ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Gadget do dia: Cerevo (Ghost in The Shell) 1/8 Tachikoma

Inspirado no “think-tank” do anime Ghost in the Shell S.A.C. esse smart toy vem equipado com 21 servo-motores, sistema de IA e machine learning conectado na nuvem.

Ainda em tempo de faturar em cima da versão holywoodiana de Ghost in The Shell a empresa japonesa Cerevo anunciou recentemente um smart toy que é uma réplica na escala de 1/8 do personagem Tachikoma da série de anime Ghost in the Shell Stand Alone Complex (S.A.C.):

No mundo de Ghost in The Shell, Tachikoma é um “Think-thank” uma espécie de tanque robô na forma de aranha, equipado com um sistema de IA que armazena as experiências do dia, que são depois compartilhadas via satélite com outros Tachikomas por meio de um processo chamado de “sincronização”. Desse modo todos eles acordam no dia seguinte com uma nova consciência coletiva, criada à partir da informação gerada pelos Tachikomas.

Isso lembra muito algumas tecnologias em voga nos dias de hoje como inteligência artificial, machine learning, inferência, computação na nuvem etc. De fato, isso é bem interessante, principalmente se levarmos em consideração que o mangá que inspirou S.A.C. é do fim dos anos 1980 e a série em si foi produzida entre os anos de 2002 e 2003.

Além disso, vale a pena destacar os fascinantes diálogos filosóficos que essas criaturinhas hiperativas mantinham:

Outra curiosidade desse personagem é que no mangá original ele se chamava Fuchikoma (embaixo) e ele não podia ser usado pelo estúdio de animação Production IG devido a problemas de direitos autorais.

A solução encontrada foi pedir para o autor do mangá — Masamune Shirow — fizesse um tipo de “engenharia reversa” criando um outro robô parecido e “legalmente seguro” na cor azul que foi batizado de Tachikoma:

Mas voltando ao que nos interessa, o smart toy da Cerevo faz parte da sua estratégia “S2R” (From screen to the real world) que cria réplicas de produtos idênticos aos vistos em filmes, desenhos, jogos, etc. sendo equipado com 21 servo-motores que controlam suas articulações e rodas que podem ser controlados remotamente via app de smartphone.

Além isso, ele vem equipado com uma câmera e microfone ligados à um sistema de reconhecimento de imagem e voz, o que permite que ele reconheça novos objetos e aprenda sobre os mesmos à partir de informações passadas por seu interlocutor humano via linguagem natural, sendo que esse aprendizado é depois repassado para outros Tachikomas via “sincronização”, formando assim a consciência coletiva que vemos no anime. Falando nisso, a voz usada neste produto é a mesma do anime, Sakiko Tamagawa.

E para não dizer que esse brinquedo não faz mais nada além de andar, fazer pose e tagarelar, ele também pode se comportar como um assistente pessoal (memorizando dados da sua agenda via Google Calendar), consultar a previsão do tempo e até tirar dúvidas genéricas por meio de pesquisas na web.

O 1/8 Tachikoma mede aproximadamente 35,2 x 24,9 x 39,1 cm (LxAxP) pesa 1,5 kg e se conecta com a rede via porta Wi-Fi 802.11 b/g/n. Sua bateria tem autonomia estimada em aproximadamente 6 horas.

Ele é recomendo para jovens e marmanjos acima de 15 anos e já se encontra em pré-venda na lojinha da empresa pela bagatela de US$ 1.799 (+ postagem) com previsão de entrega em junho de 2017.

Mas se você não é um otaku miserável e pão duro e quer impressionar as garotas e os amigos nerds, pode optar pela versão especial de luxo equipada com algumas partes do corpo em alumínio pagando apenas US$1.999 (+ postagem)

Mais informações aqui.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • ditom

    Ei-Fi? Não seria Wi-Fi?
    Não sabia que existia uma série Ghost in Shell. Pensava haver apenas uma animação, que vi no Netflix.
    Pesquisando por causa das matéria me dei conta como há produções do título! Pena que mais nada no Netflix..

    • Mario Nagano

      Ops, falha nossa e já corrigida. Thx!

      Sim Ghost in the Shell é um baita de um franchise lá na terra dos nipões que, como sempre, começou como um mangá da Kodansha que depois virou série de TV, desenho animado e agora filme hollywoodiano.

      Anos atrás, outra história chamada “all you need is kill” foi lançada na forma de light novel e depois foi adaptado para mangá de mesmo nome e filme com Tom Cruise (Edge of tomorrow/No Limite do Amanhã de 2014)

      É interessante como a indústria de quadrinhos no Japão funciona como um verdadeiro laboratório/celeiro de novas idéias onde todo ano milhares de novos (e velhos) artistas submetem seus trabalhos para as editoras com a esperança de serem publicados e, se fizerem sucesso na mídia impressa, com certeza ele será transformado em anime, drama para TV e até filme.