ZTOP+ZUMO

Gadgets do Dia: Novo Gol e Novo Voyage 2017

Volkswagen quer reconquistar consumidores com recursos de conectividade

A Volkswagen apresentou na última segunda-feira, 22 de fevereiro, a linha 2017 de Gol e Voyage. Na luta para reconquistar consumidores, os modelos passam a contar com as opções de motor 1.0 de 3 cilindros da família EA211 (que atualmente equipam Up! e Fox) e de sistema de conectividade App-Connect, compatível com as plataformas MirrorLink, Apple CarPlay e Google Android Auto. A chegada dos modelos às lojas está prevista para até meados de março.

A tabela de preços do Novo Gol 2017 começa em R$ 34.890 (versão Trendline com motor 1.0 Total Flex e câmbio manual) e vai até R$ 55.290 (versão Highline com motor 1.6 Total Flex e câmbio automatizado I-Motion). Já os preços do Novo Voyage 2017 começam em R$ 40.990 (versão Trendline com motor 1.0 e câmbio manual) e chegam a R$ 58.590 (versão Highline com motor 1.6 e câmbio automatizado I-Motion).

Além da reestilização e dos recursos dos modelos, a Volkswagen apresentou seu novo posicionamento corporativo. A empresa dá adeus ao slogan “Das auto” (O carro) e passa a usar apenas Volkswagen.

Marilu comenta: Embora ninguém da companhia afirme isso, nota-se que esse novo posicionamento é um dos passos adotados pela Volkswagen para tentar reaproximar a marca dos consumidores e lidar com a recente crise de imagem, provocada pelo escândalo das emissões.

Gol: Números enormes e novidades

Desenvolvido para o mercado brasileiro, o Gol já foi o carro mais vendido do Brasil e sustentou essa posição por 27 anos consecutivos (entre 1987 e 2014). De acordo com a Volkswagen, já foram vendidas mais de 6,7 milhões de unidades desde o lançamento do modelo.

Em 2015, o Gol perdeu a liderança para o Ônix, hatch da Chevrolet, e terminou o ano em sexto lugar no ranking dos mais emplacados da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores).

Para voltar a atrair olhares e compradores, a versão 2017 do Gol traz novidades tanto por fora quanto por dentro e sob o capô. Na versão 1.0, o motor de 4 cilindros foi substituído pelo 1.0 de 3 cilindros da família EA211, que, segundo a Volkswagen, é mais potente e econômico, gerando 82 cv de potência com etanol — o motor anterior chegava a 76 cv.

Na frente, há uma nova grade e o desenho dos faróis passa a seguir a assinatura Volkswagen, com linhas sextavadas e ar mais agressivo. “O design da dianteira do Golf GTI inspirou as frentes do Gol e do Voyage”, explica Alberto Veiga, diretor de design e package da fabricante.

Novo-Gol-(1)_dianteira

Na traseira, mudanças no vidro (que agora está mais reto) e nas lanternas, que ficaram maiores e ganharam desenho em relevo. O novo para-choque passa a sensação de o carro ter ficado mais largo e baixo. De acordo com Veiga, a ideia é dar um toque de esportividade ao hatch.

Novo-Gol-(1)_traseira

No interior, quem chama a atenção é o novo painel. As saídas de ar estão mais afiladas e as linhas do conjunto, mais harmoniosas. Apesar da presença de muito plástico, o desenho lembra o de modelos de categoria superior.

O volante multifuncional é inspirado no que equipa o Golf e está disponível como opcional, de acordo com a versão escolhida pelo cliente.

Novo-Gol-(1)_interior

O Gol 2017 conta ainda com uma série especial batizada como Connect, que traz a cor exclusiva “Azul Lagoon”. Por dentro, a série oferece painel com apliques em azulados, tecidos dos bancos com detalhes da mesma cor, suporte para celular e sistema multimídia.

Gol_Connect_Painel

Voyage: Números e novidades

Lançado em 1981, o Voyage já vendeu mais de 1 milhão de unidades e teve mais de 300 mil unidades exportadas para 58 países. Em 2015, o sedã ficou na 18ª posição no ranking dos mais emplacados da Fenabrave.

Na parte dianteira, o Voyage 2017 também recebeu as mesmas novidades de design que o Gol.

Voyage_Highline_34_Frente_F

A traseira, por sua vez, continua com o mesmo desenho apresentado em 2012.

Voyage_Highline_34_Traseira

De acordo com a fabricante, tanto o Gol quanto o Voyage trazem direção hidráulica, vidros dianteiros com acionamento elétrico, travamento central e abertura interna da tampa do porta-malas em todas as versões — desde as de entrada até as topo de linha.

Opções de sistema multimídia

Gol e Voyage contam com quatro opções de sistema de som, são elas: Media, Media Plus, Composition Touch e Discover Media.

A opção Media, mais simples de todas, (vide foto abaixo) oferece leitor de cartão SD, rádio e compatibilidade com celular, entre outros recursos.

01_Interior_140G

Na opção Media Plus (foto abaixo), o motorista terá à disposição os seguintes recursos: Bluetooth com função streaming de áudio, entradas USB/ AUX-IN e para cartões SD e leitor de CD. Este sistema de som é item de série a partir da versão Comfortline dos veículos.

02_Interior_Media_Plus

A opção Composition Touch (foto abaixo) está disponível para as versões Comfortline e Highline, tanto do Gol quanto do Voyage. Ela oferece tela sensível ao toque de 5 polegadas e permite o espelhamento da tela do smartphone. Entre os recursos disponíveis há leitor de mensagens (SMS) e compatibilidade com o sistema MirrorLink.

03_Interior_Composition_Tou

No topo da lista, a opção Discover Media (foto abaixo) oferece tela sensível ao toque de 6,33 polegadas, sistema integrado de navegação (com atualização de mapas gratuita, segundo a Volkswagen), conectividade via tecnologia Volkswagen App-Connect. O usuário pode parear até dois smartphones via Bluetooth simultaneamente e operá-los, tanto nas funções de telefone quanto nas de áudio (streaming).

04_Interior_Discover_Media

O Discover Media “lê” mensagens de texto (SMS). O motorista também pode responder, ditando a mensagem, que será transformada em texto e enviada via SMS.

Cores

Gol e Voyage linha 2017 estão disponíveis nas cores sólidas: Preto Ninja, Branco Cristal e Vermelho Flash. As cores metálicas para os modelos são: Prata Tungstênio, Prata Sírius, Azul Lagoon, Azul Night e Cinza Platinum.

Cores

Preços e versões — Gol

Gol Trendline, motor 1.0, câmbio manual: a partir de R$ 34.890
Gol Trendline, motor 1.6, câmbio manual: a partir de R$ 40.190

Gol Comfortline, motor 1.0, câmbio manual: a partir de R$ 42.690
Gol Comfortline, motor 1.6, câmbio manual: a partir de R$ 47.490
Gol Comfortline, motor 1.6, câmbio I-Motion: a partir de R$ 50.790

Gol Highline, motor 1.6, câmbio manual: a partir de R$ 51.990
Gol Highline, motor 1.6, câmbio manual: a partir de R$ 55.290

Gol Connect, motor 1.0, câmbio manual: a partir de R$ 45.190
Gol Connect, motor 1.6, câmbio manual: a partir de R$ 49.990
Gol Connect, motor 1.6, câmbio I-Motion: a partir de R$ 53.290

Preços e versões — Voyage

Voyage Trendline, motor 1.0, câmbio manual: a partir de R$ 40.990
Voyage Trendline, motor 1.6, câmbio manual: a partir de R$ 44.590

Voyage Comfortline, motor 1.0, câmbio manual: a partir de R$ 46.490
Voyage Comfortline, motor 1.6, câmbio manual: a partir de R$ 49.790
Voyage Comfortline, motor 1.6, câmbio I-Motion: a partir de R$ 53.090

Voyage Highline, motor 1.6, câmbio manual: a partir de R$ 55.290
Voyage Highline, motor 1.6, câmbio manual: a partir de R$ 58.590

Fichas técnicas completas e onde encontrar: www.vw.com.br

Marilu Araujo escreve sobre TI desde 1997. Atuou em publicações especializadas, como PC Magazine Brasil e ZDNet Brasil. Escreveu para Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo. Trabalhou do outro lado da mesa, em agência de comunicação. Neste Ztop+Zumo, vai falar também sobre tecnologia embarcada em carros e em outros veículos. No Twitter: @mariluaraujo

  • Fabiano G. Souza (Nerdmor.com) 26/02/2016, 18:28

    Post patrocinado? Se é, deixem claro pessoal. Mantenham a credibilidade do ZTOP!

    • Mario Nagano 26/02/2016, 19:38

      Post patrocinado? Naaah, acho que não neste caso.
      Mas cá entre nós, não sei como um convite da WV para a Marilu ir ver o carro novo e até dar uma voltinha dele para escrever uma nota (de graça) no Ztop vai abalar a nossa credibilidade. :-p
      Vai entender…

      • Fabiano G. Souza (Nerdmor.com) 27/02/2016, 08:37

        Peraí Nagano. Quem deu voltinha tira fotos de verdade e não usa fotos publicitárias. Qualquer dessas fotos se acha em outros sites, basta googlear.

        Não tem qualquer informações sobre dirigibilidade (nem mesmo de um test drive básico), uso dos equipamentos de infotainment (nem que seja um teste rápido), foco dessa geração, pelo visto e outros itens. Basicamente reproduções de informações de press release da VW. Sempre espero mais que isso do ZTOP e por isso que venho aqui. Um dos poucos sites nacionais que tem conteúdo realmente original.

        Mas só queria a posição oficial de vocês. Se dizem que não é publieditorial, OK.

        • Mario Nagano 27/02/2016, 09:24

          Bom, vamos tirar essa dúvida djá!

          Ei Marilú… Vc foi mesmo na coletiva???

          • Marilu Araujo 27/02/2016, 10:06

            Oi, Mario… Fui à coletiva sim. Vi o carro, experimentei, sim. Conversei com os porta-vozes. Fiz a lição de casa, como manda a regra deste Ztop.

            O que acontece nesse caso aqui é o seguinte, vamos pela ordem:

            — Fotos: Fiz muitas fotos e até um vídeo da coletiva de imprensa. Por conta da iluminação do local, que mais parecia uma balada, elas não ficaram boas o suficiente para o nosso padrão de qualidade. Para satisfazer a curiosidade dos leitores, julguei ser melhor colocar fotos grandes e com detalhes das principais mudanças. Basta clicar nas imagens para poder vê-las em tamanho maior. Sim, usei as fotos do press kit, mas isso faz parte da prática jornalística. Um detalhe: Umas das perguntas que todo mundo faz, mas não encontra detalhes por aí, é sobre os preços. Procurei apurar todos e listá-los aqui, para atender melhor aos nossos leitores.

            — Sobre o teste de dirigibilidade e de infotainment: Aqui nesta casa, temos uma forma diferente de testar veículos. Trazemos o carro à nossa garagem e exploramos todos os detalhes. Um bom exemplo disso é este teste aqui: http://www.ztop.com.br/hands-audi-s7-sportback/ . A conduta desta escriba, em particular, é a seguinte: Em vez de informações preliminares e superficiais, prefiro investir um pouco mais de tempo e trazer tantos detalhes quanto possível. O infotainment é interessante e merece mais do que um “teste rápido”, feito às pressas em um evento de lançamento. Esse teste será tema do Review que faremos com o carro em breve.

            Agradeço a preocupação para com a credibilidade deste Ztop, o interesse particular por este texto e os comentários de todos aqui. Fiquem tranquilos. Nós não nos esquecemos de nossa missão. 🙂

          • Fabiano G. Souza (Nerdmor.com) 27/02/2016, 12:23

            Obrigado pelo retorno, Marilu. No fim ficou um bom complemento ao post. 😀

          • dflopes 27/02/2016, 20:01

            Kkkkkk

  • dflopes 26/02/2016, 23:33

    Pesquisei o valor da central multimidia “Dicovery Media” (com GPS e android-apple car) e me assustei com o preço: R$3.800,00 na concessionária.
    Pelo menos a mão de obra é gratis.

    Mas foi um movimento interessante da VW ao colocar o EA211 3cil no gol e Voyage.
    Vão usar um motor avançado tecnologicamente em uma plataforma que o brasileiro já está acostumado – só espero que tb venha a versão turbo (igual ao Up TSI).

    • Marilu Araujo 27/02/2016, 01:31

      Olá, dflopes. Os carros têm cores metálicas. Cometi um erro de digitação. O texto já está devidamente corrigido. 😉

  • Alpha Delta Victor 28/02/2016, 03:33

    Parabéns! A editora abandonou o termo “montadora” – que embora seja largamente empregado – é deveras equivocado pelo correto: fabricante!

    O ztop, definitivamente, é um site diferenciado!

    • Adriano De Lima 29/02/2016, 10:29

      É curioso a redução de um cilindro e mesmo assim melhorar a potência do motor.

      Sempre pensei que havendo mais cilindros, isso traria mais potência ao motor.

      • Mario Nagano 29/02/2016, 10:54

        Não manjo muito de motores, mas o bom senso me diz que, com um cilindro a menos o sistema mecânico como um todo fica menor e mais eficiente, com menos peças, menor peso geral, menos superfícies de atrito e pode até consumir menos combustível.

        Fora isso, se levarmos em consideração que, mesmo com um cilindro a menos, o motor tem que ter a mesma potência de um modelo de quatro cililndro (~1.000 cc) o novo modelo de três tem que ser mais potente.

        Qual a opinião dos especistas?

        • Adriano De Lima 29/02/2016, 11:06

          Também não entendo do assunto, entretanto para fazer o mesmo rendimento com quatro cilindros seriam necessários que cada cilindro “trabalhe” em um quarto do tempo do giro do virabrequim, já com apenas três o trabalho responde por um terço do tempo do giro do virabrequim.
          De fato com um cilindro a menos o peso do motor diminui, mas ele precisa trabalhar mais (para compensar) mesmo assim foi informado haver redução do consumo do combustível, isso pra mim demonstra um trabalho formidável de engenharia!

          • Mario Nagano 29/02/2016, 11:32

            Esse papo de motor de 3 cilindros me fez lembrar do CBT Javali, um jipe 4×4 da CBT cujo motor também era um modelo de 3 cilindros à diesel com turbo desenvolvido à partir de uma versão usada nos tratores da empresa.

            http://www.4x4digital.com.br/javali-o-jipe-que-nasceu-de-um-trator/

            O pessoal do depto florestal da Votorantim em Itapeva tinha um desses e posso jurar que ele era possuído pelo demônio.

          • Ubiratã Muniz Silva 02/03/2016, 18:13

            mas 3 cilindros diesel é literalmente de cairem as obturações dos dentes kkkkkk deve vibrar mais que uma harley.

          • Mario Nagano 02/03/2016, 19:46

            Se todos os CBT Javali se comportarem como o “mata-gente”de Itapeva, periga você perder a vida antes das obturações. Eita carro marvado…

        • JotaEle 02/03/2016, 17:34

          O maior desafio nos motores de 3 cilindros é eliminar a vibração, os motores de 4 cilindros são mais suaves e isso foi constatado por quem já dirigiu o novo Gol e comparou com o anterior. Mas há as vantagens que você mesmo citou. Boa parte do ganho de desempenho do novo motor de 3 cilindros se deve aos novos recursos que foram empregados, tais como comando variável de válvulas, coletor de escape integrado, mais válvulas por cilindro, etc.

        • Ubiratã Muniz Silva 02/03/2016, 18:12

          posso dar meu pitaco (não de especialista mas um pouco de impressões)

          tenho dois Nissan March em casa. um de 4 cilindros (tá, é 1.6) e um 3 cilindros 1.0.

          O grande “tchan” do motores três cilindros em relação aos de quatro é o fato de ser mais compacto e leve, além de ter menos peças.

          O problema principal dos motores 3 cilindros quando comparado aos 4 cilindros (principalmente em automóveis) é a vibração. Problema esse facilmente resolvido pelos engenheiros.

          Ainda que meu March 4 cilindros seja 1.6, já dirigi um 4 cilindros 1.0 também. Comparativamente, o 1.0 de 3 cilindros (lembrando que os dois têm 4 válvulas por cilindro) tem um torque melhor em baixos giros. Já o 4 cilindros “gosta” de uma tocada mais agressiva, com giro mais alto. O 4 cilindros vibra menos, mas a vibração extra do 3 em linha não chega a ser incômodo.

          Vale citar que os motores três cilindros também passaram a ser tendência no mercado de motocicletas, que tem suas peculiaridades em relação ao mercado de automóveis. (não vou comentar sobre as monocilíndricas por motivos óbvios) Motos de 2 cilindros em linha costumam ter maior torque em baixos giros e menor potência em alta, com maior índice de vibração, ao passo que os motores de quatro cilindros costumam ter mais potência em altos giros e menor torque em baixa (exigindo maior quantidade de reduções de marcha)… mas rodam liso e sem vibrações.

          A inglesa Triumph começou a utilização em larga escala de motores de três cilindros em linha, que estão “no meio do caminho”, rodando tão liso quanto as quatro cilindros, com um torque quase tão bom quanto as de dois, e permitindo uma condução tão esportiva quanto as de quatro cilindros. Hoje a Yamaha também está adotando essa configuração em maior escala.

      • Vinicius Vasques 29/02/2016, 16:22

        O lance é o downsizing. A redução do número de cilindros vem aliada à melhoria do aproveitamento energético. Aliado com algumas tecnologias (injeção variável ou direta de combustível – bloco de motor em alumínio, que entra em temperatura de operação mais rápido, taxa de compressão dos pistões etc e tal) você tem uma queima mais eficiente do combustível com o ar.

        A grosso modo é o que acontece nos processadores, onde ele consegue ser mais eficiente ocupando menos espaço, com menor aquecimento e desperdiçando menos energia.

        • Adriano De Lima 29/02/2016, 16:25

          Queria que os veículos elétricos fossem uma viável realidade.
          Tenho uma certa admiração pelo motor a combustão, dada a complexidade dele, mas considero os motores elétricos algo muito superior.

  • Ubiratã Muniz Silva 02/03/2016, 18:04

    Faltou só um Gol GTi, que poderia vir com o motor 1.4 TSI do Golf e seria muito bem-vindo ao mercado nesse momento em que os fabricantes voltam a fabricar hot hatches no Brasil. Vide a Renault com seu Sandero RS que tá até vendendo bem para um carro pequeno de sua faixa de preço.