Gadget do dia: Canon Zoemini S (ZV-123)

G

Câmera instantânea da Canon foi certificada pela Anatel, o que pode indicar a sua chegada ao Brasil

Estávamos aqui na Zumo-caverna pensando em maldades quando recebemos uma dica do nosso colega e chapa Everton Favretto de que a câmera Canon Zoemini S ZV-123 foi certificada na Anatel:

Por que isso importa?

Fato é que décadas depois da fotografia digital ter mandado as câmeras de filme para junto dos dinossauros, a fotografia analógica meio que sobrevive (e até prospera) nos dias de hoje na forma das câmeras instantâneas, como a estilosa Polaroid da (ex) Impossible Project e a insanamente popular Instax da Fuji cujo cartucho de filme está sempre no topo da lista dos itens mais vendidos do depto de Camera e Foto do Amazon.com.

Diante disso, é claro que a Canon não iria ficar fora dessa boca rica né?

Assim, ela anunciou no início do ano passado a Zoemini S (e sua irmã menor, a Zoemini C) que é conhecida nos EUA como ivy CLIQ+ ou INSPIC no Japão :

Tecnologia ZINK

Vale a pena ressaltar que, ao invés de desenvolver um sistema próprio de impressão de fotos, o pessoal da Canon optou por adotar o sistema ZINK (Zero Ink Printing) que é um curioso sistema de impressão sem tinta baseado no chamado Zink Paper que possui cristais de pigmento nas cores ciano, amarelo e magenta dentro de um material protegido por uma camada de polí­mero do lado de fora que são ativados com a aplicação de calor formando assim a imagem fotográfica:

Com isso, a Canon se concentra no que ela sabe fazer de melhor, ou seja, criar uma câmera casual e bacana para um público descolado e que vive conectado.

Câmera Selfie

Medindo apenas 12,1 x 8,03 x 2,15 cm (LxAxP) e 188 gramas de peso, a Zoemini S lembra vagamente a Instax Square SQ10 ou a nova Instax mini LiPlay no sentido de ser uma câmera digital com uma impressora de fotos integrada.

Ela vem equipado com um sensor de 8 MP e é capaz de imprimir imagens de 2.0″ x 3.0″ (5 x 7,6 cm) na resolução de 314 x 600 ppi sendo que o tempo de impressão de uma foto é de aproximadamente 50 segundos.

A câmera tem capacidade de armazenar até 10 folhas de papel ZINK sendo que a Canon vende pacotes com 20 ou 50 unidades. Segundo a empresa, a autonomia da sua bateria interna de 700 mAh é capaz de imprimir até 25 fotos com tempo de recarga estimada em ~120 minutos.

Interessante notar que essa câmera não possui tela LCD de modo que o enquadramento tem que ser feito por meio do bom e velho visor óptico…

… apesar de que um dos toques de design mais interessantes desse produto é a sua objetiva de foco fixo (30cm~infinito) que fica no centro de um grande disco espelhado…

… o que permite tirar selfies com mais precisão 😛:

Fora isso esse espelho é rodeado por um anel iluminado por 8 LEDs brancos que oferece luz de preenchimento para o rosto, melhorando assim a qualidade dos retratos em cenários contra-luz.

As images podem ser capturadas em dois formatos (3:2 e 1:1) e são armazenadas no formato jpg num cartão micro SD de até 256 GB.

Conectada

Como era de se esperar de uma câmera casual voltada para retratar o estilo de vida das pessoas, a Zoemini S vem equipada com uma porta Bluetooth 4.0 o que permite conectá-la com um smartphone e imprimir as imagens contidas na mesma por meio do app Canon Mini Print disponível para download gratuito no Google Play e no App Store:

Com ele também é possível corrigir as imagens, aplicar efeitos especiais e até controlá-la remotamente.

Legal né?

Mais informações aqui.

(Brigadão Everton!) 😁😁😁

Ainda em tempo

Segundo as informações levantadas pelo Everton, a câmera da Canon descrita no sistema da Anatel está sendo chamada de Zoemini S apesar de que esse nome é o adotado na Europa o que não bate com o fato do escritório da Canon do Brasil ser ligado à Canon USA o que nos faz crer que caso a ZV-123 realmente seja lançada no Brasil, mais provável que ela chegue com o nome adotado nos EUA — Canon ivy CLIQ+

O bizarro é que a câmera mostrada no post do Everton ostenta só o nome “ivy” (sem o CLIQ+) e o manual tem o título de “Manual do Utilizador” o que nos leva a crer que a Canon do Brasil mandou a versão portuguesa para a Anatel o que explicaria o uso do nome Europeu em vez do americano.

Já o ivy sem o CLIQ+ também pode ser um nome genérico reservado para o resto do mundo (ou sei lá, vai entender esses caras…) 🤔

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

+novos