ZTOP+ZUMO

Hands-on: Asus Padfone 2

A velha teoria de “primeiros produtos são beta, compre sempre a segunda geração” (válida, claro, para a Apple) parece se confirmar com o Asus Padfone 2. É um novo dispositivo, mais completo, rápido e muito mais com cara de “produto final” pronto para o consumidor em comparação com a sua primeira geração, lançada no começo deste ano.

 

O Padfone 2 é um produto em duas partes: o telefone e o tablet, ou melhor, uma base que se transforma em tablet – que não tem mais teclado, por sinal, e a Asus não deu indicações se um acessório (ainda que Bluetooth) estará disponível.

Como smartphone, o Padfone 2 é muito leve – e impressiona ao ser segurado pela primeira vez. Para uma tela de 4,7 polegadas, ele cabe bem na mão. O aparelho ainda está com Android 4.0…

…e seu Android até parece ter poucas modificações feitas pela Asus, mas existe no menu de aplicativos uma aba PAD ONLY para apps relativos ao uso com a base.

Mas que na unidade de demonstração ainda estava vazia…

O hardware do Padfone 2 tem dois grandes destaques: o processador Snapdragon S4 Pro quad-core e a câmera de 13 megapixels – que vem com modos HDR e “Beautification” (que aprimora detalhes em rostos) incluídos.

O design do Padfone 2 é simples e “zen” (como diz a Asus), com uma parte mais larga e uma mais fina, que dá a impressão de uma tela curvada (é só impressão mesmo). Poucos botões/controles, como o liga/desliga e o volume na lateral do telefone.

Abaixo, o conector da base, compatível com padrão microUSB. Por aí ocorre a troca de dados e tela automáticos quando o fone se conecta ao dock  – a Asus chama isso de “Dynamic Display” quando a tela menor desliga e a maior liga automaticamente.

Este é o Padfone Station visto de perto. A parte interior do local de encaixe é protegida com teflon, o resto é plástico. De novo, o mesmo design minimalista: só dois botões no tablet: liga/desliga atrás e controle de volume na lateral. O Padfone 2 usa tecnologia ICEPower de som, a mesma dos notebooks da Asus, e me pareceu bem nítido (e barulhento) ao ser demonstrado.

Ao virar o tablet, com o telefone conectado, é um modelo convencional com Android. Curioso que o modelo branco do Padfone 2 tem o acabamento frontal em preto.

Não sou fã de tablets com Android – acredito que parte da boa experiência do smartphone se perde (culpe o Google) na tela grande. De qualquer modo,  a solução integrada com o telefone proposta pelo Padfone 2 é mais interessante que a maioria dos produtos (só tablets) presentes no mercado hoje (mas poderiam vender só o smartphone, não?)

Um detalhe do tablet visto de lado…

E aqui, a versão em preto com o telefone encaixado:

Claro que o Padfone 2, por conta da tecnologia e componentes, não é um produto barato – na Europa, seu preço inicial (fone + tablet) é de 799 euros para o modelo de 32 GB de armazenamento. Não quero nem imaginar quanto isso custaria no Brasil…

Disclaimer: ZTOP viajou a Milão a convite da Asus. Todas as opiniões aqui são nossas.

 

 

 

 

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin