Gadgets que dobram e quebram

G

O destaque tecnológico da semana foi o primeiro contato com a humanidade (leia-se jornalistas de tecnologia) do mais que esperado Samsung Galaxy Fold, que começa a ser vendido no final da semana que vem (26) no mercado norte-americano.

Mas nem tudo são flores no mundo do primeiro smartphone dobrável do mundo, já que, passada a empolgação inicial, poucas unidades de teste apresentaram problemas.

(este é um novo formato de post que estou experimentando por aqui, com uma análise do que acontece no mercado de tecnologia).

Update 22/4: o lançamento global do Fold foi adiado

Estratégias

A Samsung – na verdade, sua equipe de comunicação na Coreia e nos Estados Unidos – tem uma lista preferencial de mídias que vão receber o produto antes para testar.

Isso é uma prática comum entre qualquer fabricante de eletrônicos (menos com aqueles que te mandam um smartphone quase um ano após seu anúncio/lançamento).

Jornalistas e influenciadores de tecnologia e de negócios receberam o produto antes (ou voaram até Nova York) no início desta semana e voltaram para suas redações/estúdios com uma unidade do Fold emprestada embaixo do braço.

Muitas vezes isso acontece com a assinatura de um termo de não divulgação até um dia específico (como os reviews de iPhone, que costumam sair sin-cro-ni-za-dos uma semana antes do aparelho chegar às lojas nos EUA).

No caso do Fold, não exisitiu esse prazo de embargo. Recebeu, pode publicar.

Com isso, a marca consegue gerar barulho prévio coordenado com outras ações de marketing, como os super influenciadores globais pagos. Planejamento e estratégia de marketing bem executados significam vendas de aparelhos (ou no mínimo a geração de muito interesse pelo produto/tecnologia, já que ele é MUITO mais caro que um smartphone médio).

Em tempo: o Galaxy Fold sairá no Brasil em algum momento (tem até site em português). Semana que vem, dia 24, o produto será anunciado no México e a Samsung fará um evento em São Paulo também – mas para falar dos smartphones novos-baratos-econômicos Galaxy M.

Mas vamos lá, numa recapitulação do que aconteceu:

15 de abril: A euforia dos influenciadores pagos

A Samsung tem um elenco de pessoas com milhões de seguidores em todo o mundo. Essas pessoas não trabalham de graça e, óbvio, estão na ação inicial de gerar buzz para o Galaxy Fold.

São eles o jogador Mario Götze, a atriz das coisas estranhas Millie Bobby Brown, o casal brasileiro Coisa de Nerd, o gamer Ninja, o confiável Unbox Therapy, a fashionista francesa Jeanne Damas, o DJ Steve Aoki e o pai dos YouTubers modernos Casey Neistat.

Tem o vídeo oficial (acima) com todo mundo junto e, em seus canais, os influenciadores fizeram seus elogios à marca e à inovação do Galaxy Fold (cá entre nós, a caixa especial que eles receberam é incrível).

Mas lembre: são influenciadores pagos e costumam – por razões de cumprimento à lei nos Estados Unidos – informar que foram pagos por aquilo (imagina quando abrir a caixa de pandora do YouTube brasileiro de tecnologia. O Ghedin já deu os primeiros passos ao falar dos YouTubers amigos da GearBest lá no Manual do Usuário).

15 e 16 de abril: a fase da euforia

Philip Berne foi o oráculo no Twitter:

“A estratégia do Galaxy Fold é feita para maximizar boas impressões. Se você tem um bom aparelho, coloque o embargo em uma semana ou mais. Se você está preocupado, não ter embargo leva as pessoas julgarem rápido, e um julgamento precoce é sempre empolgante“.

“A única parte da estratégia que deixaram de fora foi vazar o vinco forte duas semanas antes de tudo. Porque agora todo mundo já teria cansado de falar sobre isso, e até começaria a ver notícias do tipo “Por que o vinco é o melhor!!!

Na prática, as pessoas se empolgam pra falar logo do produto (clickbait! clickbait! Fui o primeiro lalalalala!) e deixam os pontos negativos de lado. O sr. Berne já trabalhou num passado não muito distante para a área de comunicações da Samsung (aparentemente, até o Galaxy S8).

Mas vale notar que a Samsung na Coreia se antecipou aos questionamentos da dobradiça e da resistência da tela ao abre-fecha algumas semanas atrás (nos seus laboratórios de tortura como o que vi ano passado em Seul):

Dito e feito, tanto entre a turma oficial da Samsung como jornalistas/YouTubers em geral: Unbox Therapy quase engasgou. MKBHD pareceu se importar pouco no primeiro vídeo, mas disse que o aparelho tem um vinco no segundo vídeo – mas não atrapalha, viu? Marques Brownlee ainda notou que a borda das câmeras internas é um tanto grossa (e usou o termo “camera lips” para definir a região que protege a câmera. Achei 5a série B, fundo da sala).

Mr. Mobile também elogiou bastante, assim como Casey Neistat e Jon Rettinger.

O Verge, em seu preview, ressalta que a tela dobrável é boa, desde que você não fique encarando o vinco. “Nossos” Coisa de Nerd fingem surpresa e descrevem sua parceria com a Samsung.

Dois vídeos importantes de gente importante, mas que o mundo da tecnologia não olha muito – porém o consumidor final endinheirado sim: o do Washington Post e o do Financial Times. O do Washington Post levou o aparelho para a rua, algo que a maioria dos “unboxers” não fez.

Andrew, do Android Central, nota que o vinco é forte e, quando aberto, o aparelho não fica alinhado por conta do pequeno da câmera. Enquanto isso, David, do Android Police, falou da estratégia de comunicação (e reclamou que não fez parte dela, assim como os coitados que fazem vídeo de “não compre isso não presta” só para ganhar visualizações).

Moral da história até o momento: empolgação geral (eu também fiquei entusiasmado em pensar que um Fold – ou um Mate X – pode, com adição de um teclado sem fios, substituir meu notebook na cobertura de eventos. Mas, veja bem, tem um vinco ali – que é um dos grandes motivos (ao meu ver) porque a Samsung manteve mistério sobre o Fold no anúncio de San Francisco e depois no MWC de Barcelona.

Pequenos detalhes que passaram batido na maioria dos vídeos: o Fold vem com Galaxy Buds como fones de ouvido oficiais e tem duas capinhas na caixa, uma para cada “lado” do dispositivo. E poucos (exceções feitas ao MKBHD e ao Washington Post) trocaram o fundo de tela oficial da borboleta nos seus vídeos de primeiras impressões. A borboleta, com o fundo preto, ajuda a esconder o vinco.

Alô YouTubers/Instagrammers/Deslumbrados em geral: OK demonstrar empolgação e surpresa ao fazer unboxing dos seus produtos, mas editem os vídeos mostrando o aparelho ligando pela primeira vez, tá? Todo mundo já “tirou da caixa” com sua conta do Google instalada, Instagram configurado etc. Nada original… ;0

17 de abril: o brinquedo quebrou

O dia começou com uma boa notícia para a Samsung: seu estoque de Galaxy Fold em pré-venda se esgotou.

O uso no mundo real de produtos, ainda mais de primeira geração, pode ser cruel e leva o fabricante a descobertas que seus engenheiros nunca devem ter pensado ou imaginado. A vida no laboratório de testes é uma. A vida real é outra.

O Verge foi o primeiro a dar encrenca. Usaram uma massinha para manter o Galaxy Fold em pé para uma sessão de fotos, a massinha entrou na dobradiça da tela, apareceu algo forçando a tela de dentro para fora e gerando um risco no meio do display dobrável.

Mas não foi só com o Verge. Foi com mais gente que não poderia acontecer num cenário de crise. Mas aconteceu.

Steve Kovach, da CNBC:

Mark Gurman, da Bloomberg (talvez o veículo mais catastrófico, já que fala diretamente com mercado financeiro e potenciais compradores de um Galaxy Fold):

Agora pela manhã Gurman percebeu que o problema se espalhou na sua unidade:

E o próprio Marques Bronwlee:

São dois problemas distintos aqui: no caso do Verge e da CNBC, entrou algo na tela ou a tela deu defeito sozinha. O pessoal da CNBC realmente se preocupou com a coisa:

No caso do MKBHD e de Gurman, eles arrancaram uma película que não pode ser removida.

Tanto que um executivo da T-Mobile mandou a instrução presente no aparelho:

No caso da película arrancada, eu entendo e compartilho o sentimento da Joanna Stern, do WSJ:

Para mim, é humanamente impossível não arrancar películas / plásticos que envolvem aparelhos eletrônicos (e um prazer enorme encontrar um escondido na lateral de um smartphone meses depois de começar a usar). Agora já sei que não devo arrancar o plastiquinho!

Moral da história: quatro unidades problemáticas em algumas dezenas que estão rodando por aí que já estão sendo retiradas e enviadas via jatinho para Seul neste momento.

Quatro unidades são suficientes para a turma do caça-clique/arautos do apocalipse cair matando em cima (e oportunistas que não perdem a chance de dizer “eu avisei, eu avisei” – tem até brasileiro fazendo isso, mas não vou linkar porque irrelevante como analista de mercado, apesar de números OK de audiência). Velho e bom FUD.

Diz a Samsung em um comunicado oficial enviado hoje de madrugada, tradução minha. O lançamento do Galaxy Fold dia 26 nos EUA está mantido.

“Um número muito limitado de amostras iniciais do Galaxy Fold foram enviadas à mídia para testes. Recebemos alguns relatos relativos ao display principal nessas amostras fornecidas. Vamos inspecionar vigorosamente essas unidades para determinar a causa do problema.

Além disso, alguns reviewers relataram ter removido a camada principal da tela, causando danos. A tela principal do Galaxy Fold vem com uma camada protetora superior, que é parte da estrutura do display e é projetada para proteger a tela de arranhões ocasionais. Remover essa camada protetora ou colar adesivos na tela principal pode causar danos. Vamos garantir que essa informação será entregue de forma clara aos nossos consumidores”.

Se algo mais acontecer de relevante nessa aventura do Galaxy Fold, atualizarei esse post.

Update 18/4, 17h50: MKBHD fez um novo vídeo explicando quase tudo que comentamos aqui sobre as falhas na tela e já está com o aparelho trocado.

E um obrigado enorme ao @samirsalimjr na curadoria de links e vídeos.

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos