ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Democracy Player: a alternativa livre ao Joost

Democracy Player logoO mundo todo está falando do Joost, o novo programa de streaming de ví­deo dos criadores do Skype. Ainda em fase beta, por enquanto bastante instável, ele promete fazer pela TV o que o Skype fez pela telefonia. Mas uma alternativa Open Source vem ganhando bastante espaço nos últimos meses: É o Democracy Player, desenvolvido pela Participatory Culture Foundation, uma entidade sem fins lucrativos preocupada com o fato de que apenas um pequeno grupo de empresas controla os meios de comunicação em massa. Seus membros acreditam que uma plataforma Open Source de TV via Internet, baseada em padrões abertos, é a melhor forma de devolver o poder ao povo e solucionar o problema.

Rigues avisa: O Democracy Player mudou de nome, e agora se chama Miro. Você pode fazer o download em www.getmiro.com. O programa continua evoluindo e as versões mais recentes tem muitos recursos que não menciono neste review, mas todas as principais caracterí­sticas e pontos fortes que me fizeram gostar dele continuam valendo. Se você gosta de TV é um download altamente recomendado.


Ao contrário do Joost, que faz “streaming” de canais de ví­deo usando uma rede P2P formada pelos próprios usuários, o Democracy Player é como um agregador de notí­cias ou podcasts, só que para ví­deo, os chamados videocasts ou video podcasts. Você assina “canais” que periodicamente publicam novo conteúdo e o programa faz download e exibe isso para você. Enquanto o streaming exige uma velocidade mí­nima de conexão í  Internet para garantir ví­deo sem engasgos (um link de 1 Mbps é recomendado para o Joost), você pode usar o Democracy mesmo com uma conexão ADSL de 256 Kbps, desde que tenha paciência para esperar o download. Os ví­deos são armazenados em seu disco rí­gido, é fácil copiar os favoritos em um CD ou DVD e guardá-los para a posteridade.

O programa tem versões para Windows, Mac OS X e Linux. A versão Linux é distribuí­da na forma de pacotes binários pré-compilados para as distribuições Fedora Core 6, Debian (Etch e Sid) e Ubuntu 6.10 “Edgy Eft”, ou uma tarball com o código-fonte. Todas as versões são idênticas em termos de recursos.

A interface do Democracy Player lembra um pouco a iTunes Store, loja online de música e ví­deo da Apple. Na coluna í  esquerda fica uma lista de fontes, que inclui um guia de canais, ferramenta para procura de ví­deos (inclusive no YouTube, Google Video, Yahoo! Video e outros), sua coleção de clipes, uma lista dos novos ví­deos baixados recentemente bem como uma lista do que está sendo baixado. A seguir vem a lista dos canais que você assina (vários vem pré-configurados) e suas playlists. Na parte de baixo da janela há um player com controles básicos de reprodução: play, pause, anterior, próximo, tela cheia/janela e volume.

A interface do Democracy Player

Clicar em um canal mostra uma lista dos ví­deos disponí­veis, com uma imagem (thumbnail) de cada clipe, descrição, opções de compartilhamento (mandar um ví­deo para o Digg, por exemplo) e status: novo, não assistido, etc. Uma opção chamada Auto Download permite baixar automaticamente todos os ví­deos do canal ou só os novos. Para baixar um único clipe, basta clicar na seta para baixo na thumbnail.

Os ví­deos baixados vão automaticamente para as listas My Collection e New Videos, com o status de Unwatched (não assistido). Depois de assistí­-los, eles “expiram” em cinco dias e são automaticamente apagados. Isso não é uma forma de DRM ou proteção anti-cópia, é apenas um meio de gerenciar o uso do espaço em disco. Com dezenas de canais com dezenas de ví­deos, cada um ocupando em média 90 MB, fica fácil “lotar” o HD rapidinho. Se você realmente gostar de algum ví­deo baixado, basta clicar no botão Keep (Manter) ao lado de sua descrição para guardá-lo para sempre.

O guia de programação é bastante variado e você com certeza irá encontrar algo do seu agrado. Há notí­ciarios como o BBC 10 O’Clock News e NBC Nightly News, documentários sobre a natureza no excelente canal TERRA, reviews dos jogos mais recentes no The 1UP Show, os videoclipes da Telemusicvision, desenhos animados no Channel Frederator e Classic Cartoons, comédia com Ask a Ninja e Comedy Central e muito mais. Alguns canais “transmitem” em alta resolução (HD). Em menos de 5 minutos explorando o guia de programação eu já havia “encomendado” quase 30 clipes. Se você não gostar de nada, pode usar o Democracy Player como um cliente BitTorrent para baixar, e assistir, os novos episódios daquele seu seriado favorito.

Para não saturar seu link de internet (ou disco rí­gido), o programa permite limitar o número de downloads simultâneos e impedir o download de novos clipes, caso a quantidade de espaço livre em disco fique abaixo de um certo limite. Também é possí­vel impedir o download caso haja um número pré-determinado de clipes ainda não assistidos. Infelizmente falta uma opção para limitar a velocidade: um único download pode consumir toda sua banda, especialmente em links de 256K ou 512K, sem deixar sequer um restinho para a navegação.

É possí­vel organizar os ví­deos baixados em playlists, mas elas são incrivelmente limitadas. Não há nenhuma opção de playlist inteligente, como: “Todos os clipes do canal TERRA ainda não assistidos”. Elas são apenas listas de arquivos a serem exibidos em sequência.

Também faz falta uma opção para queimar um conjunto de ví­deos em CD ou DVD. O programa pode indicar onde está, no disco rí­gido, o arquivo correspondente a determinado ví­deo, e a partir daí­ seria apenas uma questão de copiá-lo para o CD, mas nomes estranhos como Terraadmin-TERRA105SIGNSOFLIFETheSearchForLifeOnMarsPARTTWO952.m4v e o fato de ter de fazer isso para cada ví­deo fazem qualquer um desistir da idéia. E seria legal uma opção para transcodificar os clipes para formatos compatí­veis com iPods, consoles (como o PSP) ou DVD Players capazes de reproduzir arquivos DiVX.

Depois das operadoras de telefonia, os próximos conglomerados a morrer de medo da internet serão as operadoras de TV a cabo. Com programas com o Democracy Player eu seleciono, no conforto de meu sofá, os programas que mais me agradam e monto uma grade de programação que mostra o que quero, na ordem e hora em que quero, sem intervalos comerciais. Se não há nada que me agrade, basta uma câmera na mão, uma idéia na cabeça e uma conexão í  internet para distribuir meus próprios programas para o mundo todo, usando ferramentas como a Broadcast Machine (dos mesmos autores do Democracy Player).

Para quem tem uma conexão de banda larga í  Internet e sempre reclama que “não há nada legal na TV”, o Democracy Player é imperdí­vel.

Miro (ex Democracy Player)
Participatory Culture Foundation, www.getmiro.com
Gratuito
Nota: 4 de 5