Hands On: Iomega Home Media Network Hard Drive de 1 TB

H

Desde que foi adquirida pela EMC, a Iomega investe numa ampla linha de dispositivos de armazenamento externo baseado em HDs como o Home Media Network Hard Drive só que ao invés de oferecer apenas uma boa plataforma de hardware, ela tira proveito da experiência da EMC em sistemas de storage corporativo para oferecer produtos e serviços integrados ao disco, agregando assim valor ao produto.

Medindo aproximadamente 12,5 x 4,0 x 20 cm (LxAxP – deitado e sem o suporte vertical) e 1,1 kg de peso (só o disco) o Home Media Network Hard Drive não é exatamente só um disco externo e sim um dispositivo NAS (Network Attached Storage) equipado com um disco rígido de 1 TB, o que faz com que ele se comporte praticamente como um pequeno servidor de arquivos para uma rede local.

Esse sistema é gerenciado por um pequeno SOC (System-On-a-Chip) 810SE da Oxford Semiconductor que utiliza um processador ARM 926EJ-S de 370 MHz, 64 MB de RAM, um controlador SATA II e  uma porta Gigabit Ethernet (yay!).

Diagrama do chip:

Como era de se esperar, esse sisteminha roda uma versão de Linux batizada de LifeLine Home Linux desenvolvido pela própria EMC e voltada para soluções de storage para uso pessoal e pequenos negócios, caso deste produto.


Como já tradição na Iomega, além dos longos nomes de produto (que mais parecem um descritivo do que um nome propriamente dito), o Home Media Network Hard Drive vem com uma excelente apresentação, com seu elegante gabinete com acabamento em metal escovado com tons de cinza.

Seu desenho em si é bastante simples com sua frente dominada por uma grande grade, o que facilita a circulação do ar fresco pelo seu interior. Nenhuma luz indicadora de estado, botão de backup ou coisa do tipo.

De fato, praticamente todas as portas e controles do produto se concentram na parte de trás: A partir da esquerda podemos ver a saída do circulador de ar, a entrada do adaptador de rede elétrica, o botão de reset do sistema, a porta de rede Gigabit, porta USB 2.0, botão de liga/desliga e slot para dispositivo de segurança padrão Kensington. Note que essa porta USB não serve para ligar o disco direto num PC e sim para ligar dispositivos adicionais que pode ser mais um disco externo com porta USB, uma impressora ou mesmo um memory key.

A única crítica que poderia fazer ao desenho desse disco, é a estranha posição das suas luzes de estado que ficam bem atrás do disco numa posição de difícil leitura principalmente se deixarmos o disco num local alto, ou em algum buraco ou da estante, por exemplo. E para complicar as coisas a identificação de cada luz fica na parte de trás do disco o que não ajuda em muito na sua compreensão. Para mim, a única explicação para essa disposição é que esse disco não foi feito para ser visto e sim escondido (ou até esquecido) em algum canto da casa ou do escritório.

Acompanha o produto a fonte de alimentação bivolt (12 volts/2 A), cabo de rede, CD de instalação com drivers e utilitários, um pequeno suporte para colocar o disco na vertical e alguma documentação impressa.

Ao remover o gabinete, podemos ver a simplicidade desse projeto, com o interior praticamente dominado pelo disco Seagate Barracuda LP de 1 TB. Note que o sufixo LP vem de “Low Power” e que seria a resposta da Seagate para a linha Green da Western Digital que abre mão do desempenho em favor de um menor consumo de energia, algo que cai bem na estratégia de uma solução de NAS. Observe que a empresa também oferece uma versão desse produto equipada com um disco de 500 GB e 2 TB.

Do lado de baixo, podemos ver o processador Oxford 810SE e seu chip de DRAM DDR2 da Zentel.

Aqui uma vista de trás da placa de circuito, onde podemos ver a montagem da ventoinha que fica bem na frente do regulador de voltagem, o que ajuda a reduzir o acúmulo de calor no interior do gabinete. Interessante notar que essa ventoinha possui controle de velocidade, de modo que notamos um maior nível de ruído quando ligamos o disco, mas ele tende a diminuir a medida que o sistema entra em funcionamento normal.

O processo de instalação em si é bem simples: basta ligar o disco da Iomega no seu switch/roteador WiFi com o cabo de rede incluso e na tomada e ligar o mesmo. Inicialmente ambas as luzes irão acender, sendo que a luz do HD irá piscar alternadamente entre o amarelo e azul durante o processo de boot do sistema que leva alguns segundos. Depois disso, a luz do HD pisca apenas na cor azul quando o mesmo estiver sendo acessado. O diagrama abaixo nos dá uma idéia das possíveis aplicações do disco da Iomega.

Com o sistema ligado e em funcionamento, o próximo passo é instalar o gerenciador do disco de rede da Iomega em todos os computadores que irão ter acesso ao mesmo.

Deste procedimento, o único aplicativo obrigatório é o Home Storage Manager que localiza e mapeia o disco da Iomega na rede. Opcionalmente o usuário pode instalar o EMC Retrospect Express HD e/ou o Iomega QuikProtect, ambas ferramentas de backup e recuperação de dados tanto paras plataformas PC e Mac.

Ao final deste processo o Home Storage Manager já procura o disco da Iomega na rede e, se encontrato já mapeia o mesmo, apresentando suas principais pastas públicas na sua tela principal, cada uma identificada por tema:

Como é comum nesse tipo de produto, é possível acessar as funções do servidor via interface HTML:

Seu painel de controle é bastante completo, permitindo realizar diversas operações como verificar o estado/formatar o disco, gerenciar o acesso às pastas, serviços de DHCP, e-mail, Torrent, FTP, Data e Hora do servidor e até acesso remoto via TZO DNS.

A interface em si é simples, bem elaborada e até um certo ponto bastante intuitiva para qualquer um já habituado com os jargões das tecnologias de rede. Para os outros uma lida no manual pode ajudar a tirar diversas dúvidas. De qualquer modo se o usuário estiver interessado em ficar no básico, ou seja, ter acesso acesso a mais espaço de disco na sua rede local. O Home Media Network Hard Drive cumpre o que promete.

E pelo preço sugerido de R$ 899 pela versão de 1 TB até que seu preço é bastante interessante. Quem precisar de muuito mais armazenamento, a versão de 2 TB sai por R$ 1.399.

Onde encontrar: www.Magazineluiza.com.br, www.5ti.com.br e www.lojaiomega.com.br

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

Disclaimer: o ZTOP+ZUMO tem links de afiliados com a Amazon e pode ser
remunerado caso você clique em links neste artigo e compre algo.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos