ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

gOS Space: parece um Mac, mas não é

Depois de todo o barulho com o Everex gPC (aquele PC com Linux baratinho do Wal-Mart), a dupla Good OS/Everex voltou a chamar a atenção nesta semana com o anúncio do Everex MyMiniPC. É um desktop compacto com jeitão de Mac Mini e equipado com a mais nova versão do gOS (Good OS), o “gOS Space”, um Linux com cara de Mac OS X (até o DVD tem um padrão de “espaço”, como o Leopard) feito para os “100 milhões de usuários do MySpace“.

Curioso, dei um pulinho no site da Good OS e encontrei um link para o download de uma imagem ISO do disco com o sistema. Não resisti e baixei para dar uma olhada. Será que ele é mesmo um “Apple Killer” como tem gente falando, o produto que finalmente vai fazer o Linux decolar como desktop para as massas? Ou será mais um caso de algo bonitinho mas ordinário?

Continue lendo para descobrir.

O arquivo ISO tem 768 MB e precisa ser gravado em um DVD, que serve tanto como “Live DVD”, com o sistema rodando direto do disco, quanto como instalador. A distribuição é baseado no Ubuntu: Mais precisamente o Ubuntu 7.10, com Gnome, Compiz-Fusion (para os efeitos especiais na interface) e AWN (para a Dock). Em termos de desempenho e compatibilidade com hardware, não notei nada novo. Rodou tão bem quanto o Ubuntu 7.10 padrão.

Se tivesse parado por aí­, seria uma boa distribuição Linux. Mas os desenvolvedores derraparam feio justamente no “principal destaque”: o conceito e a usabilidade do desktop em si. A Dock é bonitinha, e se comporta “quase” como a do Mac OS X. Tem uma animação inútil com os í­cones “andando” lentamente de um lado para o centro da tela na inicialização, e algumas detalhes do comportamento, como o fato das janelas maximizadas cobrirem o desktop, são diferentes. Aliás, estes detalhes poderiam ter sido facilmente resolvidos se os desenvolvedores tivessem gasto alguns minutos olhando a tela de preferências do AWN.

O desktop padrão do gOS

No Mac, a Dock tem duas funções: serve de atalho para os aplicativos instalados na máquina (e mais frequentemente usados) e mostra os que estão rodando no momento, bem como os documentos abertos. O gOS vem, sim, com bons aplicativos pré-instalados, como o OpenOffice, Firefox, Evolution, Gimp, F-Spot, Rhythmbox e outros. Mas você não vai encontrar nenhum deles na Dock. Todos os í­cones e categorias que estão lá são, na verdade, meros atalhos para aplicativos na Web. Não há, nem na Dock, nem no desktop, um atalho sequer para um gerenciador de arquivos ou seu diretório pessoal. Ou seja, ela não passa de uma barra de bookmarks enfeitada, o que na minha opinião é um desperdí­cio de recursos do sistema.

Vejam o í­cone TV, por exemplo: tudo o que ele faz é mostrar atalhos para os sites da NBC, Hulu, Fancast, Current.TV e CBS. E o Totem, reprodutor oficial de ví­deos do Ubuntu? Está escondido no canto superior direito da tela, debaixo do botão com o logo do gOS, no menu Applications / Sound & Video. E é assim com todos os outros itens. A impressão que dá é que o sistema é uma “casca” vazia que só serve para apontar para a web, e que é completamente inútil se você estiver desplugado da rede. Algo como aqueles “desktops online” como o AjaxWindows.

Falando em usabilidade, os designers deram um gigantesco passo atrás substituindo o conjunto de í­cones padrão do Ubuntu (baseado no Tango, um projeto apoiado em um amplo estudo de usabilidade) por uma versão com imagens pequenas, muito similares entre si e amadorescas. Dêem uma olhada na imagem abaixo (clique para ampliar) e tentem descobrir o que faz o segundo botão da barra de ferramentas. Ou o terceiro, que parece uma espátula. Ou o quarto.

GEdit no gOS. Notem os í­cones na barra de ferramentas

Desistiu? Os botões são Abrir, Salvar e Imprimir, respectivamente. Não contentes, a organização dos menus também foi mexida, e muitos submenus do menu principal tem vários itens sem í­cones. Ou com o mesmo í­cone padrão, um quadrado preto. Pra que simplificar, né? O tema visual imita o Aqua, da Apple, mas com tons de verde. “Aqua” suja, pelo jeito.

O que o gOS tem de bom é o marketing. Graças ao nome do Wal-Mart, conseguiu aparecer na imprensa especializada e fazer algum barulho, em parte devido a jornalistas que, olhando apenas os screenshots, o declaram uma maravilha e dizem que é “igualzinho ao Mac OS X”. Mas na prática é um sistema mal-acabado e sem nenhuma vantagem prática sobre o Ubuntu, a não ser que você seja daquelas pessoas que passam 90% do dia navegando em redes sociais e morrem de preguiça de usar a barra de bookmarks do navegador. É só barulho e sem conteúdo. Hmmm… pensando bem é igualzinho ao MySpace e congêneres, como o Orkut.