ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Um passeio pela Qualcomm com o Snapdragon 835

Fomos até a sede da empresa em San Diego para ver o que a mais nova e potente plataforma móvel da casa é capaz de fazer.

Entre os dias 14~16 de março, fomos convidados pela Qualcomm do Brasil para conhecer sua sede em San Diego na Califórnia e participar de uma sessão de testes — o chamado Benchmarking Workshop — com o Snapdragon 835 que, como foi anunciado recentemente, deixou de ser apenas um chip para se tornar uma plataforma móvel completa.

Para quem não sabe, a Qualcomm foi fundada em 1985 por Irwin M. Jacobs junto com Andrew Viterbi, Harvey White, Adelia Coffman, Andrew Cohen, Klein Gilhousen e Franklin Antonio sendo que Adelia, Gilhousen, Jacobs (de pé ao fundo) e Cohen podem ser vistos nesta foto de primeiro dia de trabalho na nova empresa — ou mais exatamente, na casa de Irwin — publicada em um jornal da época:

Para quem não sabe (ou nunca percebeu) o nome Qualcomm vem de ““Quality Communications” sendo que já no seu primeiro ano de funcionamento ela fechou um contrato para desenvolver um sistema seguro de comunicação digital e sem fio para as forças armadas americanas que depois evoluiu para a tecnologia CDMA.

Entre os primeiros produtos e serviços oferecidos pela Qualcomm estavam um sistema de mensagens e de localização por satélite que faziam parte do serviço OmniTRACS (hoje uma empresa independente):

Fora isso a empresa também desenvolvia circuitos integrados especialmente voltados para comunicação digital por meio de rádio…

…o que deu origem aos diversos produtos que podem ser facilmente associada com a empresa…

… e outros que nem tanto:

Já o Snapdragon surgiu em 2009 dentro do Toshiba TG01 na forma do primeiro processador para smartphone de 1 GHz rodando Windows Mobile 6.5 do mercado.

Entre os anos de 2012~2014o esse SoC passou em vendas concorrentes como o OMAP da Texas e o Tegra da NVIDIA para se tornar o padrão de fato para os smartphones com Android e, por um breve período de tempo, o seu valor de mercado até chegou a superar a da Intel.

Atualmente a empresa encara a concorrência vinda de novos players como a MediaTek, Intel, Apple ou até de frenemies como a Samsung, em especial no segmento de chips de 64 bits. Vale notar que a Samsung adota processadores Qualcomm em produtos vendidos nos EUA (como o novo Galaxy S8) e seu Exynos feito em casa pro resto do mundo (incluindo o Brasil).

De um certo modo, a Qualcomm encontrou em San Diego os mesmos fatores que fizeram outras empresas de tecnologia prosperarem no Vale do Silício, só que com menos hippies:

Mas voltando ao que interessa, nossa jornada teve início no Power Lab onde Johnny John, diretor de desenvolvimento de produtos nos apresentou um experimento…

… onde ele compara o consumo de uma plataforma de referência baseada no processador Snapdragon 820 do ano passado (à esquerda) com o novo Snapdragon 835 (à direita)…

… rodando uma aplicação de realidade virtual:

Para executar esse teste o Snapdragon 820 consumiu em média 1.302 mA sendo que a autonomia da sua bateria de 3.500 mAh foi estimada em 2,69 horas

… Já no Snapdragon 835 o consumo caiu para ~972 mA e a autonomia estimada da mesma bateria de de 3.500 mAh subiu para 3,6 horas ou seja, uma redução de ~25% no consumo e um aumento de ~34% na autonomia da bateria.

Boa parte desse ganho de desempenho foi possível graças ao uso do novo processo de fabricação de 10 nm, mas John ressalta que a tecnologia de consumo evoluiu muito e que ela proporciona o desenvolvimento de produtos melhores e mais performáticos sem precisar apelar para baterias potentes e consequentemente mais volumosas. Fora outras tecnologias que os consumidores adoram, como o Quick Charge.

Vale a pena ressaltar que a temperatura do sistema com 835 variou em torno de 40°~42°C, o que não pode ser considerado “fresco e agradável” na mão do usuário mas tolerável para uma situação extrema como essa o que pode ser uma boa notícia para aqueles que apreciam jogos mais pesados ou desejam experiências mais ricas/imersivas em seus smartphones.

Falando nisso, nossa próxima parada foi no Snapdragon Advanced Content Lab, um espaço por sinal bastante discreto do lado de fora…

… mas bem informal e bastante divertido por dentro, diga-se passagem:

Segundo Micah Knapp, diretor gerenciamento de produtos para a área de gráficos (à direita), esse espaço foi criado para receber desenvolvedores de jogos…

… e de outros tipos de conteúdo visual …

… para auxiliá-los no desenvolvimento de novos produtos e serviços baseados na tecnologia da Qualcomm — é claro:

Sob esse ponto de vista, existe um grande esforço da empresa em mostrar como a nova plataforma Snapdragon é bastante adequada para uso em aplicações visuais, em especial de AR e VR já que a maior vantagem desta solução é que ela não precisa ficar literalmente “com o rabo preso” num PC para oferecer uma experiência mais natural e realista para o usuário que pode mover-se livremente pelo ambiente virtual, além de poder interagir com os elementos do cenário sem o uso de joysticks ou coisas do tipo.

Dos equipamentos apresentados, dois deles se destacam:

O primeiro é um óculos de VR baseado no Snapdragon 835 que será utilizado para promover o novo filme dos Power Rangers (Zords Rising) oferecendo uma experiência imersiva de aproximadamente 2 minutos onde o usuário assume o papel de um dos membros da equipe.

O interessante dessa demo, é que o controle da cena fica por conta de uma espécie de mira que o usuário tem que apontar com o movimento da cabeça para que o sistema selecione opções e avance no roteiro da história.

Porém, essa demo parece uma brincadeira de criança se comparada com outro óculos de VR ainda mais elaborado e também movido a 835 só que equipado com tecnologia LeapMotion

… o que permite que o usuário possa manipular objetos no mundo virtual usando apenas as mãos.

Infelizmente é muito difícil explicar essa experiência só com palavras de modo que o vídeo abaixo da Leap Motion dá uma vaga idéia do que é possível fazer com sua tecnologia de gestos combinada com o sistema de VR da Qualcomm:

Além das demos de VR, Knapp mostrou uma demo de jogo baseada na tecnologia Vulkan, uma API gráfica voltada para o desenvolvimento de aplicações gráficas intensivas como simuladores, visualizações gráficas para aplicações de VR/AR/Engenharia e, é claro, jogos!

Segundo o executivo, essa API se posiciona como uma alternativa ao OpenGL/OpenGL ES só que mais moderna, otimizada, “limpa” e sem penduricalhos além de ter acesso mais direto aos recursos da memória e da GPU resultando assim numa aplicação mais ágeis, eficientes e que não sobrecarregam o processador além do necessário.

Para auxiliar neste processo de ajudar a criar um código mais leve e eficiente, também foi mostrado o Snapdragon Profiler, uma ferramenta criada para identificar gargalos de desempenho durante sua execução…

… em sistemas equipados com os chips da empresa:

Vale a pena lembrar que o Snapdragon 835 também é compativel com a tecnologia DirectX 12, o que também abre caminho para o uso dessa plataforma no mundo Windows.

A parada seguinte foi no Spectra Camera Lab onde foram mostrados alguns tipos de testes usados para avaliar o desempenho da câmera da Qualcomm tanto na captura de cores sob diversas condições de iluminação…

… quanto no estresse do seu hardware, caso desse curioso experimento onde um um bracinho mecânico com um alvo na ponta entra e sai da frente da câmera…

… forçando assim a lente da câmera focar alternadamente ou o cartão ou no fundo da cena com o objetivo de avaliar sua resistência/durabilidade:

Quando perguntamos se eles tinham alguma estimativa da vida útil dessa câmera em “número de cliques” eles disseram que é bastante mas não poderiam divulgar um número exato.

Outro experimento apresentado é o que testa o seu sistema de estabilização de imagem — neste caso o EIS 3.0 — que, ao contrário do OIS que é uma solução óptica baseada em hardware, o EIS é uma solução eletrônica baseada em software que tira proveito dos sensores de direção e acelerômetros presentes no smartphone para compensar digitalmente os movimentos involuntários na hora de capturar as imagens. Trata-se de uma solução bastante atraente, principalmente no segmento de valor, já que com ela é possível implementar esse recurso em câmeras mais simples.

Já no caso de modelos mais premium o EIS pode ser implementado junto com o OIS já que a solução eletrônica funciona melhor na captura de videos enquanto que o OIS é preferível para tirar fotos.

Para simular esse efeito de mão trêmula, o laboratório utiliza essa engenhosa base oscilante apoiada sobre seis servo-motores…

… capazes de simular diversos tipos de movimentos:

O resultado pode ser visto abaixo:

Já a penúltima parte do tour foi um corpo-a-corpo com diversos engenheiros e especialistas da empresa, sendo que cada um deles estava apresentando alguma característica interessante da plataforma Snapdragon 835.

A primeira demo feita por Gary Brotman, diretor de gerenciamento de produto o mostra uma interessante aplicação de machine learning e Inteligência Artificial onde o Snapdragon 835 é capaz de identificar diversos objetos ao seu redor e até separará-los por grupos (note as molduras coloridas):

Quando perguntei se o processo de aprendizado era feito localmente no smartphone, Brotman disse que ainda não, mas o que essa plataforma já faz é de identificar algum objeto novo que ele não conhece para um servidor remoto para ser processado via machine learning…

… e assimilado pela rede neural. Caso da bolsa em amarelo.

Ainda no campo da inteligência artificial, Eden Cohen, gerente de produto na área de segurança apresentou o Trustlook Mobile Security, um app desenvolvido pela Qualcomm em parceria com a Trustlook que aborda o tema da proteção contra invasões, roubo de dados e malwares sob um novo ponto de vista.

Segundo Cohen, em vez de o app de segurança tentar identificar um código malicioso pela sua “assinatura digital”, a solução da Qualcomm monitora o comportamento das aplicações novas e recentes e levanta a bandeirinha amarela (ou até vermelha) toda vez que um deles começa a se comportar de maneira estranha ou totalmente fora de propósito, como se o app de lanterna começasse a querer acessar sua lista de contatos. E caso isso aconteça, o sistema entra em ação alertando o usuário do risco à sua segurança e recomenda alguma ação.

Ainda em segurança, Sapna Hegde, gerente de produtos demonstrou um novo sistema de identificação por meio de iris que a empresa afirma de é mais resistente a fraudes.

Como assim? A grande sacada dessa solução é que ela utiliza uma câmera infravermelho (com iluminador IR e tudo) capaz de analisar a face humana por um outro espectro de cores, de modo que uma foto da pessoa não consegue “enganar” a câmera.

Em contrapartida, o uso do infravermelho também permite a identificação do usuário, mesmo que esteja usando óculos de sol.

Na parte de multimídia, Ricardo Bernall, engenheiro sênior da empresa…

… fez uma comparação do processador de som (ou DAC) do Snapdragon 835…

… comparado com uma fonte de som de altíssima qualidade…

… usando como referência o mesmo fone de ouvido de boa procedência:

Confesso que não sou um audiófilo de primeira para dizer se o som do DAC do 835 é ótimo, excelente ou divino, mas fato é que sua qualidade não pode ser qualificada de maneira nenhuma como regular e menos ainda como ruim.

Quando perguntei para Bernall se um audiófilo não iria preferir ouvir sua música num equipamento de som de fato (com aquelas válvulas brilhantes e tudo) em vez de um smartphone, o engenheiro até que não tirou minha razão, mas ressaltou o fato de que como o 835 será utilizado em produtos premium, é esperado (para não dizer obrigatório) que sua plataforma ofereça a melhor qualidade de som possível, mesmo que isso nem passe pela cabeça do consumidor na hora de decidir pela compra.

A última demo foi apresentada por Sherif Hanna, gerente do grupo de marketing técnico da Qualcomm que fez uma demonstração da capacidade de transmissão de dados do modem LTE usado no Snapdragon 835…

… que chegou perto de 1 Gb utilizando três estações LTE que transmitiam dados em setes canais simultâneos usando a tecnologia MIMO:

Finalmente, a última atividade do dia foi um encontro onde ocorreu o evento de benchmark propriamente dito…

… onde nosso grupo teve uma breve introdução técnica sobre o Snapdragon 835 que foi apresentado por Travis Lanier, diretor geral de produtos da Qualcomm…

… onde nos foi apresentado o SoC do 835 em cores e ao vivo…

… cujo tamanho físico diminuiu consideravelmente se comparado com seu antecessor — o Snapdragon 820 — graças ao uso do novo processo de fabricação de 10 nm: 

Para rodar os testes, a empresa forneceu para cada jornalista uma plataforma de referência que — por sinal — pudemos ver funcionando das diversas demos do dia e que é usado pela empresa para testes de hardware e desenvolvimento de software.

Dito isso, é bom ficar claro que esse produto não o produto final que chegará nas lojas.

O equipamento em si veio equipado com uma tela de 5,5″ (2.560 x 1.440 pixels) com 6 GB de RAM e uma bateria interna de 2.850 mAh.

E como era de se esperar de um protótipo seu design é simples e funcional e sem muita frescura.

O sistema já veio com o Android 7.1.1 e alguns benchmarks pré-instalados mas tínhamos a liberdade de instalar outros, desde que os resultados não fossem transmitidos para  fora da empresa. Isso porque tudo que foi visto no dia estava sob embargo.

Assim segue abaixo os resultados que tivemos nessa sessão com o WebXPRT 2015:

PCMark:

3DMark:

Basemark X Game Benchmark:

AnTuTu Benchmark:

GFXBench GL Benchmark:

Octane 2.0 JavaScript Benchmark:

Kraken JavaScript Benchmark:

SunSpider 1.0.2 JavaScript Benchmark:

No geral, tratam-se de números bem interessantes, mas devido ao tempo limitado dessa atividade (~2 horas) ele é mais uma oportunidade para o jornalista de fazer um hands-on do produto e sentir seu desempenho em cores e ao vivo, só que isso de um certo modo se limita à testes rápidos que avaliam essencialmente o desempenho da CPU, sua aceleradora gráfica e seu sistema de memória.

O curioso é que a própria Qualcomm reconhece isso, ao ponto de Lanier ter citado isso na sua apresentação do produto…

o que não deixa de ser um alerta para os reviewers de smartphones, já que ele quer mostrar que desempenho bruto em si é apenas parte de um todo que, muitas vezes pode passar batido pelos analistas de testes e geradores de conteúdo:

No fim da sessão, eu até perguntei para o executivo se ele tinha alguma idéia de como os reviewers poderiam avaliar todos esses novos recursos de maneira adequada e sua resposta foi meio vaga (para não dizer inconclusiva) no sentido que ele também acha que ainda não existem maneiras simples e práticas de fazer isso, a não ser que você conte com uma infraestrutura de laboratórios como a da Qualcomm.

Foi ai que caiu a minha ficha e percebi que esta visita a sede da Qualcomm não foi apenas um “passeio” propriamente dito, e sim uma maneira que a empresa encontrou para poder mostrar todo o potencial da sua nova plataforma Snapdragon 835 que não pode ser observada apenas com números de testes.

Isso é realmente um desafio que vai ter que ser enfrentado pela mídia, se não hoje num futuro próximo, sob o risco de ficarmos palpitando sobre o desempenho de um smartphone pela velocidade com que a tela rola (argh!!!!).

Henrique comenta: yap, a questão dos benchmarks levantada pela Qualcomm está certíssima. Números brutos são… brutos! Hoje acho muito melhor passar minha experiência de uso do aparelho no dia-a-dia (tirando fotos, consumindo bateria que nem louco, ouvindo música, chamando Uber) do que simplesmente medir com um benchmark. Infelizmente, muita gente hoje ainda se baseia em números enormes (embora impressionantes) para comparar bananas com abacaxis no mercado de smartphones – ou ainda mesmo maçãs. 

Disclaimer: Mário Nagano viajou para San Diego a convite da Qualcomm do Brasil. As fotos bacanas, opiniões inteligentes e piadinhas infames são dele mesmo.

 

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.