Gadget do dia: Óculos de Realidade Aumentada Moverio BT-300

G

[MWC 2016] Novo modelo da Epson é menor, mais leve e ainda mais potente que seu antecessor.

A Epson anunciou hoje (23/fev) a terceira geração do seu óculos de AR (Realidade Aumentada) Moverio BT-300 sendo que sua primeira apresentação pública acontece no Mobile World Congress 2016 (e é claro que o Henrique foi lá dar uma olhada na engenhoca.)

Lançado em 2011 com a intenção de ser uma tela de uso pessoal para usuários móveis (algo como um walkman de vídeo), o Moverio evoluiu para se tornar uma plataforma de realidade aumentada (AR) por excelência, a medida que o mercado descobriu novas aplicações para essa tecnologia, inspiradas em filmes como Exterminador do Futuro, Robocop e Homem de Ferro:

Moverio_BT300_demo

Vale a pena observar que, ao contrário de outros produtos aparentemente parecidos que também estão sendo mostrados neste MWC, o Moverio não é um Óculos de Realidade Virtual (Virtual Reality ou VR) e sim um Óculos de Realidade Aumentada (Aumented Reality ou AR) ou seja…

Moverio_quadrante

… o usuário não perde o contato visual com o mundo real (o que pode levar a situações embaraçosas como essa) já que as informações digitais são adicionadas ao campo de visão do usuário, enriquecendo assim sua capacidade de observar, perceber e contextualizar o ambiente ao seu redor:

E apesar do vídeo acima apresentar o Moverio como um produto com apelo jovem, transado e super bacana, sua aplicabilidade vai muito além do mercado de consumo, atendendo em especial os segmentos de B2B, B2B2C e ISV que desenvolvem aplicações sob medida para o mercado corporativo, academia, governo e até pessoas com necessidades especiais. De fato, a Epson até possui uma versão especial para aplicações mais profissionais.

Moverio_lente_funcionamento

Na sua essência, o Moverio não deixa de ser um mini-tablet com Android 5.1 cuja tela foi transformada num óculos equipado com sensores de direção (magnetômetro) e movimento (acelerômetro) permitindo assim sincronizar o conteúdo da tela com o movimento da cabeça. Note que o módulo de processamento não possui tela, mas mantém os botões de atalho e até uma interface (direcional) de toque. Curiosamente, o óculos ainda se conecta ao seu módulo de processamento via cabo (eita!)

 

Moverio_BT300_device

Se comparado com seu antecessor, o BT-300 é menor em tamanho (perfil mais baixo) e é 20% mais leve, graças ao uso de um novo micro-projetor com tecnologia Si OLED com resolução HD (1.280 × 720 pixels) o que é bem mais que os 960 x 540 pixels do painel LCD TFT do BT-200. Além disso sua relação de contraste subiu para 100.000: 1, o que melhora muito a qualidade da sua imagem:

Moverio_BT300_compared

Moverio_BT300_telinha

Seu módulo de processamento também foi atualizado, vindo agora equipado com um processador Intel Atom x5  quadcore de 1,44 GHz e manteve os sensor GPS e as interfaces de comunicação WiFi 802.11 a/b/g/n/ac (5 GHz) e bluetooth, sendo que a autonomia da sua bateria é estimada em 6 horas de uso contínuo. Ele também conta com slot para cartão SD Micro para expandir sua capacidade de armazenamento.

Moverio_BT300_remote

Já a resolução da sua câmera frontal também subiu para 5 MP o que permite agora, capturar imagens em alta resolução (contra os 640 x 480 pixels do BT-200). Um detalhe curioso é que, para atender a certos hábitos locais ou até mesmo legislações que protegem a privacidade das pessoas, a câmera do Moverio também vem equipada com um LED que avisa que ela está filmando.

Moverio_BT300_Led

Mais informações já podem ser encontrados no site da empresa nos EUA sendo que seu preço de pré-lançamento lá é de US$ 799. Para quem não sabe, o Moverio também está disponível no Brasil só que sua venda é direcionada para desenvolvedores e ISVs.

Moverio_BT300_vistas

Disclaimer: não existe disclaimer na cobertura do MWC 2016. Henrique pagou tudo do bolso dele e ainda deixou o Nagano tomando conta do site (brrr…)

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

<span class="dsq-postid" data-dsqidentifier="104878 http://www.ztop.com.br/?p=104878">comentários</span>

  • Bom saber que os avanços continuam vindo, mesmo sem um produto pra vender e pagar as contas do desenvolvimento. (além das impressoras né!?)

    • Na verdade essa telinha Si OLED que gera a imagem do Moverio também é usada por diversas empresas como a Olympus, Fuji e Sony(?) no visor das suas câmeras mirrorless, o que lhe rende uma boa grana pra Epson.

      • É muito bom saber que a Epson tem produto pra vender em segmentos que nem imaginava existir, valeu pelo comentário Mr. Nagano!

        • Viu só? Ztop também é curtura! 🙂

          By the way, o nome oficial da Epson é “Seiko Epson Corp.” — e sim! — essa Seiko é a mesma dos relógios de pulso, cujo conhecimento na área de micromecatrônica é de fato o “core business” dessa empresa.

          Se você parar para pensar, o princípio de funcionamento de uma impressora matricial/jato de tinta (puxe papel, mova a cabeça de impressão, imprima, pare, próxima linha, imprima, ejete papel, etc.) não deixa de ser a mesma de um robô, por sinal outra área em que a empresa atua, inclusive no Brasil:

          http://global.latin.epson.com/br/Produtos/robots

          De fato, já falamos de um robô da Epson capaz de substituir um ser humano no melhor estilo “chute o humano resmungão da bancada e coloque o robô super-bacanudo no lugar”

          http://www.ztop.com.br/novo-robo-da-epson-trabalha-com-ferramentas-comuns/

          Ah sim, em 2004 também lançou a R-D1 considerada a primeira “rangefinder digital” (e mirrorless) do mercado com visual retrô e compatível com lentes de foco manual padrão Leica M:

          https://en.wikipedia.org/wiki/Epson_R-D1

          • Será que pegaria muito mal visitar uma fábrica deles usando um relógio da Casio?

          • Naah… Sem problema, é tudo brimo!

            Apesar de que eu me lembro de ter levado algumas “frechadas de olhar” e até algumas caretas de um ou outro executivo da Canon quando visitei o QG e as fábricas da empresa lá no Japão, só porque eu era o único jornalista do grupo que estava com uma câmera da Olympus (à direita da caixa de bentô). O resto todo mundo com Canon.

            https://www.instagram.com/p/bO2UzGMbpU/?taken-by=mnagano_zumo

            De fato numa recepção em Tóquio, um dos executivos — depois de me cumprimentar — até elogiou minha compacta (“ooh this is a very nice camera!”) até ele olhar direito e notar que ela não era uma Canon S90 e sim uma Olympus XZ-1.

          • São aquelas situações muito: “IMPOSSIBRÚ SITUATION”!!!!
            A famosa torta de CLIMÃO! KKKK
            Por falar em torta, olha o tamanho do bentô do minino!

            O rapaz ainda está crescendo…..

          • Nessa cena estava testando a teoria de que o ThinkPad original foi inspirado numa caixa de bentô.

  • Noob Question: o que é ISV?
    Imaginei a possibilidade de passar instruções a uma pessoa à distância, mostrando qual fusível trocar no carro ou onde conectar os cabos na nova Tv – sem precisar ir à casa da pessoa.
    P.S.: a imagem é assustadora. Fica no meio termo entre Wall-e e Matrix.

    • Eu joguei no Google e veio! (mas fiz isso no começo da semana e nem lembro o que almocei ontem!) Espera um pouco….. AQUI!

      Independent Software Vendor
      Fornecedor Independente de Software.
      Um “indie” dos Apps! (se é isso mesmo…..)

    • ISV = Independent Software Vendor. Nome pomposo para desenvolvedor indepentente de software.

      Como disse no texto, como o usuário do BT-300 não perde o contato com o mundo real ele não me impressiona (ou assusta) tanto quanto ver Mark Zuckerberg passando sossegadamente no meio de um enxame de jornalistas cegados com seus óculos de VR.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos