ZTOP+ZUMO

Review: fones de ouvido Beats Studio3 Wireless

No começo do ano testei os fones Beats Solo3 Wireless. Agora é a vez do irmão maior Beats Studio3 Wireless com cancelamento de ruído.

Beats Studio3 Wireless

A versão que recebi é a Studio3 Wireless Decade Edition, que foi feita para comemorar os 10 anos da fabricante de fones do dr. Dre, hoje parte da Apple. Sua única diferença do Studio 3 Wireless “normal” é o acabamento em vermelho e preto foscos com a marca “Est. 08” no fone esquerdo – curiosamente, na parte que fica para trás ao ser usado.

Mas se o modelo Solo3 é um fone supra-auricular (cobre o ouvido parcialmente), o Studio3 é circum-auricular – cobre todo o ouvido. O acabamento dos fones é feito em couro e espuma, sendo bastante confortável para usar (e não esquenta as orelhas!). 

Do lado esquerdo do fone está o conector para o cabo 3,5 mm (praticamente desnecessário nesse modelo) e o “B” e seu entorno são o botão de play/pausa e controle de volume.  
Já no lado direito está o botão de liga/desliga (com indicador de carga da bateria) e o conector microUSB para recarregar o fone.

Só acho curioso a Beats ainda adotar o microUSB como padrão – e não USB-C ou Lightning, como em demais produtos da Apple. 
A articulação do fone permite um ajuste preciso à cabeça:

Na caixa do produto ainda vem um case duro de tecido (que junta bastante pelos de gato, por sinal 🙂

Além do cabo com microfone para uso com fios e um cabo microUSB para recarregar a bateria.

Sob testes, os Beats Studio3 Wireless foram um pouco além da minha expectativa. A qualidade sonora é muito boa, com muitos graves – se não tivesse bons graves, não seria um Beats afinal (já disse isso antes). A bateria, por conta do cancelamento de ruído ativo (ANC), dura menos que o Solo3 Wireless – a Beats estima em torno de 22h com o ANC ligado e 40h desligado (para isso, basta pressionar o botão de liga/desliga por mais tempo – a diferença sonora é perceptível).

E aqui entra a parte que o cancelamento de ruído faz mesmo sentido: no avião. Recebi o Studio3 em julho, mas tinha duas viagens programadas (pelo blog, a convite) para agosto.

Na primeira, indo para o anúncio do Galaxy Note 9, não consegui usar direito com um Samsung Galaxy S9+ por conta de algum bug no Spotify que pausava repetidamente as músicas – depois voltou ao normal em alguma atualização do app. Acabei usando, tanto na ida quanto na volta, meu modelo velhinho da Sony in-ear (já descontinuado pela fabricante) com cancelamento de ruído.

Mas uma semana depois eu ia para a China e teria muito muito muito tempo de voo. Para entender a qualidade do cancelamento de ruído, quase não deu para ouvir o avião decolando ou pousando. Durante a fase de cruzeiro dos 777 e A380 da Qatar que peguei, você fica isolado do mundo, e isso é excelente.

Mas na volta (9h de voo de Pequim a Doha + 15 e poucas de Doha a São Paulo), a bateria do Studio3 pediu água faltando umas três horas para chegar a Guarulhos (o velho e bom Sony in-ear salvou o final da viagem de novo). Acabei me esquecendo que a Beats diz que 10 minutos de carga são suficientes para mais três horas de uso e guardei o fone de volta na mochila.

Fiz testes no avião também com conexão Bluetooth e usando o cabo – a qualidade do cancelamento de ruído foi a mesma e, por conta do consumo de bateria por conta do ANC, tanto faz usar Bluetooth ou o cabo ligado ao smartphone. Não posso dizer se em iPhones a situação muda por causa do chip W1 que funciona integrado ao aparelho da Apple.

No dia a dia, uso o fone em casa para ligações / reuniões online ou isolar o barulho da escola de música da casa ao lado. Funciona bem o cancelamento de ruído, mas ele é muito mais efetivo (pelo menos pra mim) dentro de um avião. Minha única grande crítica é ao formato dele, que ao ser guardado no case, ocupa muito espaço dentro da mochila – poderia ter a haste dobrável para dentro, diminuindo a área ocupada numa bolsa/mochila. Mas é um detalhe apenas.

Vale notar, claro, que é um fone de ouvido premium com seu valor alto e concorrentes de peso – no Brasil, especificamente, o Sony WH-1000MX2 me parece uma excelente concorrência (incluindo no preço)

Em uma nota paralela, vale mencionar que alguns amigos donos de fones Beats mais antigos reclamaram comigo ao ver o Studio3 novo que, após um tempo – 1 ano em média – o couro dos fones tende a descolar (reclamação válida, segundo eles, para o Solo3 Wireless também). A conferir com a passagem do tempo mesmo (e passando produto pra hidratar o couro…).

Beats Studio3 Wireless Decade Collection

O que é isso? Fone de ouvido com conectividade Bluetooth e cancelamento ativo de ruído
O que é legal? Qualidade do som, cancelamento de ruído é bom também, acabamento do produto.
O que é imoral?  Design da edição especial de 10 anos chama bastante atenção por conta do vermelho
O que mais?  A caixa do Studio3 Wireless Decade Collection é uma experiência Apple completa: tudo encaixado perfeitamente, manuais ajustados, case no fundo e até adesivo Beats junto aos manuais.
Avaliação: 8,5 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação
Preço sugerido pela fabricante (e sujeito a mudanças): R$ 2.099
Onde encontrar: Beats

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin