ZTOP+ZUMO 10 anos!

Gadget (de home banking) do dia: BankWan e BankNyan da Takara Tomy

Novos cofrinhos inteligentes da Taraka Tomy incorporam tecnologia de IoT para incentivar a poupança pessoal e falar de outras amenidades como o tempo.

Da série “a Interntet das coisas vai pegar você (ou pelo menos seus trocados)” a divisão A.R.T.S. da Takara Tomy apresentou durante a última edição do International Tokyo Toy Show 2018 seus novos cofrinhos inteligentes, o BankWan e o BankNyan:

Esses nomes vem da combinação da palavra bank (banco em inglês) com o latido do cachorro (“wan-wan”) ou do miado de gato (“nyan-nyan”) no Japão.

A grande diferença é que a versão felina só aceita moedas de 500 ienes — uma das moedas circulantes com maior valor nominal do mundo que — na cotação de hoje (19/junho) equivale a US$ 4,55 ou R$ 17,20.

E para a injúria dos amantes de cachorros, a versão canina se contenta com bem menos já que ele só aceita moedas de 100 ienes.

Dai a capacidade de poupar do BankWan só pode chegar até 10 mil ienes (~R$ 340) em moedas de 100, enquanto que no BankNyan este valor pode chegar a até 50 mil ienes (~R$ 1.700) em moedas de 500.

Voltado para jovens na faixa de 15 anos ou mais, o atrativo desse brinquedo é que toda vez que ele ganha uma moeda, o mesmo faz uma festinha mexendo as orelhas, os olhos e a boca e diz o valor acumulado no seu interior.

Fora isso ele possui um sensor de movimento que, ao identificar a presença de alguém por perto, ele começa a falar sobre assuntos diversos como o progresso da sua poupança e outras aleatoriedades, como por exemplo “tem ai uma moeda de 500 ienes? Dá uma olhada na sua carteira — miau!

O interessante é que ele também vem equipado com um microfone capaz de reconhecer comandos de voz, de modo que ele pode responder por exemplo, quanto dinheiro ele já tem guardado ou obedecer a uma ordem de ficar quieto.

Porém a grande inovação é a incorporação de tecnologias de IoT, de modo que o cofrinho pode se conectar a Internet vpor meio de Wi-Fi e responder perguntas como a hora atual, como está o tempo lá fora e até divulgar notícias. De fato é até possível programar um horário para que elas sejam faladas.

O BankWan e o BankNyan são os primeiros itens de uma nova linha de produtos da Takara Tomy Arts batizada de Tooi cujo nome é uma mistura das palavras “Tool”, “Toy” e “i” (de internet) e o objetivo é de incorporar novas tecnologias nas atividades de lazer e de brincadeiras, o que inclui — é claro — a Internet das coisas (ou IoT).

O brinquedo mede aproximadamente 15,0 x 13,0 x 13,0 (LxAxP) pesa 400 gramas e é alimentado por quatro pilhas AA. A previsão é que ele chegue ao mercado japonês em setembro de 2018 com o preço sugerido é de 9.800 ienes (~R$ 333).

Mais informações aqui.

Ainda em tempo:

A idéia de um cofrinho inteligente também não é bem novidade (pelo menos para nós), já que a própria Takara Tomy lançou em 2008 o Jinsei Ginko uma mistura de cofrinho de moedas com Tamagochi:

Nele vive um personagem virtual cujos acontecimentos são determinados pela quantidade e periodicidade com que seu dono o alimenta com dinheiro – e nada de merreca – já que como o BankNyan, ele só aceita moedas de 500 ienes!

No iní­cio da sua “vida”, o personagem virtual começa por baixo, como um pobre estudante num modesto apê de “três tatamis” de largura (algo como 1,8 x 2,7 metros). Só que a medida que a grana vai literalmente entrando (no cofrinho) sua vida melhora: Ele se muda para um quarto maior, se forma na universidade, arruma emprego e até se casa, acabando num luxuoso apartamento desfrutando tudo de bom e do melhor.

E como o cofrinho armazena até 200 moedas, no final da brincadeira o feliz poupador pode acumular uma bolada de até 100 mil ienes (~R$ 3.400)!

Mas como no Tamagochi, se o usuário pára de colocar moedas por muito tempo, o personagem fica cobrando a mesada e, se o jogo resetar (ou a grana for retirada antes do tempo) ele volta para sua vidinha miserável no apê de três tatamis.

O curioso é que a segunda geração desse produto evoluiu para funcionar em conjunto com um app de iPhone:

Wai-wai!

 

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.