ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

“Desembalando” um… Apple //c!

Há dois rituais mais que tradicionais entre os blogs e sites especializados em tecnologia. Um deles é a documentação do ato de “desembalar” um produto novo e desejado, uma espécie de “strip-tease geek high-tech”. Segundo um colega, isso permite ao usuário se sentir mais próximo de seu gadget de desejo, e fornece informações e detalhes sobre o produto que não estão disponí­veis nos press-releases e fotos oficiais. É batata: o primeiro site a desnudar um produto “quente”, como um MacBook Air, tem pico de visitação garantido.

Mas surgiu nessa semana no Flickr um set de fotos inusitado, que anda despertando bastante atenção já que o produto “exposto” não é um gadget novo, muito pelo contrário: foi lançado em 1984: é um Apple //c, tentativa da Apple de “miniaturizar” seu computador mais bem-sucedido na época, o Apple ][. Pense nele como um MacBook Air da época, um sonho de portabilidade na época em que os PCs XT “pra viagem”, como o Compaq Portable, pesavam mais de 12 Kg.

Apple //c no Flickr

O Apple //c em questão foi comprado no eBay (junto com um monitor e impressora), e nunca havia sido retirado da caixa. Manuais, panfletos, adesivos, erratas, listas de acessórios, cupons para promoções, tudo está lá, intacto. Observando as imagens, é interessante notar o quão pouco o estilo geral dos produtos da Apple mudou nestes anos: design “clean” com muito branco, embalagens bem organizadas e manuais com linguagem e imagens amigáveis. Se você já teve um Apple ][ (saudades do meu TK 3000 IIe), vale ver pela nostalgia. Se nunca teve, vale pela lição de história da informática.

E o segundo ritual? É o que eu chamo de “autópsia”, quando o gadget do momento é desmontado e suas “entranhas” são expostas ao mundo. A bola da vez é o MacBook Air, cuidadosamente esquartejado pelo povo da iFixIt. Até que trocar a bateria não é tão complicado, são “apenas” 19 parafusos para soltá-la, mas pelo menos sem grampos ou travas traiçoeiras que sempre quebram na hora de remontar. Bateu o recorde do meu Expert: são 14 parafusos só para abrir o teclado, e nem conto quantos para desmontar o maldito gabinete…

PS: Escrever “Apple ][” e “Apple //c” não é um erro de digitação. É uma tentativa comum de reproduzir em texto o estilo do numeral romano II usado nos logos das respectivas máquinas.

Nagano relembra: Eu me lembro que a Milmar chegou a lançar um “meio-clone” desse Apple compacto no Brasil – o Laser IIc que, ao contrário do original americano (baseado no Apple //e), nada mais era que um Apple ][+ espremido em um gabinete com cara de //c. A economia de espaço não era lá grande vantagem, já que tanto a fonte de alimentação, quanto as unidades de disquete e até o expansor de slots eram externos!

De fato, esse computador parece ter sido inspirado em outro clone: o Laser 128, este sim uma cópia tão legal que obrigou a Apple a lançar o //c Plus.

  • Pingback: Aqueles tradicionais rituais de strip-tease e autópsia no universo geek « asf@web()

  • Pingback: Mais daqueles tradicionais rituais do universo geek « asf@web()

  • Rigues, que descoberta!!! Como eu gostaria de poder comprar coisas como essas.
    Nagano, só pra você saber: eu (ainda) tenho um Apple Laser IIc!!! Foi meu primeiro computador… 🙂

  • Oi Robinson!

    Infelizmente esse Apple //c não é meu não. Gostaria, mas meu rack já tem computadores e videogames demais (dois Atari 2600 funcionando, um MSX Expert 3, um MSX Hotbit 1.2, um Megadrive japonês da primeira geração), mesmo pra um nerd. Mais que isso e vou ter que me livrar do Wii, DVD Player e outros habitantes.

  • RJP

    Fudeba, MSX é fundamental. O resto é irrelevante. 😀

    Já avisei à Cláudia: Jogar um MSX fora = divórcio.

  • Muito bom pra quem é fã de Mac