ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Review: Audi S7 Sportback 2014

É de parar o trânsito. O S7 Sportback, versão esportiva do Audi A7, impõe respeito e admiração por onde passa. Largo, comprido, baixo, com visual berrante. E potente… Muito potente…

Primeiro, íamos testar um Audi A3 Sportback. Daí, fomos surpreendidos por uma súbita mudança de planos: “Que tal ficar com o S7 por um final de semana?” Nunca havia imaginado estrear a Zumo Garagem com um exemplar de 420 cavalos, 550 Nm de torque, 4,98 m de comprimento e preço de quase meio milhão de reais. “Claro, claro. A gente troca”, respondi com um sorriso no olhar. O prazer será todo nosso, pensei. 😀

No estacionamento da Audi, a cena foi muito parecida com aquela na qual a personagem de Kelly LeBrock surge dançando no filme A Dama de Vermelho. Em câmera lenta… Seu olhar penetrante, seu vestido esvoaçante, seu balançar hipnótico… Assim, lentamente, parou diante de nós o Audi S7 Sportback, 2013/2014, cor Vermelho Granada, com faróis full LED acesos, motor 4.0 Biturbo FSI V8 ronronando e 1.945 kg de metal esculpido.

Audi_S7_overall

Marilu comenta: Dama de vermelho, Fabio San? Essa você tirou do fundo do baú, hein?! 😀

Logo na saída, o ronco alto dos quatro escapes cromados alertava que o Drive Select estava em modo Dynamic, ou seja, todos os parâmetros de motor, transmissão, volante, tração integral quattro, cintos de segurança com tensionadores automáticos e MMI (Multi Media Interface) estavam prontos para acelerar.

Audi_S7_drive_select

Audi_S7_drive_select2

Marilu comenta (de novo): Na hora de retirar o Audi S7 no estacionamento da montadora, não tive muito tempo para verificar em qual modo de condução o modelo estava ajustado. Só depois de chegar à Zumo Garagem é que vi que o Audi S7 estava em seu modo mais “arisco” de condução. Imagina só, caro leitor, como foi a tarefa de cuidar dessa fera. 😉

Audi_S7_motor

Ao gosto do freguês

O Audi Drive Select é um sistema de configuração do carro semelhante aos manettinos dos volantes da Fórmula 1 – chaves comutadoras para modificar ajustes em tempo real. No S7, os modos alteram estilo do ronco do motor, firmeza do volante e relação de marchas da caixa S tronic de sete velocidades e dupla embreagem. Para estabilidade, a suspensão esportiva a ar também varia de altura de acordo com o modo selecionado (ver vídeo).

Há quatro perfis configuráveis de Drive Select: Comfort (Conforto), Automatic (Automático), Dynamic (Dinâmico) e Individual. O primeiro deixa o Audi com a condução mais dócil, enquanto o terceiro é o oposto, oferecendo um esportivo autenticamente firme e de aceleradas vigorosas. Em Automatic, os sensores e as centrais eletrônicas do S7 alternam entre Comfort e Dynamic de acordo com as situações de rodagem. Por último, com o Individual, é possível montar uma configuração totalmente personalizada de todos os itens do Drive Select.

Audi_S7_driving_modes

No trânsito urbano, o primeiro contato foi como esperávamos. O Audi apresentou uma suspensão firme e pouco amigável ao passar sobre ondulações do asfalto com suas rodas de liga leve e seus pneus 255/40 R19. O acelerador era impetuoso e exigiu destreza. Uma acelerada ligeiramente mais forte, fazia rugir o escapamento a cada saída. Tudo típico de num esportivo de alto desempenho.

Audi_S7_na_estrada

Bastou alterar o Drive Select para Comfort e o S7 transformou-se em um gentleman — silencioso e fácil de guiar (apesar das dimensões), permitindo desfrutar dos confortáveis bancos de couro preto Valcona, do impecável sistema de som Bose (amplificador de oito canais e 13 alto-falantes) e do ar condicionado automático de 4 zonas. Audi_S7_bancos

Na Zumo Garagem, fizemos a primeira exploração em comandos do painel e na central multimídia do S7.

Audi_S7_interior

Logo abaixo da manopla de câmbio, há um trackball cercado de botões de atalho: Nav (GPS), Tel (Telefone), Menu, Car (Carro), Media (Mídias) e Radio (da esquerda para a direita). Ao acionar um deles, o MMI apresenta na tela os recursos da seção ativada ou submenus para mais funções.

Audi_S7_console

Destacamos aqui a facilidade de uso dessa roda giratória, que é intuitiva e de rápida adaptação. Além disso, há um touchpad sensível ao contexto embaixo dos botões de freio de estacionamento eletrônico e de assistente de frenagem em subidas. Com ela, por exemplo, pode-se desenhar a primeira letra de um contato da agenda telefônica em vez de navegar pelo menu alfabético. Que tal abrir o site do Ztop num carro conectado por Wi-Fi? Graças ao Audi Connect, um roteador permite acesso à internet para os passageiros (motorista não!) dentro do S7. Foi exatamente como num café com hotspot: bastou localizar a rede com um dispositivo (usamos um Apple iPad 2) e inserir a senha fornecida na tela do MMI para poder navegar.

Audi_S7_WiFi

Infelizmente, não pudemos aferir a taxa de transferência com exatidão, pois estávamos dentro da garagem. Mesmo assim, o desempenho pareceu-nos satisfatório para o uso básico de internet, como abertura de sites e leitura de e-mails. Outro ponto testado: não há como ver TV com o veículo em movimento. Automaticamente, o MMI corta o vídeo e permite apenas ouvir o som da programação. Thumbs up!

De tanto vasculhar e vasculhar, encontrei algo para reclamar ao sair do S7 (ooohhh de espanto): não há módulo de subida automática de vidros quando se aciona o alarme. Sei que minha reclamação parece “picuinha” ao falar de um carro magnífico como este, mas é preciso botar um defeito, não é? No dia seguinte, fomos para a estrada. Era o momento de liberar o Audi S7 Sportback no seu habitat.

Audi_S7_back

No início do trajeto rodoviário do teste, a preocupação era identificar as reações desse raro modelo. Afinal, não é sempre que precisamos gerenciar um acelerador com poder de fogo de 250 km/h de velocidade máxima e aceleração de 0 a 100 km/h em 4,7 segundos (aferições fornecidas pela fabricante). Todas as retomadas entre 80 e 120 km/h (velocidade máxima no trecho) pareciam catapultar o carro para frente — para os outros, era como se vissem o personagem de desenho Papa-Léguas em disparada. Ao se preparar para ultrapassagens, o Audi Pre Sense entrava em ação com um ícone de alerta no visor do head-up display quando estávamos próximos da traseira do veículo à frente.

Este sistema de segurança utiliza a câmera instalada na grade dianteira (dentro da primeira argola da logomarca) para evitar colisões dianteiras. De acordo com o nível das condições identificadas pelos sensores, pode-se até frear o carro automaticamente.

O modelo testado possuía o pacote Audi Pre Sense Plus que, além da frente, permitia auxiliar na defesa do S7 contra batidas na traseira. Em velocidade de cruzeiro, o display de LCD entre o velocímetro e conta-giros indicava “Modo em 4 Cilindros”. Para aliviar a conta do posto de gasolina, o Audi S7 Sportback desativa a operação de quatro dos seus oito cilindros quando o motor trabalha entre 930 e 3.500 rpm, alcançar temperatura mínima de 40°C e estiver, pelo menos, na terceira marcha. Esta tecnologia foi batizada de Audi cylinder on demand.

Audi_S7_motor2

Para a média de consumo na estrada, obtivemos 11 km/l. O valor ficou um pouco abaixo do divulgado pela Audi (13,3 km/l), mas consideramos compreensível pelos trechos lentos e congestionados com obras na pista. Na cidade, tivemos média de 6 km/l (contra 7,4 km/l de dado da fábrica).

Marilu comenta: Nada mau para um motor 4.0 Biturbo FSI V8 de 420 cavalos. 🙂

O S7 Sportback percorreu curvas e descidas de serra com suavidade e precisão de trajetória impressionantes. O auxílio óbvio de um arsenal completo de recursos eletrônicos topo-de-linha atuou com perfeição, mas destacaria o lendário sistema de tração integral quattro com 30 anos de aperfeiçoamentos. O quattro varia continuamente a quantidade de força motriz distribuída para cada roda de acordo com a condição de aderência. Se as rodas de um eixo ameaçam patinar, a potência é transferida para o outro eixo e, ao mesmo tempo, distribuída automática e permanentemente pelo diferencial central.

Em outras palavras, foi preciso reprogramar o jeito de fazer curvas, atacando mais o meio delas, aproveitando mais a aceleração na saída e tracionando praticamente sem perder o ritmo das retas. É a famosa sensação de “fazer curvas como retas”. Estonteante! Houve apenas um único recurso que não tivemos tempo suficiente para testar e documentar: o Night Vision. Essa tecnologia usa uma câmera térmica para identificar pedestres entre 15 e 300 metros de distância do Audi. Eles são exibidos em amarelo no visor central do painel quando estiverem à margem da via. Se uma pessoa estiver em rota de colisão com o carro, um alarme soa e ela aparece iluminada na cor vermelha. Confira aqui um vídeo oficial de demonstração do Night Vision (em inglês).

Nossas conclusões:

O Audi S7 Sportback é um esportivo premium único no mercado brasileiro por sua configuração 2+2 lugares do tipo fastback (sedã onde a linha do teto funde-se com a do porta-malas).

Audi_S7_lado

Até vale mencionar que muitos especialistas acabam comparando modelos sedãs e cupês quatro portas em versão esportiva com o S7 pela proximidade de preço, potência e proposta, como Mercedes CLS 63 AMG e Porsche Panamera S. Entre esses dois, o Audi leva a melhor pelo custo-benefício mais atraente, com potência e pacote de equipamentos de mesmo patamar.

Graças ao mais alto estado da arte tecnológica automobilística, o Audi S7 Sportback atende simultaneamente aos lados anjinho e diabinho de seu proprietário. Num momento, carrega a família com conforto, espaço de bagagem e segurança. No outro, desliza pelas estradas com vigor e oferece um prazer de dirigir inesquecível. Dizem que tudo tem um preço. Neste caso, ele poderá compensar cada centavo investido. Com muito gosto… Confira aqui os vídeos de acionamento do motor do S7 Sportback.

Marilu comenta: Esta humilde escriba não tem tanta quilometragem ao volante de carros com mais de 400 cavalos e preço na faixa do meio milhão de reais, mas… Posso afirmar que o Audi S7 Sportback é um esportivo e tanto para o dia a dia (apesar de baixo, para as esburacadas ruas brasileiras).

O Audi S7 Sportback “veste” muito bem o motorista. Quando digo vestir, não me refiro à beleza do carro (ele é bonitão sim). Estou me referindo àquela rara sensação de que humano e máquina são um só. Poucos carros oferecem essa sensação para quem está ao volante: e o Audi S7 Sportback está nessa seleta lista.

Se você tem condições de levar um S7 para casa, mas nunca teve um carro tão grande e tão potente quanto ele, algumas dicas: no começo, use o modo Comfort até se acostumar com o bólido; seja gentil com o acelerador e o freio, pare em vagas grandes. 😉 Mal posso esperar para testar um exemplar da série RS.

 

ztop-indica-novo-selo

Resumo: Audi S7 Sportback
O que é isso? Fastback premium em versão esportiva 2+2 lugares
O que é legal? Alta tecnologia embarcada permite a “mortais” conduzirem um esportivo premium poderosíssimo para ir ao supermercado ou devorar asfalto. Design maravilhoso. Itens de segurança excelentes. Acabamento irrepreensível.
O que é imoral? Não ter módulo para subir vidros automaticamente no acionamento de alarme.
O que mais? Permite a personalização de configurações do carro com interface didática e simples. Para quem quer chamar a atenção, é só acelerar o motor. Audi cylinder on demand para economizar combustível.
Avaliação: 9,5  (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: a partir de R$ 448.500. (Valor da versão testada com todos pacotes opcionais, R$ 538.000)

Onde encontrar: Audi Brasil

 

Dados técnicos:

Motor: dianteiro com oito cilindros em V, 4.0 litro, biturbo FSI (injeção direta). A gasolina.
Cilindrada: 3.993 cm3.
Potência: 420 cv.
Torque: 550 Nm a 5.200 rpm.
Tempo 0 a 100 km/h: 4,7 segundos.
Direção: Elétrica Servotronic.
Câmbio: S tronic 7 velocidades de dupla embreagem.
Freios: 4 discos ventilados com sistema ABS com ESP e tração integral (quattro).
Dimensões: 4,98 m de comprimento; 1,91 m de largura; 1,41 m de altura; 2,91 m entre-eixos.
Peso: 1.945 kg.
Tanque: 75 litros.
Porta-malas: 535 litros (1.390 litros com bancos rebatidos).

Revisão, crédito das imagens e comentários de Marilu Araujo.

Galeria de imagens:

Todas as fotos bacanas de Marilú Araújo

Fabio Koiti escreveu sobre TI nos idos de 1990 e 2000 em revistas como PC Magazine Brasil, Windows Sources, PC Computing e PC World Brasil. Agora, está de volta para falar dos carros (e outros veículos) mais legais que pintarem por aqui.

  • lightness RS

    boa ztop!!!

  • Marvels

    Show de review.

  • Fabio Koiti

    Oi, Marcio. O módulo a que eu me referia na matéria era um módulo com versão automatizada associada ao alarme keyless, como existem em alarmes nacionais desde a década de 80. Valeu a participação 🙂