ZTOP+ZUMO 10 anos!

Hands-on (mini!) — Motorola moto e5 Play com Android Oreo Go

Novo modelo de entrada da Motorola pode ser uma opção interessante para aqueles que ficam no básico — ou seja — fazer ligações, trocar mensagens e consumir conteúdo na web.

Como como mundo já sabe, a Motorola lançou ontem (22/08) o moto e5 Play seu novo modelo de entrada da Série e cujo principal atrativo é ele vir equipado com a chamada “versão Go” do Android 8 “Oreo” um sistema operacional foi concebido (ou mais exatamente otimizado) especialmente para rodar em smartphones de entrada com 1 GB de memória RAM (ou menos) — uma categoria de produtos que, só no ano passado vendeu ~10 milhões de unidades.

Apesar do que pode parecer a primeira vista, o moto e5 Play não é só um moto e5/e5 Plus “capado” e sim uma nova plataforma de hardware com algumas diferenças e muitas semelhanças diga-se de passagem, a saber:

moto e5 Play
(XT1920-19)
moto e5
(XT1944-4)
moto e5 Plus
(XT1924-4)
Preço sugerido R$ 799 R$ 899 R$ 949
SO Android Oreo 8.1
versão Go
Android Oreo 8.0 Android Oreo 8.0
Processador Qualcomm Snapdragon 425
(MSM8917)
1.4 GHz Quad-Core
Adreno 308
Qualcomm Snapdragon 425
(MSM8917)
1.4 GHz Quad-Core
Adreno 308
Qualcomm Snapdragon 425
(MSM8917)
1.4 GHz Quad-Core
Adreno 308
Tela / resolução Max Vision LCD IPS
5,3″ (18:9),
FW+ (960 x 480 pixels),
201 ppi
Max Vision LCD
5,7″ (18:9)
HD+ (1.440 x 720 pixels)
283 ppi
Max Vision LCD
6,0″  (18:9)
HD+ (1.440 x 720 pixels)
269 ppi
Memória RAM 1 GB 2 GB 2 GB
Memoria armazenamento 16 GB 16 GB 16 GB
Memoria livre para armazenamento ~12 GB ~11 GB ~11 GB
Slot para micro SD/
capacidade
Sim
(até 256 GB)
Sim
(até 256 GB)
Sim
(até 256 GB)
Slot Dual SIM sim sim sim
Suporta 2 SIMs + Micro SD
ao mesmo tempo
sim sim sim
Bandas 2G – GSM 850/900/1800/1900 MHz,
3G – WCDMA 850/900/1700/1900/2100 MHz,
4G – LTE B1/B2/B3/B4/B5/B7/B28
2G – GSM 850/900/1800/1900 MHz,
3G – WCDMA 850/900/1700/1900/2100 MHz,
4G – LTE B1/B2/B3/B4/B5/B7/B28
2G – GSM 850/900/1800/1900 MHz,
3G – WCDMA 850/900/1700/1900/2100 MHz,
4G – LTE B1/B2/B3/B4/B5/B7/B28
Wi-Fi / Bluetooth sim / sim (v4.2) sim / sim (v4.2) sim / sim (v4.2)
GPS GPS, AGPS, LTEPP, SUPL, GLONASS GPS, AGPS, Beidou, GLONASS GPS, AGPS, Beidou, GLONASS
Sensor biométrico sim sim sim
Câmera frontal 5 MP f/2.2 5 MP f/2.2 5 MP f/2.0
Câmera traseira 8 MP f/2.2 13 MP f/2.0 12 MP f/2.0
Bateria 2.100 mAh 4.000 mAh 5.000 mAh
Carregamento TurboPower não não sim
(carregador incluso)
Cores disponíveis Preto / Ouro Platinum / Ouro Grafite / Ouro
dimensões (LxAxP) 7,1 x 14,8 x 0,9 cm 7,2 x 15,4 x 0,9 cm 7,5 x 16,1 x 0,9 cm
Peso do aparelho com bateria 145 g 174 g 197 g
Conteudo da caixa TELEFONE,
KIT DE MANUAIS,
CABO DE SINCRONIZAÇÃO,
FONE DE OUVIDO ESTÉREO,
CARREGADOR DE PAREDE,
BATERIA
TELEFONE,
KIT DE MANUAIS,
CABO DE SINCRONIZAÇÃO,
FONE DE OUVIDO ESTEREO,
CARREGADOR DE PAREDE ,
FERRAMENTA DE
REMOÇÃO DO SIM
TELEFONE,
KIT DE MANUAIS,
CABO DE SINCRONIZAÇÃO,
FONE DE OUVIDO ESTEREO,
CARREGADOR DE PAREDE ,
FERRAMENTA DE
REMOÇÃO DO SIM

*Informações levantadas no site da empresa.

Nos chamou a atenção que toda a linha e5 utiliza praticamente a mesma plataforma móvel Qualcomm Snapdragon 425 sendo que as reais diferenças no seu hardware ficam por conta da quantidade de RAM (1 GB), resolução da tela (960 x 480 pixels), resolução da câmera traseira (8 MP) e principalmente o tamanho da bateria (2.100 mAh), sendo que os modelos e5/e5 Plus armazenam praticamente o dobro de carga do e5 Play — 4.000 e 5.000 mAh respectivamente, sendo que este último (e5 Plus) também oferece suporte para carregamento rápido.

Nagano comenta: Um detalhe que me chamou a atenção nessa tabela é a popularidade do tom dourado, disponível em todas as versões do moto e5, será ele o novo carro prata?

Com relação ao produto propriamente dito, ele vem acompanhado de um conjunto até que bem completo de acessórios, formado pelo smartphone propriamente dito, bateria, adaptador de tomada, cabo USB, fone de ouvido (com microfone integrado) e alguma documentação impressa. Até onde pudemos ver, em nenhum local é dito que esse fone utiliza a versão Go do Android:

Uma curiosidade desse aparelho é que, ao contrário dos seus irmãos maiores, sua bateria ainda é do tipo removível (modelo JE30) de 3,8 volts x 2.000 mAh com tecnologia de polímero de lítio (ou Li-Po):

Se comparado com os smartphones mais modernos, isso pode até parecer um antagonismo, mas que sob um outro ponto de vista isso não deixa de ser uma garantia de que o usuário não irá depender de uma assistência técnica na hora em que a bateria pifar.

Fora isso, os heavy users tem neste caso a opção de trocar a bateria caso a mesma caduque no meio do dia e longe de uma tomada.

Já o carregador de energia é do tipo padrão com plugue de tomada padrão nacional, entrada bivolt (100~240 volts x 50/60 Hz)…

… e saída na forma de uma tomada padrão USB de 5 volts x 2 amperes:

E como ainda é comum entre os modelos de entrada, o cabo USB que acompanha o produto ainda é do tipo USB Micro:

O moto e5 também sai de fábrica com a notória película autopromotora que além de proteger sua tela LCD também serve para destacar os seus principais atrativos quando exposto no balcão ou vitrine da loja.

Já a sua tela propriamente dita — que a empresa chama de Max Vision — é do tipo LCD IPS de 5,3″ com área visível de 6,1 x 12,2 cm na proporção de 18:9. Se comparado com o seu antecessor a Motorola conseguiu encaixar uma tela maior sem mexer muito nas dimensões do aparelho graças a remoção do sensor biométrico que passou para a parte de trás do aparelho liberando assim espaço para uma tela mais “alta”.

Apesar disso, a sua resolução nativa é de apenas 960 x 480 pixels com densidade de 201 ppp (pontos por polegada). Também vale a pena ressaltar que essa tela não é do tipo Gorilla Glass, de modo que ela não deveria ser maltratada em demasia.

Na parte de cima da tela podemos ver (a partir da esquerda) o sensor de luminosidade, a câmera frontal de 5 MP, a saída de som do telefone (que também faz o papel de alto-falante) e o iluminador de flash.

Já a parte de trás do Moto e5 é coberto por uma capa de policarbonato disponível na cor preta e dourada que, dependendo da luz até parece prata (embaixo). Curiosamente, o tom da sua superfície é levemente fosca o que também não segura marcas de dedo (yaay!)

Os dois únicos elementos presentes nessa face é sua câmera de 8 MP com iluminador de flash montado dentro de um círculo preto…

… e o mais interessante, o novo sensor biométrico que fica escondido sob a logomarca da empresa. Trata-se de uma solução bastante simples, elegante e funcional apesar de pessoas com mãos grandes possam tem alguma dificuldade em usar esse recurso porque a ponta do seu dedo indicado tende ficar na altura da lente da câmera o que faz com que o usuário precise procurar o sensor com a ponta do dedo para usá-lo.

Com menos de 1 cm de espessura o perfil do e5 é dominado por linhas retas (sem ressaltos) e bordas curvas e suaves, o que proporciona uma pegada bastante firme e confortável:

Na parte de cima do aparelho podemos ver a entrada do fone de ouvido (padrão P3) e o microfone secundário.

Já na lateral direita encontramos (a partir da esquerda) o botão de liga/desliga e o controle de volume. Interessante notar que a superfície do botão de liga é serrilhado de modo que o usuário pode diferenciá-lo do outro botão apenas com o toque. Simples e funcional.

Finalmente, na base do aparelho localiza-se a sua porta USB Micro (compatível com o padrão 2.0) e o microfone principal usado em conjunto com secundário para melhorar a qualidade da captação da voz do usuário.

Se você estiver se perguntando — “onde fica a bandejinha dos cartões SIM e Micro SD” — a resposta é que ele o e5 não possui tal dispositivo. Isso porque como nos modelos mais antigos, é preciso remover a capa traseira do gabinete para se ter acesso ao compartimento da bateria e dos slots de cartões.

Para isso, existe uma pequena depressão no canto inferior esquerdo do moto e5 Play onde o usuário pode usar a ponta da unha para começar a desencaixar a capa traseira:

Mas caso você tenha receio de arruinar o seu manicure, nossa dica é usar um cartão de banco (caducado, é claro!)

Feito isso, é possível ter acesso ao interior do aparelho…

… onde podemos ver as entradas para os  cartões SIM 1, SIM 2 e Micro SD que, ao contrário de muitos modelos da concorrência não obriga o usuário a abrir mão do que está armazenado no cartão Micro SD para instalar uma segunda linha de telefone e vice-versa.

A Motorola afirma que seu sistema dual chip é “inteligente” ou seja, o smartphone monitora as ligações do usuário e começa a associar os números às linhas/operadoras mais usadas. Assim, com o passar do tempo, faz com que o aparelho sugira ou mesmo utilize a mesma linha para as próximas ligações que serão feitas para este ou aquele número (mais detalhes aqui).

Com isso é possível, por exemplo criar perfis capazes de separar e organizar por exemplo, as ligações pessoais das profissionais. Fora isso também é possível fazer com que o smartphone selecione automaticamente a melhor conexão de dados no local onde o usuário estiver se conectando.

Feito tudo isso, e fazendo a inicialização normal do Android Go o aparelho está pronto para uso — simples não?

Por este se tratar de um Hands-on (mini!), se tratar de um novo sistema operacional e de um smartphone não voltado para desempenho, não achamos justo rodarmos alguns benchmarks sintéticos e analisar seus resultados.

Ao invés disso, iremos usar esse aparelho durante algum tempo e publicaremos nossas impressões neste mesmo post ou — se for o caso — publicaremos uma nova análise focada especificamente nos recursos deste aparelho.

Fiquem ligados.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.