Hands-on: GPS Tomtom GO 630

H

tomtom630 intro

Voltado para o mercado brasileiro, o novo GPS Tomtom GO 630 substitui o GO 720 como modelo topo de linha da casa, abrindo mão de alguns recursos em favor de uma maior cobertura de mapas (incluindo Argentina e Uruguai) e um preço sugerido bem mais em conta – R$ 1.099 – quase a metade do cobrado pelo 720 na época de seu lançamento (~ R$ 1.899). Visualmente falando o GO 630 não difere muito do GO 720, a não ser pela sua moldura da tela agora na cor preta, a falta de alguns detalhes cromados (acima da tela)…

tomtom630 compared front

… e seu acabamento externo em plástico cinza fosco (à prova de marcas de dedos) no lugar do material emborrachado que cobre o corpo do GO 720.

No modelo analisado também notamos a falta do logotipo da Tomtom em cima do GPS, o que pode ser um defeito de fabricação, ter caído durante sua manipulação e transporte ou uma medida de redução de custos bastante mesquinha por sinal.

tomtom630 compared back

Fora isso ele mantém sua generosa tela touchscreen de 4,3″ (480 x 272 pixels)  e incorpora mais memória interna de armazenamento (64 MB de RAM e 4 GB de Flash). Seu processador é um Samsung LTE430WQ RISC de 400 MHz que roda um dialeto de Linux para executar seu programa de navegação TomTom NavCore 8 e mapas gerados pela empresa TeleAtlas. Seu chip de localização é um modelo Star III da SiRF Technologies.

E como era de se esperar de um equipamento da Tomtom, seu padrão de construção é bastante sólido e capaz de aguentar a vida dura de qualquer a acessório de carro que anda de lá pra cá junto com seu usuário. Mas ao contrário do modelo One Brasil (já analisado por este Zumo) o desenho do seu ponto de fixação para acessório manteve-se o mesmo, permitindo assim o uso dos diversos acessórios dos modelos já disponíveis para o GO 720 e 920, incluindo suportes, cabos, capas e bolsas de transporte.

Felizmente não notamos a falta de nada na sua base onde podemos ver a saída de som estéreo, conector para o sistema de informação de tráfego, porta USB micro 2.0 (Yay!) que também serve para recarregar sua bateria interna de polímero de lítio de 1.320 mAh e autonomia estimada em 5 horas (segundo o fabricante) e slot para cartão de memória padrão SD.

tomtom630 base

Outra diferença que vimos no 630 é no seu pacote de acessórios inclusos: um cabo USB, recarregador veicular, suporte de parabrisa, disco auto-adesivo (para fixar o GPS em outros locais) e o CD de instalação de utilitários. Se comparado ao 720, o 630 não vem mais sua base de acoplamento para mesa o que permitia deixá-lo ao lado do desktop para recarregar sua bateria via porta USB e sincronizar dados com o PC. Apesar disso, um dos acessórios — o suporte de parabrisa — recebeu um upgrade que lembra vagamente o modelo usado no GO Brasil, com seu sistema de trava do disco de sucção com botão giratório em vez do sistema anterior, que mais lembrava um platô de embreagem.

tomtom630 suporte

A grande sacada deste suporte é que ele pode ser dobrado junto com o GPS, permitindo assim carregá-lo na bolsa ou mesmo em um bolso de casaco. Note o sistema do de encaixe o que permite usar o aparelho com a articulação tanto por cima quanto por baixo.

tomtom630 suporte2

De um modo geral, seu software de navegação é  o mesmo do One Brasil — ou seja, um dos melhores do mercado — de modo que não iremos entrar muito nos detalhes dos seus recursos de navegação e sincronização/colaboração /customização e atualização de dados via Tomtom Home. Se comparado com o GO 720, notamos a falta de alguns recursos como o Tomtom JukeBox (player de música), o transmissor de FM (que envia orientações e músicas para faixa de rádio FM vaga — algo raro aqui em Sampa) e o navegador por endereço falado, onde o usuário dita o endereço em vez de digitar o mesmo no seu teclado virtual.

Observe que por uma questão de princípios, a Tomtom não incorpora em seus sistemas de GPS qualquer produto ou serviço que possa tirar a atenção do motorista quando ele está dirigindo. Assim não espere que que o Go 630 tenha recursos como player de vídeo, joguinhos ou até mesmo TV integrada.

Em contrapartida ele conta com um gerenciador específico para iPod e, o mais interessante, mantém o suporte para Bluetooth o que permite conectar o GPS com telefones celulares equipados com essa interface, permitindo que o aparelho faça e receba ligações, além de funcionar como sistema de viva-voz.

O que vale a pena observar é que  o guia de radares (o que não é o mesmo que detector de radares) não vem pré-instalado no sistema, de modo que ele pode ser baixado pela internet na primeira atualização do sistema, momento em que a empresa também verifica se o mapa do GPS é a versão mais recente disponível, fazendo a devida atualização caso isso seja necessário.

Observe, porém, que durante nossos testes (realizados no final de abril de 2010) mesmo depois da garantia de atualização para o mapa mais recente (o que no nosso caso não foi necessário) pelo menos no caso do estado de São Paulo, algumas vias recentemente inauguradas como o trecho sul do Rodoanel ainda não estavam prontas para esse GPS (uia!).

Note neste detalhe do mapa do Rodoanel que a nova via (linha cinza) cruza a Imigrantes (SP160) e a Anchieta (SP150) perto da represa Bilings sendo que tal informação não está disponível no mapa acima.

E como não se trata de uma simples bloqueio ou troca de mão, mudança de nome ou coisa do tipo — o que pode ser resolvido pelo serviço MapShare — essa mudança precisará ser feita pela Tele Atlas e provavelmente estará disponível na próxima versão do mapa Brasil (atualmente na versão 8.45).

Tudo bem que a entrega dessa obra é bastante recente (01/04/2010), mas a desconsideração dessa nova via pode impactar diretamente no desempenho do próprio GPS já que ele não poderá incluir em seus cálculos de rota uma via que foi criada exatamente para desviar e aliviar o trânsito — especialmente de caminhões — da região da grande São Paulo e adjacências.

Com isso podemos ficar no dilema de se não vale a pena esperar para comprar um novo GPS da Tomtom até que o novo mapa esteja disponível — o que pode demorar de um a vários meses — a não ser que o usuário não se importe em pagar 90 Euros (ou ~ R$ 216) para baixar o mapa quando for lançado

Para mim, a solução estaria em estender a oferta e garantia de atualização desse novo mapa para todos os aparelhos novos vendidos a partir de uma certa data. Mas isso depende de uma decisão da empresa e não deste Zumo.

Mas quem sabe eles também não lêem esse blog né?

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos