ZTOP+ZUMO

Gadget do dia: Centipede Robot da Tamiya

Novo brinquedo educacional da Tamiya é um curioso exemplo de como um dispositivo totalmente mecânico pode se comportar como se fosse vivo e inteligente.

Mais conhecida por aqui pelos seus kits de plastimodelismo e ferramentas para hobby a Tamiya também possui uma fascinante divisão de “Artes e Ofícios” voltada para o mercado de educação, makers e até STEM conhecida como Arts/Robocraft:

Entre os lançamentos mais recentes da linha Fun Working Series um item que nos chamou muito a atenção foi o kit educativo número 230, batizado de Centipede Robot 70230 (ムカデロボット工作セット 70230) cujo preço sugerido é de 3.456 ienes (ou R$ 118):

Medindo aproximadamente 9,2 x 4,0 x 40 cm (LxAxP) trata-se de uma representação mecânica de um tipo de lacraia japonesa conhecida como Mukade que — além de ser grande e asqueroso — é bem duro de matar. Isto é, se ele tão tentar te pegar primeiro já que sua mordida além de doída é venenosa.

De fato essa criaturinha é tão odiada/temida pelo povo japonês que o folclore local associa a imagem do mukade com a própria personificação do mal:

Mas fato é que a criaturinha da Tamiya é azul, transparente e faz um irritante barulhinho de motor elétrico, o que acaba com o seu potencial de espalhar o terror pela vizinhança, apesar de que o seu movimento é bastante realista:

De fato, o que mais chama a atenção desse produto é a simplicidade do seu design e funcionamento, já que ele possui apenas um motor central movido a pilha que transmite seu movimento para as outras seis seções idênticas (mais a cabeça) por meio de uma espécie de eixo de transmissão central com juntas flexíveis nas pontas que…

… por sua vez, transferem esse movimento para as perninhas de cada seção por meio de um simples conjunto de corôa e pinhão:

Segundo a Tamiya uma grande sacada desse brinquedo é a presença de uma espécie de barra de direção localizada na sua cabeça, que influencia o seu movimento:


Deste modo, o robô continua a ir em frente ajustando o seu movimento e direção de acordo com o ambiente ao seu redor:

Porém, a grande curiosidade desse produto é que ele foi inspirado no i-Centipod um projeto de pesquisa desenvolvido por uma equipe liderada pelo professor Koichi Osuka da Escola de Graduação em Engenharia da Universidade de Osaka, que quer demonstrar como robô mecanicamente simples e até “burro” é capaz de se movimentar pelo ambiente sem a ajuda de sensores complexos e/ou sistemas inteligentes/computadorizados:

A idéia por trás disso é de comprovar sua hipótese de que a vida reagira mais ao ambiente ao seu redor do que a inteligência propriamente dita — algo que o Osuga chama de “controle sem controle” — um conceito que poderia evoluir e levar ao desenvolvimento de sistemas robóticos simples e de baixíssimo custo.

De fato, outros pesquisadores já trabalham em soluções baseadas nessas mesmas idéias, sendo que uma delas dispensa até o uso de energia.

Este é o caso do robô bípede criado por Akito Sano do instituto de tecnologia de Nagoya que se movimenta só com o seu próprio peso, precisando apenas de “um empurrãozinho” para começar a se mover:

Neste caso, uma das aplicações desse mecanismo seria a criação de uma “máquina de andar” que poderia ajudar uma pessoa com dificuldade de locomoção…

… ou até mesmo carregar caixas e outros objetos:

 Legal né?

Ainda em tempo:

Se você acha que esse negócio de brinquedo que se arrasta penosamente num terreno acidentado com 18 patéticas perninhas de plástico um tédio, a Tamiya sugere uma divertida modificação para a sua centopéia robô, substituindo as tais patéticas perninhas de plástico por 18 rodinhas esportivas com raios em Y com pneu de perfil baixo (eita!)

Essa modificação em si é bastante simples e viável já que ela utiliza peças avulsas da sua linha de carrinhos (insanamente customizáveis) Mini 4WD que podem ser adquiridas à parte e cujo resultado final é uma super centopéia motorizada para todo terreno com tração nas 18 rodas!

Isso sim é evolução das espécies:

Vrrum vruuuum!!

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.