ZTOP+ZUMO

Bonito, cheiroso e intoxicado!

Já falamos nesse Zumo sobre o The Story of Stuff, um interessante documentário online que faz uma feroz crítica ao consumismo e seus efeitos danosos ao nosso planeta. Agora a história se repete com o The Story of Cosmetics, que questiona o uso de susbtâncias químicas tóxicas na formulação de cosméticos e produtos de higiene do dia a dia.

Esse novo vídeo em flash foi ao ar no último dia 21 de julho e foi criado e dirigido por Annie Leonard que, com seu estilo simples e direto, fala sobre o uso de produtos químicos reconhecidamente tóxicos pela indústria de cosméticos, aparentemente mais interessados nos lucros do que no bem estar de seus consumidores.

Para quem não sabe, nos anos 1930 a indústria química tinha o mesmo prestígio da eletrônica nos dias de hoje. Isso porque dela saíam produtos milagrosos para a época, e que foram capazes de mudar a vida no nosso planeta (literalmente falando). Bons exemplos são o gás freon/CFC (1929) e o DDT (1939), considerado na época um pesticida eficiente, barato e até considerado seguro para o ser humano, ao ponto de ter existido nos anos 1940~50 um drinque chamado Mickey Slim — uma mistura de Gin com DDT que alguns alegam ter o mesmo efeito pirante do absinto.

Mais sobre isso no brilhante documentário de Adam Curtis Goodbye Mrs. Ant — parte da série Pandora’s Box (veja alguns trechos no YouTube aqui, aqui e aqui).

Mas voltando a Leonard, ela afirma é que a indústria de cosméticos nos anos 1950 também se valeram de algumas substâncias mágicas para colocar produtos milagrosos nas prateleiras que tornavam as pessoas mais bonitas e de bem consigo mesmas mas que, com o tempo, também mostraram ter algum nível de toxicidade (principalmente quando se acumulam no corpo humano).

O grande problema é que — ao contrário do DDT — aparentemente poucos esquentaram muito com isso até hoje e a indústria se faz de besta, dá uma enrolada no governo que faz pouco ou nada para remediar essa situação. E o pior, algumas até se escondem por trás de termos da moda como “à base de ervas”, “orgânico” ou “natural”  mesmo que misturados com os mesmos químicos de sempre. E cá entre nós, até petróleo pode ser considerado um produto “natural”; já que como diz o dicionário: produzido pela natureza, ou de acordo com suas leis.

E qual a solução para esses problemas? Ela defende que a opinião pública deve se conscientize desse fato e se mobilize para pressionar o governo a criar leis mais rígidas que proíbam o uso dessas substâncias tóxicas ao mesmo tempo que procure se informar sobre a existência de produtos mais seguros. Mais informações aqui.

(link do vídeo)

Zumo in a Box:

Para quem quiser conhecer mais alguns trabalhos de Anne Leonard em parceria com o Free Range Studios ai vai:

The Story of Bottled Water.

The Story of Cap and Trade.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Valdemir 29/08/2010, 19:01

    É algo muito importante e que as pessoas acham que é tosquice ou frescura se importar com isso. Primeiro, não escute o que um ser não pensante tem a dizer, ele só quer entretenimento e comida na pança. Conhecer os produtos que se usa é imprescindivel pra nossa saúde, que é o nosso bem mais precioso. Existem várias substâncias tóxicas/cancerígenas em produtos cosméticos, desde cremes até perfumes. Mas mesmo fazendo estudos, comprovando o "tecnicamente não comprovado" e tendo leis proibindo alguns desses elementos nos EUA, Europa e companhia, aqui no Brasilsão se vende tudo o que quiser, desde que tenha nome bonito, faça promessas de beleza, e quanto mais caro melhor: mais lucro e mais imposto arrecadado. Aqui não existe lei nenhuma pra proteger a saúde das pessoas, muito menos apontando compostos nocivos mais atuais presentes nos produtos. E não é só em cosméticos que tem substâncias nocivas, elas estão presentes principalmente nos… alimentos! Pegue a margarina por exemplo, nenhum bixo vai naquilo, pode largar no sol o verão inteiro que ela vai continuar toda "bonita" e nova, ela é pura gordura vegetal saturada, hidrogenada e o escambau, mas o pior é que vendem ela como se fosse abaixar o colesterol e ajudar na saúde, pura mentira, manteiga é infinitamente mais saudável do que margarina (e não esqueça que tudo tem sua dose!). Hoje os alimentos praticamente não estragam, viajam o mundo e tem validade absurda. É puro coquetel de conservantes que se acumulam no organismo, e com o tempo atinge niveis, que dependendo da sensibilidade de cada um: primeiro sempre abaixa a imunidade, ficando resfriado por qualquer coisa, até que com os anos se criam doenças mais sérias. Quanto mais cru dor o alimento e mais fácil ele estragar é porque ele é mais natural, logo traz saúde de verdade. As pessoas ficam doentes e não sabem porque… só toma veneno quem não quer continuar nesse mundo. Vida longa e próspera.

  • dflopes 30/08/2010, 15:46

    tem com legendas? Preciso passar isso pra minha esposa.