ZTOP+ZUMO

Hands on: FujiFilm Finepix X-Pro1

Passando pelo stand da Fuji Film aqui na CES 2012 pudemos ver com mais calma a X-Pro1. Em vários sentidos, é realmente uma “grande” câmera.

Depois da bagunça que foi a aparição da X-Pro1 na coletiva de imprensa da Fuji, pudemos ver e até tocar nessa tão esperada câmera.

Medindo 14,0 x 8,2 x 4,3 cm (LxAxP) e 450 gramas de peso, o que mais me chamou a atenção dessa câmera é como ela é grande e substanciosa.

Podemos ter uma melhor idéia das suas dimensões quando colocada ao lado da Finepix X10:

Fiel à filosofia iniciada pela X100, a X-Pro1 mistura elementos da X10 e da X100 no que se refere ao layout dos seus controles, o que inclui a idéia de combinar os modos de prioridade de velocidade e abertura no disco de velocidade do obturador (modo de dizer já que ele tão tem cortina mecânica) e o anel de abertura da lente. Assim para usar o modo totalmente automático, basta ajustar a velocidade e abertura para o modo “A”.

Graças as suas maiores dimensões, o painel traseiro ficou bem menos congestionado. Sua tela LCD de 3″ é do tipo normal e não possui suporte para touchscreen.

Note o generoso apoio para o polegar no lado direito da câmera onde também ficam os botões de AE-L/AF-L e a tecla de atalho para o Quick Menu:

Outro recurso que a Fuji desenterra do passado é o conector PC-Sync para flash externo, algo muito bem vindo para aqueles que trabalham com flash de estúdio:

Já do outro lado ficam as portas HDMI (yay!) e USB 2.0/video combo (boo!):

Na sua base fica o compartimento da bateria e do cartão SD/SDHC/SDXC e o ponto de fixação do tripé ocupado pelo pino cinza.

Sua bateria é uma NP-W126 com autonomia estimada em 300 fotos (padrão CIPA):

Como dissemos anteriormente a X-Pro1 não possui obturador mecânico, de modo que seu sensor APS-C X-Trans CMOS de 16 megapixels fica exposto quando removemos a lente, como nas DSLM mais compactas.

Note no canto superior esquerdo a presença da alavanca que seleciona o modo do visor híbrido, logo acima as entradas dos microfones estéreo com a luz de auxílio de foco no meio e o seletor de modo de foco no canto inferior direito:

Como a Fuji já havia antecipado, a X-Pro1 incorpora uma versão melhorada do seu inovador visor híbrido que vimos pela primeira vez na X100. A grande sacada desse recurso é que no modo OVF (que combina as imagens reais do visor óptico com informações gráficas do LCD) ela desenha uma moldura na cor branca que delimita a área coberta pela lente usada o que lembra a solução adotada pelas antigas rangefinders com lente intercambiável como a Leica M ou a Nikon SP. Segundo a fuji o ajuste desse quadro é automático nas lentes da série X mas e manual no caso das antigas lentes de foco manual e sem conector eletrônico.

A grande desvantagem desse sistema é que a medida que usamos teles mais longas a moldura fica cada vez menor o que dificulta o seu uso. Nesse caso o ideal é ativar o modo eletrônico (EVF) que captura a cena a ser fotografada diretamente do sensor de imagem.

A nova baioneta da Fuji, batizada de XF, possui 10 contatos eletrônicos e o seu botão de trava da lente fica numa posição bem estranha, mas que permite que o fotógrafo consiga alcançá-la com a mesma mão que segura a câmera, o que pode agilizar a troca de lentes.

Como era de se esperar de uma câmera topo de linha as lentes têm excelente acabamento e o engate da lente é todo em metal (yaaay!).

Segundo a Fuji, o fator de corte dessas lentes é 1,5 de modo que essa lente “normal” de 35 mm/f 1.4 equivale a uma de 52,5 mm numa câmera de 35mm.

Interessante notar que ao contrário da X10 e da X100, a X-Pro1 não possui flash embutido, de modo que o usuário pode optar por qualquer flash externo da Fuji para a série X ou mesmo optar pelo charmoso modelo compacto EF-X20 que pode funcionar tanto no modo automático quanto no manual:

Entre os outros acessórios apresentados estão a lente XF de 60mm/F 2.4 Macro, uma meia tele de 90 mm (equiv.)…

…e a 18 mm/f 2.0, uma grande angular de 27 mm (equiv.):

E para proteger suas lentes a empresa também oferece uma capa protetora/correia de couro:

… e filtros protetores. Bem que eles poderiam fazer o mesmo para a X10.

Outro acessório interessante é um grip adicional que melhora em muito a pegada dessa câmera.

Além disso, a X-Pro1 também terá um anel adaptador para lentes Leica M, a exemplo do que fez (com muito sucesso) outras empresas como Panasonic e Olympus.

Finalmente, a empresa já revelou planos de lançar outras objetivas (muitas delas ainda em desenvolvimento) como:

  • Uma super grande angular de 14mm.
  • Uma normal de 28mm/f2.8.
  • Uma normal de 23mm/f2.0).
  • Uma zoom de uso geral 18~72mm/f4.0 com estabilizador de imagem.
  • Uma zoom de tele de 70~200mm/f4.0 com estabilizador de imagem.
  • Uma zoom de grande angular de 12-24mm/f4.0 com estabilizador de imagem.
  • Uma lente “especial” (?)

 

A previsão é que a X-Pro1 chegue ao mercado americano na faixa dos US$ 1.700 só o corpo e as lentes na faixa dos US$ 650. Representantes da Fuji Brasil presentes na CES nos disse que a X-Pro1 também chegará no Brasil ainda no primeiro semestre deste ano.

Ainda em tempo:

Perto do balcão onde as câmeras da série X estavam sendo demonstradas, a Fuji destacou a Finepix X100 Black.

Trata-se de  uma série especial e limitada que será oferecida na forma de kit com a câmera, capa de couro, correia, parassol e filtro de proteção.

Segundo a Fuji, apenas 10 mil unidades serão construídas sendo que cada uma delas terá uma numeração própria de 00001 a 10000:

  A maioria delas será destinada ao mercado americano e europeu. Infelizmente nenhuma delas virá oficialmente para o Brasil.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Thiago Santos 12/01/2012, 16:03

    Nagano, de ver esse lineup da série X fico imaginando se a Fuji não vai ser a Leica desta geração. Enquando a Leica faz bom proveito do seu nicho que é suficiente para manter algumas objetivas em longa fila de espera, as novas Fuji se lançariam para uma base maior, mais ou menos o que aconteceu com a BMW, que se especializou no segmento luxo e abriu espaço para marcas como a Volvo irem em direção a um mercado que era tradicionalmente dela…

    • mnagano 14/01/2012, 11:52

      Sim, de um certo modo a série X é uma grande aposta da Fuji de ampliar sua presença nos chamados produtos de maior “valor agregado” e desse modo não acabar como a Kodak.

      Para mim, uma estratégia bem interessante é de oferecer suporte para as lentes Leica por meio de adaptadores o que pode ser uma alternativa para os fãs da marca que já possuem algumas lentes Leica mas que não tem coragem de torrar 7 mil obamas numa M9 contra 1,7 mil numa X-Pro1.

  • Fernando 12/01/2012, 17:28

    Caramba, como a baioneta dessa câmera parece a das lentes Sony/Minolta… será?

    • mnagano 14/01/2012, 12:06

      Nope, o desenho dessa baioneta batizada de padrão "XF" é próprio da Fuji.

      O mais próximo que poderíamos chamar de padrão "universal" é o Micro Four Thirds adotado pela Olympus, Panasonic, Leica, etc.
      http://www.four-thirds.org/

      • Fernando 14/01/2012, 18:07

        Eu já tinha pego a minha para ver. Mas eles são irritantamente parecidos:
        [url ]http://en.wikipedia.org/wiki/File:Minoltamount.jpg[/url]

        • mnagano 14/01/2012, 19:13

          Sim, mas note que os contatos eletrônicos ficam na parte do anel e não na sua base.

          O ideal é que apesar das aparências, a lente de um fabricante nem entre na do concorrente evitando assim que ocorra algum dano (na hora de travá-la) tanto no sistema mecânico quanto no eletrônico. Fora isso, algumas lentes engatam no sentido horário enquanto em outros o sentido é o oposto (caso da Nikon F, se não me engano).

  • Rogerio0991 12/01/2012, 21:24

    Linda a câmera. Como não entendo muito sobre isto, achei fantástico. Um dia ainda saberei sobre (e poderei ter) uma câmera dessas.

  • dimitryushakov 13/01/2012, 17:13

    saudações, linda camera, conheço leica, porisso afirmo que essa nova fuji sim será a leica do futuro
    e tal como leica será p/poucos usuários
    abço dimitry
    fotogfrila
    goiania,go.,br
    demetryo@gmail.com