ZTOP+ZUMO 10 anos!

Gadget (retrô) do dia: Casio G-Shock GMW-B5000

Empresa relança seu primeiro relógio G-Shock da década de 1980 agora com tecnologias de ponta, recarga solar e caixa de aço Inox.

A Casio anunciou na semana passada o seu primeiro relógio G-Shock da série 5000 com caixa de aço inox, o GMW-B5000 cujo design “quadrado”…

… remete ao primeiro modelo lançado pela empresa em 1983, o G-Shock DW5000C:

Devido sua boa combinação de recursos simples porém úteis, baixo custo, excelente autonomia de bateria e capacidade de resistir a muita pancada, ele se tornou um verdadeiro ícone dos anos 1980, sendo até hoje um acessório casual bastante popular entre os nerds geeks até a chegada dos smartphones e smartwatches.

De fato, uma das grandes sacadas dos G-Shock foi o uso na sua construção de materiais sintéticos capazes de absorver melhor a energia gerada por um impacto se comparado por exemplo, com um relógio com caixa de metal.

De fato a Casio já possui a anos (ou seriam décadas) um relógio de linha com caixa de metal baseado no DW5000 — como o Casio LA680WA-1 — que fora a sua resistência a água, ele não é a prova de nada!

Para resolver esse problema, o GMW-B5000 incorpora um sistema de absorção de choques baseado num fino anel de resina montado entre a caixa interna e a capa externa de metal:

Fora esse novo acabamento, o seu módulo eletrônico também foi atualizado, incorporando uma nova tecnologia batizada de Connected Engine Module que permite o relógio se conectar automaticamente com um app de smartphone via bluetooth para atualizar o seu horário com a hora local em qualquer parte do mundo a partir de dados fornecidos por servidores de tempo localizados na web.

Esse app para G-Shock também pode ser usado para fazer outros ajustes no relógio como o horário mundial e alarmes:

E caso o usuário não tenha um smartphone a mão ou não tem conexão com a Internet, o GMW-B5000 ainda conta com um receptor capaz de captar sinais de sincronismo de tempo transmitidos por estações de rádio, compatível com as frequências de 77,5 kHz (DCF77: Alemanha); 60 kHz (MSF: Reino Unido); 60 kHz (WWVB: EUA); 40 kHz (JJY: Fukushima, Japão) / 60 kHz (JJY: Kyushu, Japão) e 68,5 kHz (BPC: China). Infelizmente, o Brasil está fora dessa.

Também vale a pena destacar que a moldura montada ao redor do seu visor LCD é, na realidade, um pequeno painel solar (tecnologia Tought Solar) que recarrega a sua bateria interna, cuja autonomia estimada é de 22 meses de uso com o modo de economia de energia ativado.

Há também um modelo batizado de GMW-B5000-1 que parece ser uma versão mais “esportiva” equipada com a tradicional pulseira de resina, o que reduz dramaticamente o seu peso de 167 gramas para apenas 96 gramas:

E como no próximo mês de abril de 2018 a Casio irá comemorar o 35° aniversário do lançamento do G-Shock DW5000C é claro que a empresa irá lançar algumas edições comemorativas do GMW-B5000.

Uma delas é o GMW-B5000TFG-9 com acabamento folheado a ouro e com uma inscrição comemorativa na sua base e uma embalagem especial:

Já o GMW-B5000TFC-1 é uma série limitada a 500 unidades desenvolvida em parceria com a fabricante de malas Yoshida & Co. e será vendida para todo o mundo. Seu acabamento é em DLC (Diamond-like C) e também terá uma inscrição comemorativa na sua base e uma malinha de transporte desenhada pela empresa:

Finalmente, em uma outra colaboração com a marca de moda Kolor a Casio também vai lançar o modelo GMW-B5000KL que seria um GMW-B5000-1 com acabamento dourado…

… e detalhes como gravações especiais no verso do relógio e na fivela da correia. Essa série será limitada a 700 unidades que serão vendidas em todo mundo.

A caixa do GMW-B5000 tem resistência a água de até 20 bar, mede aproximadamente 4,93 × 4,32 × 1,3 cm (LxAxP) e 167 gramas de peso. Seu preço sugerido no Japão é de 60.000 ienes (~R$ 1.879) + taxas pelo modelo prata (GMW-B 5000 D-1) e de 70.000 ienes (~R$ 2.192) + taxas para o modelo dourado (GMW-B 5000 TFG-9)

Mais informações no site da empresa.

Bonus track:

Reza a lenda que o desenvolvimento do primeiro G-Shock nasceu em 1981 quando um engenheiro da Casio derrubou e quebrou seu relógio de pulso, surgindo dai a idéia de criar um modelo robustecido capaz de resistir a tal acidente sendo que, depois de dois anos de pesquisa e mais de 200 protótipos chegou-se no DW5000C.

Com isso, a empresa também acabou com o paradigma de que um relógio de pulso é por natureza, algo frágil e que por causa disso deveria ser tratado com muito cuidado.

E cá entre nós, eles demonstraram isso bem no estilo dos americanos:

Interessante notar que antes de se meter no mercado de horologia, a Casio era mais conhecida como uma fabricante de máquinas de calcular.

E como um relógio digital nada mais é do que um circuito que conta os pulsos gerados por um oscilador de cristal, ele na sua essência nada mais é do que uma maquininha de somar que mostra o resultado da soma de um registro numérico + 1 a cada segundo — ou seja — todo o resto são apenas cálculos (mais ou menos complexos) baseados nesse único valor acumulado.

Dai nada mais lógico que uma empresa como a Casio entrar de cabeça no mercado de relógios né?

Outra curiosidade é que os G-Shock modelos DW-5600C, DW-5600E, DW-5900, DW-6900 e G-9000 foram certificados pela NASA para uso em missões no espaço.

Ainda em tempo:

Alguém também notou nesse post que em todas a imagens de divulgação da Casio (incluindo os vídeos) todos os relógios sempre mostram a mesma hora — ou seja — 10:58 do dia 30 de junho (6-30), um domingo (SUnday) ?

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.