ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Conheça melhor o eee PC

Visão geral do eee PCPós-IDF 2007 San Francisco: Conforme promessa de campanha, esse post é o primeiro de uma série de matérias mais detalhadas sobre o IDF Fall 2007, que aconteceu na semana passada em São Francisco, EUA.

Como já haví­amos noticiado, o Asus eee PC foi mostrado pela primeira vez ao público durante o keynote de Paul Otellini na terça feira (18/09), junto com outro conhecido nosso, o Classmate PC.

Durante a apresentação do chamado Grupo de Mercados Emergentes, tive a oportunidade de chegar mais perto do produto e levantar informações mais detalhadas deste interessante subnote de baixo custo.

Como já suspeitava, o eee PC é realmente uma “versão de consumo” do Classmate PC (que não será vendido em lojas) e será voltado para aqueles que estão adquirindo seu primeiro PC, ou que desejam uma solução simples e barata para elaborar documentos, trocar mensagens e interagir com a web.

Segundo a Asus, o nome “eee” vem das iniciais das frases “Easy to Learn”, “Easy to Work” e “Easy to Play”.

Medindo 22,5 x 2,1 x 16,5 cm (LxAxP) e 890 gramas de peso, o eee PC é ligeriamente menor e mais fino que o Classmate PC e vem equipado com um processador e chipset móvel da Intel, 256/512 MB de SDRAM, 2 a 6 GB de disco SSD (disco rí­gido de memória flash), áudio HD, alto-falantes estéreo, entrada e saí­da de som, tela LCD wide de 7″ com resolução nativa de 800 x 480 pixels.

O portátil é bem equipado em termos de interfaces de comunicação, vindo equipado com uma porta de rede Fast Ethernet (10/100 mbps), Wi-Fi 802.11b/g, três USB, uma saí­da SVGA, entrada para cartão de memória SD/MMC e bateria de 4 células com autonomia estimada em três horas.

Entre os opcionais estão a webcam de 0,3 MP e o modem de 56Kbps.

Não foi divulgado qual processador será usado no eee PC, mas acreditamos que, no mí­nimo ele use o mesmo do Classmate PC – um Celeron M de 900 MHz sem cache – mas, como a ASUS não está comprometida com o preço, pode ser até que ele adote chips mais velozes para melhorar a experiência de uso do consumidor.

Segue abaixo uma tabela mais detalhada das especificações técnicas e preço sugerido para o consumidor final.

eee_pc_specs.JPG

Podemos ver que o eee PC é formado por duas linhas: o P700, que podemos considerar o modelo de entrada, e o P701 com mais recursos.

A principal diferença entre eles é tamanho do disco de memória flash (de 2 a 6 GB), autonomia da bateria, quantidade de memória RAM (256 e 512 KB) e a presença ou não de certos acessórios como modem, Wi-Fi 802.11b/g, webcam de 0,3 MP.

Também vemos que a versão mais simples (700-C) de US$ 199 é o modelo P700-C voltado para ações especí­ficas, ou seja, não será vendido. Assim, o modelo mais em conta para o usuário final será o P700 de US$ 229 a US$ 239.

A previsão de lançamento do produto é para outubro desse ano.

Sob um certo ponto de vista, acredito que ele poderá ser de especial interesse para alguns profissionais que realizam trabalho de campo como jornalistas, forças de venda e advogados, mas em especial o público jovem e estudantes de orçamento limitado.

De qualquer modo, o uso de um disco de memória flash torna o produto bem mais resistente í  quedas, além de permitir boots mais velozes, o que conta vários pontos para aqueles que realmente precisam de mobilidade.

Em conversas com o pessoal da Intel responsável pelo Classmate no Brasil, ouvi histórias de que muitas faculdades mostraram interesse no portátil para uso universitário, mas na época a Intel deixou claro que o mesmo foi projetado para crianças.

Agora com o eee PC, pode ser que o público mais crescidinho tenha a sua vez.

Mais imagens do eee PC:

Ao ciontrário do Classmate, o eee PC tem um desenho bastante convencional.

Na lateral esquerda podemos ver a porta de rede, modem (opcional), USB e saí­das de som. O microfone vem embutido.

eee_pc_right_a.JPG

eee_pc_back.JPG

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.