ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Gadget do dia: Medis 24-7 Power Pack

fual_cell_1.JPGPós-IDF 2007 San Francisco: Todo ano ao perambular pelo showcase do IDF, sempre encontro alguma empresa, inventor ou empreendedor trabalhando em alguma célula de combustí­vel para uso em TI.

Anos atrás, tais empreendimentos mais pareciam trabalhos de escola para feira de ciências, mas parece que, neste ano, vi alguma coisa mais com cara de produto de loja, inclusive com uma embalagem chamativa e etiqueta de preço – US$ 25.

Trata-se do Medis 24-7 Power Pack, uma engenhoca mais ou menos do tamanho de um bloco transformador de tomada (9,7 x 6,8 x 3,7 cm – LxAxP), que fornece uma corrente de aproximadamente 3,6~4,5 Volts/220 mA (máx.) ininterruptamente por aproximadamente 24 horas.

Isso o coloca na categoria dos recarregadores de emergência, mais voltados para fornecer energia e/ou recarregar a bateria de pequenos dispositivos móveis como celulares, iPods ou videogames portáteis.

fual_cell_4.JPGPara colocá-lo em funcionamento, basta remover o lacre de segurança (em vermelho), espremer o módulo para abrir seu reservatório interno de combustí­vel – que inicia a reação quí­mica que gera energia – e ligar a célula ao dispositivo a ser recarregado por meio de cabos e adaptadores especí­ficos que, automaticamente, seleciona a voltagem desejada.

O dispositivo é do tipo DMFC e utiliza metanol como combustí­vel.

Notei que, uma vez iniciado o ciclo de geração de energia, ele não pode ser interrompido até que todo o combustí­vel seja consumido. Depois disso, o módulo inteiro pode ser descartado ou enviado para reciclagem. Isso resolve, em parte, o dilema da recarga do dispositivo (mas não do preço!).

Segundo conversas que tive com o CEO da empresa, o Medis 24-7 é o primeiro de uma série de produtos que devem evoluir em termos de potência e autonomia, com a previsão de que versões recarregáveis – capazes de alimentar até um notebook – cheguem ao mercado entre 2009 e 2010.

Quando questionado se US$ 25 era um preço meio salgado para um recarregador descartável, ele explicou que entre as vantagens de seu produto está, por exemplo, a certeza de que a fonte de energia irá funcionar a qualquer momento, ao contrário das baterias que podem se descarregar naturalmente com o passar do tempo. Além disso, no final do uso, o que resta de seu produto é um módulo de plástico vazio que pode ser até reciclado, ao contrário das baterias cheias de resí­duos quí­micos.

Depois de algum tempo de papo, ele tirou do bolso um saquinho com uma substância sólida – ainda em desenvolvimento – que pode substituir o metanol (lí­quido) nas suas células. Com isso, ele pode resolver algumas questões de segurança relacionadas ao uso de células de combustí­vel em aviões e aeroportos.

Mais informações aqui.

Mais imagens:

fual_cell_2.JPG

fuel_cell_5.JPG

fuel_cell_6.JPG

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.