ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

2 minutos com o Samsung Galaxy S III

A Samsung anuncia hoje o lançamento do smartphone Galaxy S III no Brasil. O aparelho já está à venda desde a semana passada aqui em Taiwan, e aproveitei para ver um de perto.

A impressão que eu tinha do S III em fotos de divulgação era que o aparelho seria muito grande. Não é: apesar da tela gigante de 4,8 polegadas, o design de borda fina e a própria espessura do Galaxy S III desfazem qualquer má impressão no primeiro instante. Ainda acho o HTC One X mais bonito, mas o S III não decepciona nesse quesito (tô curioso pra ver a versão azul, que está atrasada – aqui só se encontra o modelo branco, e acredito que no Brasil a situação não mude muito).

Vale lembrar que eu estou, aqui em Taiwan, sendo bombardeado por mensagens subliminares da HTC, que comprou todos os espaços livres em prédios, táxis e shoppings pela cidade. Todo marketing da Samsung é visível apenas no metrô e em ações pontuais nas lojas de celulares. E, não, eu não comprei (embora esteja tentado a) nenhum dos dois superfones Android do momento.

Então, este é o Galaxy S III:

Tela de 4,8 polegadas HD Super AMOLED (1280 x 720) que roda Android 4.0 e mede 136.6 x 70.6 x 8.6 mm mm, pesando 133 gramas. O processador é quad-core e a câmera é de 8 megapixels, com intervalo rápido entre fotos (é rápido mesmo, mas faz falta um botão dedicado a isso). De resto, é seu smartphone com desenho de sabonete na média do mercado:

Ah sim, o S III segue os companheiros iPhone e Lumia e usa um micro SIM card (argh!)

O acabamento curvado da tela também é interessante, e essa lateral prateada deixa isso bem evidente.

No Brasil, o S III começa a ser vendido por um preço médio sugerido de R$ 2.099, mas ofertas melhores devem aparecer direto nas operadoras. Aqui em Taiwan, o S III (e o iPhone 4S e o HTC One X) custam em média 20.900 dólares taiwaneses (algo em torno de R$ 1.400).

[obrigado Aramis!]

 

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin