ZTOP+ZUMO

Hands-on: Ginga para TV digital (2012) — sim, ele existe e funciona!

Apesar de ter perdido um pouco do seu charme com a chegada das Smart TVs, o sistema de interatividade começa a aparecer com mais frequência nos canais de  TV Digital aberta.

Durante o review da LED Smart TV série 8000 da Samsungtive a oportunidade de ver pela primeira vez o Ginga funcionando em uma transmissão regular de TV Digital aberta:

Para quem não sabe (ou viveu em uma caverna escura nos últimos cinco anos), o Ginga é um middleware concebido originalmente pela PUC do Rio de Janeiro e a pela Universidade Federal da Paraíba e que tem como objetivo a possibilidade de implementar aplicações e recursos de interatividade para o nosso sistema de TV Digital baseado em tecnologia de código aberto.

O problema é que na época em que os primeiros receptores de TV digital chegaram ao mercado — sim, aqueles que o ministro Hélio Costa disse que iriam custar menos de R$ 100 — no final de 2007, muitas das especificações técnicas do Ginga ainda estavam sendo discutidas e que foram normalizadas pela ABNT apenas em abril de 2010. Assim, uma geração de conversores de TV Digital saiu  sem esse recurso – ou mais.

O curioso é que muitos desses aparelhos até já saíram de fábrica com porta de rede instalada o que, na teoria, seria para fornecer o chamado canal de retorno para o provedor de conteúdo por meio de uma futura atualização de firmware — algo que nunca se materializou.

Pelo que já conversei com um engenheiro que participou do desenvolvimento do sistema de SBTVD, o problema é que a camada do software do Ginga ficou bem maior do que o esperado. Resultado? Muitos desses aparelhos “sem Ginga” simplesmente não tinham capacidade de memória interna para receber o novo firmware.

(Foi mal, hein?)

A boa notícia é que com a nova portaria interministerial publicada pelo governo brasileiro no início deste ano que diz que o Ginga deve estar presente em 75% das TVs fabricadas no País em 2013 — subindo para 90% em 2014 — acelerou a adoção da tecnologia pelos fabricantes. De fato ele contou até com uma ajudinha das Smart TVs — que já vêm com algum tipo de conexão com a Internet — proporcionando assim o tal canal de retorno (yaaay!)

Pelo que pudemos ver pelas páginas que visitamos, o visual até que é bastante elaborado e flexível. Porém as aplicações em si ainda são bem simples, limitando-se a funcionar apenas durante certos horários apresentando informações estáticas como resumo do programa, personagens, galeria de fotos, próximos capítulos etc.

… e o máximo que vimos de “interatividade” são enquetes do tipo “sim/não” ou de múltipla escolha que — por sinal — nem sempre funcionam. A sensação que tivemos é que as estações de TV ainda estão aprendendo a trabalhar com essa nova mídia.

Interessante que ao testar recentemente essa tecnologia em uma outra TV — uma Panasonic Viera de Plasma de 42″ (modelo TC-P42GT30B) — notamos que algumas redes de TV começam a apresentar novas aplicações de Ginga bem mais elaboradas que os exemplos acima:

A primeira delas é a Rede Gazeta, que implementou um serviço de meteorologia com previsões semanais…

… e até diário.  O interessante nesse caso é que o telespectador pode configurar essa aplicação para a sua cidade, o que torna esse serviço bem mais atraente.

Já a Rede TV criou uma espécie de portal, onde o telespectador vê a grade de programação, informações sobre programas da casa, situação do tempo e até tem um feed de notícias ao mesmo tempo que assiste a TV (tela à direita). Infelizmente na época que vimos essa página os outros serviços ainda não estavam disponíveis, mas como a janela da esquerda diz: “Aguarde!”

Ah sim: note a presença de um banner no canto superior direito, o que pode ser uma nova fonte de receita para as emissoras.

Já o SBT adotou um formato semelhante, também formado por um feed de notícias, tempo e temperatura, canal de TV e uma pequena janela de anúncios com um pequeno calhau de uma empresa do Sílvio Santos.

Neste caso, o sistema de feed já estava funcionando com direito até a propaganda da caixa:

Assim como as primeiras páginas de programas da TV, os novos portais de Ginga ainda estão na sua infância, mas já mostram todo um potencial de desenvolvimento de produtos e serviços que pode até se popularizar à medida que mais TVs com Ginga cheguem ao mercado.

Alguns dizem que passados quase meia década de existência, o Ginga pode ter perdido a sua janela de oportunidade para as Smart TVs. Eu já acho que se tratam de animais distintos e até complementares já que a meu ver o Ginga se comporta mais como um provedor de serviços (ligado à emissora de TV) enquanto que as Smart TVs se comportam se uma maneira mais genérica ou aberta como se fosse um imenso smartphone/tablet rodando aplicativos e serviços (como Netflix) que você baixa da Internet.

Como na TV 3D, a parte dos fabricantes de desenvolver e entregar a tecnologia já foi feita, direto nos televisores (e não mais nos conversores). Agora a batata quente está nas mãos dos desenvolvedores de conteúdo (alô emissoras) que precisam descobrir meios de como capitalizar em cima desse novo ecossistema.

Quem viver, verá.

Ainda em tempo:

Pelo que pesquisei na web, já existe pelo menos um conversor de TV digital com suporte para Ginga. Trata-se do modelo VT7200E da empresa Visiontec:

Trata-se de um receptor de TV Digital equipado com recurso de PVR (gravador de vídeo digital), tecnologia StickerCenter (um sistema de interatividade desenvolvido pela TOTVS) e interface Wi-Fi o que permite conectar o console com a Internet via conexão sem fio. Preço sugerido: R$ 300 + Frete no site da empresa. 

Ainda está longe dos R$ 100 do conversor popular do Hélio Costa, mas já está menos que a metade dos R$ 800 ~ R$ 1.000 cobrados pela primeira geração de conversores quando estes chegaram ao mercado em em 2007.

Mais informações aqui.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Tulio Magno 09/04/2012, 21:40

    Bloquearam o vídeo… 🙁

  • Damiana Costa 10/04/2012, 14:17

    Muito maneiro o conteúdo da matéria. A idéia é o Ginga crescer cada vez mais. Esperemos por isso! Parabéns pelo post!

  • Ajr 10/04/2012, 16:01

    Eu apoio a adoção maciça do Ginga, pois, devemos ter padronização senão vira bagunça e o melhor é que esse sistema não é proprietário, e isso já é uma grande vantagem.

  • Vagner 10/04/2012, 16:11

    No SBT tem um sticker chamado "sbtvideos" onde tem vários vídeos da emissora.
    Uma pena que o conversor VT7200e não seja "compatível" com a aplicação.

  • Gustavo Melo 10/04/2012, 16:19

    Eu só quero uma TV com conectores HDMI, VideoCompoente e RCA F que reproduza MKV, AVI e MPEG4 via usb sem complicações, com o preço mais baixo possível e 32 polegadas.

    • henriquem 10/04/2012, 16:19

      teoricamente, as Samsung e LGs da vida já fazem isso de fábrica, não?

  • Francisco Gutemberg 10/04/2012, 22:09

    Prezado Nagano.

    Adorei a sua matéria sobre o DTVi .Muito concisa vai direto ao ponto sem explicações exageradas ou longas demais. Sim, eu apoio o midllawere nacional. Pôs foi a parte que nos coube no acordo com o Japão na época da adoção do ISDB-T.

  • Wladimir 11/04/2012, 10:47

    Dou meus parabens ao ex Ministro Hélio Costa por essa brilhante tv digital que entrou em nossa casa. A cada dia fico fascinado pela beleza de assistir tv com essa imagem maravilhosa

  • dflopes 11/04/2012, 23:18

    saindo do eixo RJ-SP, as emissoras mal conseguem colocar o EPG direito (guia eletronico de programação)
    ou seja, ainda vai demorar muito para esse ginga ter uso maciço – mesmo que as tvs já venham com ela incorporada.
    Lembra a interatividade da sky, que só tem bom uso no Globo News, onde tem algo a mais para mostrar.

    no HtForum, tem um clube do VisionTec com mais de 145 páginas: http://www.htforum.com/vb/showthread.php/152266-N

    • dflopes 11/04/2012, 23:25

      e fui ler um pouco do forum, e as noticias nao sao boas desse receptor de HDTV com ginga…

      • mnagano 19/04/2012, 09:36

        Na minha opinião, a relevância e/ou demanda e/ou valor desses conversores avulsos diminui no mesmo ritmo que os consumidores trocam suas antigas TVs de tubo ou mesmo LCD/Plasma pelos novos modelos já equipados com o conversor integrado já com Ginga.

        Li em algum lugar que o governo tem planos de subsidiar a compra (ou mesmo a doar) esses conversores para a população de baixa renda, como parte de um programa de inclusão digital que incentivaria o uso do Ginga para acessar serviços on-line do governo, como marcar um exame no SUS diretamente do aparelho de TV.

  • Hugo 13/04/2012, 20:42

    Na europa existe um serviço similar chavado TELETEXTO. é uma página em fundo preto, que parece o DOS, mas mostra informações sobre loterias, programação, previção do tempo blablablablablabla. Isso já existe a muito tempo. O Ginga é com certeza um grande passo

  • Sidney Lima 20/04/2012, 20:02

    Daqui a pouco você vai dizer que o Ginga é um Close Caption melhorado!!!
    Estamos falando de interatividade, não de uma via de mão única.

  • VCVix 25/04/2012, 00:15

    Lembre-sem que a maioria das pessoas nesse pais não tem internet em casa ainda.

    • JuaaO 11/06/2012, 03:21

      a grande maioria mal consegue pagar as contas e ainda se dão ao luxo de ter um carro.
      e ainda vão pensar em internet