ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Gadget do dia: HP Sprout

A HP hoje reinventou o formato desktop com o seu HP Sprout, um tudo-em-um sem teclado, mas com um touchpad gigante interativo (e bem interessante). Estão chamando isso de “computador imersivo”.

Poderia ser um PC convencional rodando Windows 8.1 com configurações avançadas de hardware: processador Intel Core i7 com Intel HD Graphics 4600 e NVIDIA GeForce GT 745A, tela de 23″ touch Full HD, 8 GB de RAM, 1 TB de armazenamento interno e por aí vai.sprout by HP_product image angle right

Mas tem um “pescoço” em cima da máquina, chamado HP Illuminator – um sistema de quatro câmeras (incluindo uma Intel RealSense 3D e uma de 14,6 megapixels), um projetor DLP e uma lâmpada LED – que projeta/interage/compactua/funciona com o trackpad gigante, que funciona como teclado/superfície – em vez de trackpad, o termo mais correto é… trackmat?

Em vídeo fica mais fácil explicar:

sprout by HP_product image angle left

(não se preocupe: vem um teclado com a máquina também)

O HP Sprout visto por trás:

hp sprout 2

E isso tudo aí permite transformar um PC simples em uma máquina de criatividade (imagina se fosse um produto da Apple…)

hp sprout 3

 

O que você faz com isso tudo? Manipula fotos, escaneia objetos, interage com realidade aumentada (argh) e cria um monte de coisas usando apps da própria HP – e eles dizem que é um formato de nova plataforma que será ampliado para outros formatos (notebooks, tablets etc) num futuro próximo.

Lista de apps compatíveis para o lançamento:

Screen Shot 2014-10-29 at 1.16.31 PM

Nas palavras da HP, é um computador para “fundir o mundo real com o virtual” e, pra mim, é o primeiro desktop com Windows que fico interessado pela primeira vez na década – não pelo que tem de hardware, mas pelo que o software embarcado nele pode fazer e suas infinitas possibilidades.

Quanto? Nos EUA, já em pré-venda na loja da HP pelo valor sugerido inicial de US$ 1.899 (para entrega em novembro, quando chega ao varejo convencional). É um produto de nicho, sem dúvida, mas que empolga por trazer um pouco de novidade nesse mundo x86 velho de guerra. E, claro, sem previsão de lançamento no mercado brasileiro

Além do Sprout, a HP anunciou também sua impressora 3D profissional chamada HP Multi Jet Fusion, que foi desenvolvida pelo time que cria impressoras na casa (lá em Boise, provavelmente):

Screen Shot 2014-10-29 at 1.37.48 PM

É um produto sem muitos dados técnicos – visto que a HP pretende colocá-la no mercado somente em 2016 – que tem como público-alvo empresas que precisam de uma impressora 3D e prestadores de serviços de impressão 3D (eu acredito que faz muito mais sentido desenvolver projetos 3D em casa – caso você tenha o conhecimento correto das ferramentas – e levar pra imprimir fora do que fazer em casa).

Mais informações (em inglês) no site do projeto.

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

  • Adriano De Lima

    Realmente impressionante! Só precisa provar que funciona prática tão bem quanto no vídeo.

  • Vagner “Ligeiro” Abreu

    Posso fazer uma piada besta? Lá vai.

    Se a HP vai mesmo trabalhar com impressão 3D, pelo histórico, imagine o preço dos insumos para a impressão, que provavelmente ficarão em um cartucho exclusivo HP que será proibido o recondicionamento?

    Piadas bestas à parte, o Sprout é bem interessante e bacana mesmo. Para artistas em geral, provavelmente parece uma ótima ferramenta. Já imagino uma aplicação prática: quem trabalha com desenho pode provavelmente fazer estes diretamente sob o sensor (o “trackmat”) com mais liberdade do que usando um “trackmat” de desenho (trackmat = tablet para captura de desenhos… ei!).

    • Mario Nagano

      Se vc achava q a estratégia da HP para insumo para jato de tinta era restritivo, acho q esse sistema da HP vai ser mais ainda, já que boa parte dessa nova tecnologia não está baseada só na impressora e sim no insumo de impressão — cuja fórmula deve estar protegida por uma patente e um exército de advogados.

      É a história de sempre: A HP não é nenhuma instituição de caridade e é claro que se eles esperam um (graande) retorno em cima desse investimento em P&D, manufatura, suporte e logística.

      • Vagner “Ligeiro” Abreu

        Não discordo dos argumentos. O ponto é justamente o quanto eles gastam com advogados e P&D, sendo que há tecnologias quase consolidadas para pessoas comuns e com patente aberta. A piada é besta, mas a história é sempre a mesma.

  • DougSampaNA

    Triste como a HP se tornou produto descartável, se der pau é lixo pois o preço do conserto é quase de um novo, passamos porisso 2 vezes em casa e só tem 1 assistencia tecnica pra toda cidade de SP(10 milhões de pessoas); então pra mim esta marca não serve mais.Foi boa, hoje fazem produto pra vender e ferre-se o cliente.