ZTOP+ZUMO

Diretor de Perfect Blue e Paprika morre aos 46 anos

O cinema japonês (e por que não dizer o mundial) perdeu na semana passada um de seus maiores ilusionistas — Satoshi Kon — de câncer no pâncreas. E como muitos ídolos da cultura pop ele nos deixa no ápice de sua carreira com uma obra inacabada.

Nascido em 1963 Kon iniciou sua carreira em 1990 com o mangá Kaikizen na revista Young Magazine e foi lá que o artista conheceu e trabalhou com Katsuhiro Otomo. Quando este pulou para o mundo da animação, ele chamou Kon para dirigir a sequência Magnetic Rose do filme Memories (1995). Entretanto, ele estourou mesmo foi com Perfect Blue (2001) um psico-triller originalmente escrito para ser um filme mas e que virou desenho animado devido à restrições de orçamento. Nele Kon teve sua grande oportunidade de mostrar seu talento como contador de histórias e da sua maneira preferida: brincando com a realidade do dia a dia das maneiras mais inesperadas.

Isso ficou ainda mais evidente seus filmes posteriores como Millenium Actress (2003), Paranoia Agent (série de TV de 2004) , Tokyo Godfathers (2004) e finalmente Paprika (2006) sendo que apenas esses dois últimos chegaram oficialmente no Brasil na forma de DVDs. Existe ainda um curta de 1 min chamada Ohayo (bom dia) produzido para a NHK.

Para mim, Kon está no mesmo nível de outros grandes diretores japoneses como Akira Kurosawa, Hayao Miyazaki e Takeshi Kitano.

Sua jornada final teve início no último dia 18 de maio quando ele foi diagnosticado com câncer terminal no pâncreas — que se espalhou pelos seus ossos — o que não lhe daria mais do que meio ano de vida. Ciente de seu estado terminal, Kon decidiu voltar para casa no início de julho para organizar seus negócios, detalhes de seu funeral, além de preparar uma longa mensagem final para seus entes queridos e fãs e que foi postado por sua esposa em seu blog após a sua morte. Nela Kon fala sobre a descoberta de sua doença e de seu ressentimento de ter escondido a mesma de seus pais, parentes e amigos devido ao seu envolvimento com uma indústria onde o segredo é palavra de ordem. Nisso também inclui suas incertezas quanto ao destino de seu novo filme — The Dreaming Machine (Yume-Miru Kikai) — programado para 2011. Segue abaixo um trecho dessa mensagem:

(…)

Eu fui uma pessoa feliz. Mesmo que deva pedir desculpas à minha esposa, meus pais e todas as pessoas que eu amo, já que vivi a minha vida um pouco mais rápido que a maioria.

Meus pais seguiram os meus desejos egoístas e vieram no dia seguinte de Sapporo para minha casa. Nunca poderei esquecer as primeiras palavras da minha mãe quando me viu deitado:

“Eu sinto muito, por não te trazer para este mundo num corpo mais forte!”

Eu fiquei completamente sem fala.

Eu só pude passar um tempo com meus pais, mas isso foi suficiente. Eu sentia que, se eu visse seus rostos seria o suficiente e ela realmente saiu daquele jeito.

Obrigado, Pai, Mãe. Estou tão feliz que eu nasci neste mundo como o filho de vocês dois. Meu coração está cheio de lembranças e gratidão. A felicidade em si é importante, mas eu sou tão grato que você me ensinou a apreciar a felicidade. Obrigado, por isso muito.

É tão desrespeitoso a morrer antes dos pais queridos, mas nos últimos mais de 10 anos eu tenho sido capaz de fazer o que quero como um diretor de anime, alcançar meus objetivos e obter algumas boas críticas. Eu sinto que apesar de meus filmes não terem feito muito dinheiro, eu acho que eles tiveram o que mereceram. Nestes últimos 10 anos em especial, eu senti como se eu vivi mais intensamente do que as outras pessoas, e acho que meus pais compreenderam o que estava em meu coração.

Por causa das visitas por Maruyama-san e os meus pais, eu me sinto como se eu tivesse tido um grande fardo dos meus ombros.

Por último, a minha esposa, de quem eu me preocupo mais, mas que tem sido o meu apoio até o fim.

(…)

Assim, para todos que me acompanharam neste longo documento, muito obrigado. Com o coração cheio de gratidão por tudo de bom no mundo, eu agora deixo minha caneta.

Agora, desculpem-me, tenho que ir.

Satoshi Kon

Leia essa mensagem na íntegra traduzida por Maiko Itoh em seu blog, seguido de algumas notas da tradutora. Ela chama a atenção em especial ao seu modo de se despedir — no original em japonês “ja, osaki ni” ( じゃ、お先に)  —  que ao invés de ser um simples adeus, seria uma maneira educada de pedir desculpas por sair antes dos outros. Ela acredita que esse termo foi usado de propósito como uma maneira sutil do diretor dizer que está saindo (dessa vida) antes “dos outros” isto é, nós deste mundo.

Como foi seu desejo, Kon faleceu em sua casa no último dia 24 de agosto. Os rituais funerários serão atendidos apenas pelos parentes e amigos mais próximos. O estudio MAD House já mandou sinais de que pretende concluir seu último filme.

Nagano comenta: Foram 47 anos de vida, 10 anos de fama e apenas cinco filmes num intenso currículo. Acredito que o que mais sentirei falta desse cara é nunca saber até onde o seu gênio criativo poderia ir, mas isso de um certo modo o poupou dos ressentimentos causados pela decadência, decisões erradas e pelo ostracismo — caso do diretor e animador Don Bluth — e como outros ídolos que nos deixaram no topo de suas carreiras, ele sai da a vida para se tornar um mito.


Kon começou sua carreira em 1990 com o mangá Kaikizen na revista Young Magazine e foi lá que ele conheceu e trabalhou com Katsuhiro Otomo e quando este pulou para o mundo da animação, ele chamou Kon para estrear na direção na sequência Metalic Memories do filme Memories (1995). Mas enquanto Otomo ainda se arrasta para emplacar um sucesso tão grande quanto foi Akira (1998), Kon deixou seu mestre para trás contruindo sua fama no universo de anime fazendo sucesso de cara na direção do psico-thriller Perfect Blue (2001), seguido pelo impressionante Millenium Actress (2003), Tokyo Godfathers (2004) e finalmente Paprika (2006) sendo que apenas esses dois últimos chegaram oficialmente no Brasil na forma de DVDs Kon começou sua carreira em 1990 com o mangá Kaikizen na revista Young Magazine e foi lá que ele conheceu e trabalhou com Katsuhiro Otomo e quando este pulou para o mundo da animação, ele chamou Kon para estrear na direção na sequência Metalic Memories do filme Memories (1995). Mas enquanto Otomo ainda se arrasta para emplacar um sucesso tão grande quanto foi Akira (1998), Kon deixou seu mestre para trás contruindo sua fama no universo de anime fazendo sucesso de cara na direção do psico-thriller Perfect Blue (2001), seguido pelo impressionante Millenium Actress (2003), Tokyo Godfathers (2004) e finalmente Paprika (2006) sendo que apenas esses dois últimos chegaram oficialmente no Brasil na forma de DVDs..

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • marcelographics 02/09/2010, 15:26

    Eu só pude assistir Perfect Blue, mas o foi suficiente p/ endossar os elogios ao talento de Satoshi Kon e lamentar profundamente a perda de seu incrível talento como ilustrador e storyteller e do ser humano: filho, esposo, colega e sedento de realizações.

  • amazingJOE 07/09/2010, 19:01

    Realmente um uma grande perda para todos nós que admiramos o seu trabalho.

    Um adendo: o dvd de Memories também é distribuido oficialmente no Brasi.