ZTOP+ZUMO 10 anos!

Números enormes: Google Chromecast 2 no Brasil

Da série “gadgets que amamos”, a nova geração do Google Chromecast começa a ser vendida hoje no Brasil, por um preço sugerido bem acima do valor original.

Chromecast: preço

Explico: o Chromecast, pra quem não foi apresentado, é um dispositivo minúsculo que se conecta ao seu televisor pela porta HDMI e a transforma em uma Smart TV. Pra ver YouTube e Netflix, é perfeito.

Lá fora, custa US$ 35 (numa conversão livre, sem contar impostos, em torno de R$ 123). Aqui, importado, vai custar (argh) R$ 399. Culpe impostos, dólar e seu vilão favorito na indústria de eletrônicos.

O que tem de novo no Chromecast 2? Esse visual de ioiô (adeus, cara de pen drive!) e compatibilidade com redes Wi-Fi padrão 802.11ac, com três antenas internas. De resto, é o mesmo dispositivo que espelha seu navegador Chrome para a TV e permite rodar apps e jogos.

what-is-chromecast

Chromecast Audio

Além do Chromecast novo, o Google traz também – pelo mesmo preço sugerido de R$ 399 – o Chromecast Audio. Ele faz a mesma coisa que o Chromecast, só que para músicas: transforma seu aparelho de som desconectado (com uma entrada auxiliar RCA, óptica ou 3,5 mm) em algo conectado a serviços de música (Spotify, Deezer, Google Music, Tunein Radio etc.) ou aos velhos MP3 no seu computador (Mac, PC) ou smartphone (Android ou iPhone).

audio

Os novos Chromecast estarão à venda no e-commerce brasileiro (Casas Bahia, Ponto Frio, Submarino, Extra, Fnac, Walmart e Americanas.com). Vale notar que, como ocorre com os Dell Alienware, dá para encontrar ofertas de importadores independentes nesses mesmos sites, com preços bem menores que o oficial.

Chromecast: a lógica do preço

OK, R$ 399 é um preço salgado para um pedaço de plástico que se conecta à internet para fazer streaming.

Porém, fazendo umas contas aqui com o André, meu sócio na GamePlan, o valor faz sentido (ele trabalhou na indústria de eletrônicos, então conhece bem as cascatas de imposto no processo):

Screen Shot 2016-04-26 at 15.50.06

Montamos a planilha com o valor FOB (free on board, ou preço de importação) de US$ 35. Em cima desse valor incidem frete (10%) e imposto de importação (100% sobre o valor FOB+frete). Então convertemos esse número para reais com o dólar a R$ 3,60, adicionamos em cascata 8% de distribuição, 30% de varejo e mais 18% de ICMS.

Vale notar que não sabemos a alíquota real do imposto de importação que incide sobre o Chromecast, que pode variar entre 70% e 100%, dependendo do produto importado. Aplicamos a alíquota máxima de 100% por conta disso.

Com o preço FOB de US$ 35 e alíquota de 100%, o valor final em reais seria de R$ 459,24. Entretanto, o Google (e os varejistas) nos EUA têm sua margem de lucro, e não faz sentido importar um produto com preço cheio.

Brincando com a mesma planilha, chegamos ao valor mágico de US$ 30,40 FOB (cerca de US$ 5 de lucro, o que é excelente para um produto de grande volume como o Chromecast).

E, então, faz sentido o valor de R$ 399 para o produto no Brasil. Triste, mas real.

Nagano comenta: Henrique, pergunta pro Faure se pelas contas dele, também chegaríamos perto dos R$999 cobrados pela notória mochila Alienware Vindicator da Dell.

[Chromecast]

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

  • Leonardo Carneiro

    Comprei um no mercado paralelo a algumas semanas. Uso basicamente para Youtube. Eu já tinha o primeiro, mas minha irmã tava querendo um, acabei dando pra ela e peguei o novo.

    Realmente está engasgando menos, imagino por que por conta da rede ac de 5ghz e do cpu dual-core. O meu antigo travava de vez em qdo tb. Eu tinha que retirar do HDMI e USB para reiniciar (overheat?), coisa que não aconteceu ainda com o novo.

    • Tenho 2 chromecast 1stGen e nunca tive problema de travamento…
      estranho pra quem usa apenas YouTube

      • Leonardo Carneiro

        Engraçado que os travamentos acontecem justamente quando não estou usado. As vezes eu ia usar e via que ele estava offline. Colocava a tv no hdmi dele e via que já estava travado. Bizarro.

  • Finalmente, chegou o novo! Pena, esse preço… Mas é brasil, né, gente?

  • Thiago

    Henrique, usando essa mesma lógica da planilha, mas com o valor do dólar em 31/5/2014 (mês de lançamento do Cast 1 no Brasil), chegaríamos ao valor de R$247,10. Ele foi lançado por R$199,00.

    Usando o mesmo deflator, o Cast 2 deveria custar R$321,25. Mas aí arredondam pra R$399 e culpam o dólar porque é mais fácil…

    • Henrique Martin

      sim, dá isso mesmo. Lembrando que é o típico produto que o Google pode perder dinheiro, né?

      • Henrique Martin

        e tb vale lembrar que o Chromecast 1 era mais simples para produzir. mais barato no FOB, provavelmente

        • Fabiano G. Souza (Nerdmor.com)

          Porque seria mais simples para produzir o CC1? O CC2 é praticamente o mesmo, upgrade no chipset, antena, mudança no form factor.

  • Adriano De Lima

    Mesmo que consigam “justificar” o preço eu não consigo aceitar essa tamanha discrepância! Precisamos mudar urgentemente a nossa legislação tributária, porém isso é algo que depende de tantos interesses dispersos que não consigo ver nem mesmo a longo prazo uma mudança neste quadro.

    • Vagner Alexandre Abreu

      Mudar a legislação tributária necessita antes que se mude a política… por isso até paro por aqui :p

      • Adriano De Lima

        Ainda que seja grande a pilha de lixo, não podemos apenas observá-la e dizer: Nossa quanto lixo! E continuar apenas contemplando.
        Precisamos começar a limpar.

        • Vagner Alexandre Abreu

          Eu tinha falado que ia parar por ali pois este assunto é longo.

          A gente vê a grande pilha de lixo e se esquece que nós que criamos esta pilha de lixo com nossas atitudes. Detalhe: leia tanto de forma metafórica quanto real, já que muitas vezes todos nós de alguma forma “vacilamos” e deixamos o lixo cair na rua. Ou consideramos lixo algo que não é consenso que é lixo.

          Nisso, esperamos que um outro limpe o lixo que deixamos ali ou assuma o trabalho de fazer algo com aquele lixo. O resultado é esse. Quem limpa o lixo, de alguma forma lucra com ele, pois pega o lixo e joga em outro lugar, ou faz este lixo voltar para as ruas pois alguém pagou para deixar o lixo nas ruas.

          Como população, esquecemos da nossa parte como cidadão, parte da sociedade. Cobramos a limpeza, mas não fazemos nossa parte. E ao ver o lixo revirado, ficamos revoltados ou até pensamos “deixa o lixo em paz, pois até eu lucro de certa forma com estes lixos nas ruas”.

          Todo mundo deveria sentar e conversar sobre o lixo e ver onde realmente merece mandar este lixo: se para a reciclagem, para o incinerador (resto de carne enlatada estragada só tem este destino), reutiliza-lo de outras formas… mas isso tem que ser um trabalho nosso, pois se deixar um outro assumir a responsabilidade, o lixo fica lá e ele continua ganhando com isso, muitas vezes até mais.

          Pegar quem mexe com o lixo ou ganha dinheiro deixando o lixo como está e explicar: “melhor higienizar pois uma hora um dos ratos no meio do lixo te pega, aí tu vira lixo também”.

          Aí depois que o lixo for separado, compostado e reciclado, podemos falar de legislação tributária. Afinal, não terá mais ratos no lixo para comer o dinheiro público. :p 🙂

          • Adriano De Lima

            Obrigado por argumentar.
            Ficou muito interessante a sua observação do nosso (triste) quadro político atual.
            Precisamos de cada vez mais de pessoas formadoras de opinião promovendo esses preceitos de mudança, pois talvez assim a opinião pública permaneça deixando os políticos (deputados, senadores e porque não, vereadores) de cabelo em pé e votando os projetos de lei mais favoráveis ao que estamos realmente necessitando.

  • Comprei o meu CC2 no ML por R$ 165,00 !

  • apesar de ter 2 Tvs Smart, o Chromecast ganhou em usabilidade: É só pegar o celular e colocar o programa desejado, enquanto a smart TV ainda esta carregando o sistema…

    Já usei pra jogar no tablet espelhando na TV, assistir YouTube e Netflix, além de espelhar o Chrome no desktop pra assistir Hbo Go e Telecine Play.

    Sobre o preço, nem reclamo, eu não compro mesmo – ML é a solução.

  • Fabiano G. Souza (Nerdmor.com)

    Mas uma importação legal via empresa paga 100% de impostos?

  • Fabiano G. Souza (Nerdmor.com)

    Se Amazon.com ainda vendesse Chromecast, importar diretamente pelo consumidor c/ 100% de imposto embutido daria menos de R$ 350. Simulei com um produto de mesmo valor, com frete e tudo.

  • Vagner Alexandre Abreu

    Chromecast para mim ainda só como “lista de desejos”. Com a alta do dólar, crise e falta de dinheiro, nem as “versões alternativas” compensam.

    O que estranho é não poder fazer a produção no Brasil para tentar baratear. Acho que só fazer o “CKD” bastaria. Seria meio que um “engana-trouxa” para o governo (o Chromecast é só uma placa simples que se conecta em um outro aparelho :p Para um CKD, só seria montar esta placa no chassi plástico :p ), mas talvez sairia mais em conta e daria um tiquinho a mais de lucro para o Google, sem toda esta carga de impostos.

  • Eri

    Comprei por R$ 160,00 na Santa Ifigênia.