Google Chrome OS: o que existe e pode ser usado agora

G

chrome_netbook2

Se o Google Chrome OS existisse hoje, neste momento, o que daria para usar nele de acordo com o que o Google descreveu? Se respondeu serviços na nuvem, acertou. Veja meus palpites sobre serviços e tecnologias que temos hoje que poderão ser usadas no Chrome OS daqui a algum tempo.

1) produtividade: Google Docs e Zoho Office. Os dois serviços online fornecem editor de textos, planilhas e apresentações (entre outros recursos) que se encaixam direitinho na premissa do Chrome OS. Se o iWork.com, da Apple, evoluir para edição online, também está na onda.

2) edição de fotos: Picnik na cabeça, é nosso editor de imagens online favorito. Mas também não dá para esquecer do Photoshop.com.

3) games: não tenho ideia se vai rodar Crysis, mas pelo menos dá para jogar Quake online (se existir uma versão compatível para o navegador ou um Firefox para o Chrome OS, diz nosso leitor Walter nos comentários. Obrigados). Bem, sempre tem os joguinhos online em flash, né?

4) internet: HTML 5 ainda dá seus primeiros passos, mas vai mudar o jeito de lidar com áudio e vídeo na web. A próxima versão do Chrome (o navegador) será compatível.

5) comunicação: enquanto o Google Wave não vem para jogar o Gmail de escanteio, podemos usar o Meebo para mensagens instantâneas ou o próprio Google Talk.

O problema é achar serviços online que estejam disponíveis para o usuário final (sugestões nos comentários são muito bem-vindas). Essa lista acima é provisória e pode mudar. Com exceção do Wave, qualquer um com um navegador qualquer e uma conexão à internet pode “ter” acesso a alguns recursos do Chrome OS agora.

Afinal, cloud computing é termo cada vez mais comum no mundo corporativo (vide o esforço enorme do CRM da Salesforce.com em tirar o software do desktop). O problema vai ser enfiar isso na cabeça do consumidor de netbooks, pelo menos.

(fotomontagem com elemento do livrinho do Chrome)

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin


RSS Podcast SEM FILTRO




+novos