ZTOP+ZUMO

Gadget do dia: Telescópio para smartphone Elecon EDG-TLS001

Feito de papelão, o EDG-TLS001 possui um modo zoom de 35x com capacidade de máxima de ampliação de 130x!

Do mesmo País que inventou o origami, o furoshiki e mais recentemente o Piperoid a empresa de produtos e acessórios eletrônicos Elecon colocou no mercado o EDG-TLS001,um curioso telescópio astronômico especialmente projetado para ser usado com smartphones com telas de até 6 polegadas.

Elecon_telescope_embalagem

O que mais chama a atenção desse produto é que ele é feito totalmente de papelão e vendido na forma de um kit formado por três lentes acromáticas de vidro óptico com tratamento antirreflexo, uma base para fixação para o tripé (não incluso) e nove placas de papelão pré-cortadas…

Elecon_telescope_componentes

… de onde o usuário destaca as peças, dobra e monta o instrumento sem o uso de  ferramentas! Mais detalhes aqui.

Elecon_telescope_montando

Feito isso, basta colocar o smartphone no seu suporte de modo que a lente da câmera fique alinhada com a ocular do telescópio o que permite, além de observar os objetos celestes pela tela do aparelho, também fotografá-los e até filmá-los. Sua capacidade de ampliação é de até 130 vezes mas esse fator pode ser maior ainda se o smartphone contar com recurso de zoom.

Elecon_telescope_smartphone

Segundo o fabricante, ele mede aproximadamente 42,0 × 14,5 × 18,0 cm, pesa 220 gramas e é indicado para pessoas acima de 15 anos.

O seu preço sugerido é de 15.250 ienes (~R$ 491) e já pode ser encontrado na lojinha da Elecon ou na Amazon.co.jp pela bagatela de 8.717 ienes (~R$ 280)

Elecon_telescope_overall

Mais detalhes aqui.

 

 

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Adriano De Lima 29/06/2016, 14:09

    R$280 (fora frete e impostos) ou bancar o Ursulão e arrumar (ou ampliar o gabarito que o site disponibiliza) e comprar as lentes por aqui mesmo…..

    • Mario Nagano 30/06/2016, 20:34

      Acho que esse treco só pagaria frete, já que, tecnicamente falando, ele não deixa de ser um material impresdo1

  • Paulo Araki 30/06/2016, 22:06

    Nos anos 50 e 60, havia uma publicação mensal para jovens, no estilo de manga, que acompanhava dobraduras de papelão que após montados, viravam helicópteros, projetores de cinema, máquinas fotográficas que funcionavam de verdade, etc. Isso me fez aprender japonês para entender o mecanismo e teoria de funcionamento desses equipamentos.

    • Mario Nagano 01/07/2016, 16:28
    • Paulo Araki 01/07/2016, 22:40

      Mario… não era tão sofisticado assim. Era feito de papelão e era encarte da revista. Não lembro direito como era. Era uma revista mensal para jovens… tinha para meninos e meninas. Era escrito basicamente em hirakana… qdo tinha kandi, tinha um tipo de legenda em hirakana em símbolos minúsculos na lateral. Em katakana era para termos estrangeiros. Em 64, essas revistas eram encontradas na Liberdade (SP).
      Pelo seu comentário, a essência não mudou… ensinando tecnologia de maneira lúdica. Na universidade estava tentando desenvolver um projeto de ensino baseado nisso, mas a repressão política deixava a gente em permanente tensão e no fim foi tudo esquecido.

      • Mario Nagano 02/07/2016, 14:26

        O bizarro é que o kit nacional mais famoso desse tipo lançado no Brasil — Os Cientistas — foi lançado nos ans 1970 pela Editora Abril em parceria com a FUNBEC:

        “Nos idos da década de 70, ou seja, em plena ditadura militar, a Editora Abril em conjunto com a extinta FUNBEC (Fundação Brasileira para o Desenvolvimento de Ensino de Ciências), lançaram a coleção “Os Cientistas”. Eram caixinhas de isopor tamanho A5, contendo vidros coloridos, lâminas da natureza, frascos mágicos (químicos), balança, molas, microscópio e muitas…muitas experiências no campo da física, química e biologia. Com certeza, hoje existem muitos cientistas ou professores que foram de alguma forma influenciados a exercerem suas profissões, intuito sine qua non do pesquisador Isaías Raw, que hoje trabalha no Instituto Butantã. O principal objetivo deste blog é o de participar de uma campanha que Isaias Raw iniciou, o retorno à coleção “Os Cientistas”.”

        https://oscientistas.wordpress.com/