cima. Simples, prático e silencioso.

Como medida adicional de segurança, ele também conta com um slot para dispositivo antifurto padrão Kensington.

No painel traseiro podemos ver o botão de liga/desliga a porta USB (para compartilhar discos USB na rede), a porta de rede Gigabit Ethernet, o botão de Reset e a entrada para o adaptador de rede elétrica com entrada bivolt e saída de 12 V x 3.000 mA. Uma das grandes vantagens desse tipo de solução se comparado com um PC configurado para trabalhar com servidor de arquivos é seu baixo consumo de energia — nas medições realizadas aqui na Zumo-caverna, o MyBook consome em média 13,5 watts de energia quando em uso (com picos de até 33 watts) e quando está parado sem fazer nada, ele entra num modo de economia de energia consumindo apenas 4 watts.

Para mim, uma das grandes sacadas desse produto é a sua facilidade de acessar os discos praticamente sem o uso de ferramentas. Para isso basta pressionar um determinado ponto na tampa superior para liberar uma trava para levantarmos sua tampa superior. Note que os discos ficam firmes na sua posição graças ao uso de uma segunda tampa metálica que pode ser facilmente removida removendo o parafuso à esquerda que possui uma espécie de argola metálica que também serve para soltar a mesma com uma leve puxada…

… proporcionando o acesso aos discos. Note que cada um deles está devidamente identificado com as letras A e B para que não mudem de posição na eventualidade de uma reinstalação. Como uma medida para baixar seu preço de aquisição, a Western Digital avalia a possibilidade de vender esse equipamento com apenas um disco instalado mas até, onde eu sei, nada foi decidido até agora.

Para remover os discos, basta puxar o seu respectivo anel de plástico para desconectá-lo da sua porta SATA…

… e puxá-lo para fora.

Como podemos ver, o modelo analisado veio equipado com dois discos de 2 Terabytes, o que ainda é a maior capacidade de armazenamento possível para um equipamento de seu porte disponível no mercado. E como ele utiliza o mesmo disco de 3,5″ usado em desktops, nada impede que eles possam ser trocados por modelos de ainda maior capacidade à medida que eles apareçam no mercado, mas sempre respeitando a regra de que os discos tem que ser do mesmo modelo e capacidade de armazenamento.

No nosso caso, os discos utilizados foram dois Western Digital Caviar Green (duh!) WD20EADS de 2 TB cada. Para quem ainda não foi apresentado, O Caviar Green é um produto considerado “ecologicamente correto” devido às suas tecnologias inteligentes que otimizam o movimento de busca de informações no disco (diminuindo assim o movimento das cabeças de leitura e gravação), além da rotação do motor ser variável de acordo com a carga de trabalho e é o modelo com a maior capacidade de armazenamento da linha (2 TB).

Com isso, a empresa afirma que o Green é capaz de consumir de 4 a 5 watts a menos se comparado com um disco convencional de desktop. Some-se isso à sua grande capacidade de armazenamento e temos uma solução muito interessante para a montagem de PCs de baixo consumo de energia ou mesmo de soluções de NAS ou discos externos para PCs, caso do MyBook. Para saber mais sobre essa estratégia de cores, clique aqui.

Com os discos removidos podemos ver a armadura metálica que isola os discos de interferências eletromagnéticas e que dá rigidez à sua estrutura, sustentada por mancais de silicone (na cor azul), que ajudam a isolar os discos de vibrações e até uma eventual batida. Note que a que a placa controladora fica posiconada na vertical e entre os discos o que permite o uso de conectores SATA rígidos, uma em cima e outra embaixo.  Novamente, simples e prático.

Como qualquer solução de NAS (Network-Attached Storage), seu processo de instalação e uso não é tão simples quanto um disco USB, mas no caso do MyBook também não é um bicho de sete cabeças: Obviamente o usuário deve ter no mínimo alguma infraestrutura de rede local como um switch ou hub ou melhor ainda, um daqueles roteadores Wireless com switch de quatro portas com acesso à banda larga (não necessário, porém desejável).

O equipamento já vem com tudo que é necessário para conectá-lo na sua rede local como fonte, cabo de rede avulso, CD de utilitários e guia de instalação rápida. Como disse acima, note que esse disco não pode ser ligado diretamente num PC via USB. A porta que existe no disco serve sim para ligá-lo com outro disco com porta USB ou mesmo memory keys. O manual recomenda que, ao ligar o disco que se espere alguns minutos até que seu sistema interno inicialize.

Uma das peculiaridades desse disco é seu painel frontal dominado por uma coluna de leds na cor branca. Minha primeira impressão é que esse indicador funciona como uma espécie de “coluna d’água” informando o quanto o disco estava “cheio”, mas com o tempo notei que essa coluna realiza diversos efeitos visuais para indicar que o disco está sendo acessado, está dormente ou mesmo inicializando ou desligando. Na minha opinião a interpretação de alguns desses sinais é bem claro, enquanto que em outros nem tanto.

Com o disco instalado e em funcionamento, o próximo passo é colocar o CD de instalação num PC e executar o Application Installer que instala as três principais aplicações que acompanham o produto. O WD Discobery Tool (que varre a rede a procura do NyBook e auxilia na sua configuração inicial e uso), o WD Anywhere Backup (backup de rede) e o MioNet (um seviço que permite acessar o conteúdo do seu disco remotamente mesmo estando longe de casa ou escritório pela Internet).

O procedimento mais simples que pode ser feito é mapear as pastas públicas do MyBook como discos de rede ( o que facilita o compartilhamento de arquivos entre todos os usuários da rede. Mas para ter acesso à recursos mais avançados como definir usuários, criar pastas particulares e até mesmo reconfigurar os discos é necessário entrar no gerenciador do sistema bastando para isso acessá-lo pela rede atrávés de uma interface HTML:

O gerenciador do MyBook dispõe de um menu simplificado…

… e outro mais avançado:

A partir desses menus de entrada é possível configurar os diversos recursos desse servidorzinho de NAS, incluindo serviços próprios como atualizar seu firmware, configurar seu media server (usando tecnologia TwonkyMedia) , compartilhar músicas do iTunes na sua rede local, além de pastas e cotas de disco para grupos de trabalho e usuários individuais, etc…

Entretanto — na minha opinião — o recurso que mais pode mexer com a razão e/ou a emoção do usuário s0bre a decisão de que tipo de RAID qie será usado no seu MyBook, em especial num sistema com tamanha capacidade de armazenamento:

Para quem não sabe, os discos do MyBook podem ser configurados da seguninte maneira:

Stripe (ou RAID 0) — Espalha a informação entre os dois discos formando assim um único volume com as capacidades dos discos somadas ( no nosso caso ~4 TB) porém ele não gera nenhuma redundância. Isso melhora o desempenho geral do disco mas se um deles for pro saco, carrega o outro consigo o que pode resultar na perda total dos dados contidos no servidor.

Mirror (ou RAID 1) — Esse modo cria uma cópia exata do conteúdo do primeiro disco no segundo, o que aumenta a confiabilidade do disco como um todo. Se um deles falha o outro continua a funcionar  como um único disco até que o problema seja resolvido. É com certeza o modo mais seguro de armazenar seus dados, mas a sua capacidade de armazenamento praticamente cai pela metade, ou seja, por que investir num disco externo de 4 TB se só posso usar 2 TB?

Span e JBOD — Apesar desses termos serem quase que a mesma coisa, ou seja, a combinação de ambos os discos num único disco lógico, no nosso caso eu suponho que o modo Span simplesmente grave os arquivos em um ou no outro disco porém sem fazer stripping como no RAID 0. Já no JBOD (Just a Bunch Of Drives = apenas um monte de discos) acredito que o sistema encha o primeiro disco para depois começar a encher o segundo disco ou trate cada disco como um volume independente.

Por default, o MyBook vem configurado e formatado no modo mais seguro, ou seja, no modo Mirror (RAID 1) mas acho que muitos usuários poderão achar isso um tremendo desperdício de disco, já que pra quê comprar um disco de 4 TB e só podemos usar a metade disso? A solução nesse caso pode ser reformatar o disco em Stripe (RAID 0) mas aí corre-se o risco de perder os dados de ambos os discos caso um deles sofra alguma pane. Pode ser que o meio termo possa estar no Span/SBOD já que, na teoria, se um disco for pro saco, pode ser que os dados ainda possam ser recuperados por meio de utilitários de varredura ou serviços de recuperação de dados.

Observe porém que essa decisão de mudar do modo mais seguro para o modo de maior capacidade de armazenamento precisa ser tomado de preferência antes de colocar o disco em uso, a não ser que você disponha de muuuito espaço em disco em outro computador ou esteja disposto a fazer um monstruoso backup em CD/DVD.

Esse produto e suas versões de menor capacidade podem ser encontradas na Fourserv.com.br. Preço sugerido: R$ 2.799.

http://zumo.com.br/2008/11/04/hands-on-western-digital-mybook-mirror-2-terabytes/

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Jader

    Ótimo post, muti obom mesmo. Tem algum sinal de preço?
    Estou reconfigurando a rede da escola onde eu trabalho e achei interessante esse NAS para back-up dos arquivos da escola (aki o povo tira foto e faz video até de nuvem no céu).
    Ah, nós temos os mesmos volumes do Guia Mangá

  • Então, estou vendo isso agora com a assessoria para ver o preço sugerido pela WD. De qq modo, acho q vc pode encontrar esse disco e suas versões de menor capacidade na Fourserv:

    http://www.fourserv.com.br/ecommerce_site/index.p

  • Walter

    Hmmm, preço bom nessa FourServ, o de 1GB mais barato que encontrei foi por uns 770 na St Efigenia numa queima de estoque.
    Preciso substituir a gambiarra do meu NDAS 320GB… E o desempenho dos World Edition II parece ser um dos melhores segundo o SmallNetBuilder.

    Esse papo de rotação variável é pura balela da WD pra não admitir que a velocidade não é 7200. A maioria roda a 5400 mesmo, algumas capacidades aparentemente rodam a 7200.
    Os freaks do SilentPCReview fizeram todo o tipo de teste e é realmente difícil de acreditar que a cabeça de leitura/gravação tem que se adaptar à rotação do motor…
    Tomara que com as linhas não-7200 da Samsung e Seagate ganhando espaço, sejam mais honestos.

    Testou Torrent Nagano?

    • Ele não tem cliente de Torrent. :^P

      • Walter

        Acrescentaram suporte em um firmware de outubro:

        http://wdc.custhelp.com/cgi-bin/wdc.cfg/php/endus

        Firmware Version 01.01.14
        New Features:
        • Added support for Enhanced CTorrent, an Open Source BitTorrent™ client

        • Walter

          Só olhando as fotos no manual novo ( http://www.wdc.com/wdproducts/library/UM/PBR/4779… ) parece que o gerenciador de Torrents é até mais fácil de usar que o HTTP/FTP.
          Dá pra limitar a velocidade de upload e download (pra não atrapalhar a conexão de outros usuários, regras pra seed, ratio e prioridade.
          Mas não permite filtrar arquivos isolados em um torrent maior e agendar horários para download (diferente do gerenciador HTTP).

        • Pode ser, o firmware do disco aqui ainda é 01.00.16

          • Walter

            Hmmm, será que dá pra especificar a porta pros Torrents? Sem port-forwarding fica meio ruim… :p

  • Pingback: TecNews: Noticias Tecnofagia()

  • Walter

    🙁 acho que não vai testar o download de torrents 🙁
    Já devolveu a unidade Nagano?

    • yep, foi embora no mesmo dia.

  • Márcio

    Tenho um WD MyBook World Edition II de 2 Terabytes. Comprei 2 HD de 2 Tb (WD20EARS) e estou querendo trocá-los pelos originais. No entanto, o console não reconhece os 2 novos HD. Dá erro de não estar conectado na rede. Quando reponho os HD originais, funciona normalmente. Já instalei o firmware mais novo. Tem alguma configuração a ser feita?

    • Oi eu comprei um destes HD e nao consigo instalar, será que vc consegue me ajudar? Obrigado.

      • Márcio

        Desculpe-me por não ter respondido antes e não sei se vou conseguir ajudar.
        Não tive problema para instalar. Tive problema quando fui trocar os 2 HDs de 1 TB (originais) por 2 de 2Tb. Mas já estão funcionando.
        Para instalação inicial, segui as instruções que estão no programa WD Discovery (do CD) e não houve problema.
        O Manual (a partir da página 10 e 48) mostra a instalação para os Windows XP e Vista e para os Macintosh.
        Verifique se o MBWE está funcionando normalmente ligando-o diretamente no micro, na saída de rede (seguir as instruções da página 48 do Manual).
        Márcio

        • Nuno

          Caro Márcio, ao fazer a troca dos dois discos de 1 TB pelos novos discos de 2 TB, teve de fazer algum procedimento ou o sistema funcionou na perfeição, de imediato, após a troca para estes discos de maior capacidade?

          • Márcio

            Deve ser torcado um HD de cada Vez. Tive alguns pequenos problemas, mas fui testando até finalizar. Mudei a configuração para cada HD funcionar separado e não espelho.

  • marcelo

    eu comprei o meu na fouserv.com.br agradeço a eles loja excelente em atendimento

    renato

  • Por favor Mário, acabei de comprar um nos EUA e não estou conseguindo instalar. Na hora da instalação aparece uma mensagem dizendo que minha conexão de rede não foi encontrada. Você pode me ajudar ou conhece alguém que possa?
    Obrigado. Milene.