ZTOP+ZUMO

Hako Vision agora na versão Mobile Suit Gundam

Segunda série do mini-teatrinho de projection mapping da Bandai conta com os personagens da série de TV Mobile Suit Gundam.

Já falamos aqui neste Ztop sobre o Hako Visionum shokugan (brinquedo barato, às vezes com com um doce dentro) que nos chamou a atenção devido a maneira super criativa de como ela tira proveito da tecnologia móvel para dar vida a um objeto feito essencialmente de papel grosso e dois pedaços de plástico.

Na primeira série, o tema escolhido foram dois prédios turísticos de Tóquio — a estação ferroviária e o museu nacional. Já nesta segunda série — lançada em abril  — o tema são dois robôs gigantes (ou Mechas) da série Mobile Suit Gundam, ou mais exatamente o modelo RX-78-2

Hako_vision_gundan_ver_gundanb

… e o MS-06 ZAKU II:

Hako_vision_gundan_ver_ZAKUIIb

E assim como seus antecessores, essa versão também é formada por uma caixa de papel que contém um cenário de fundo em relevo, uma película semi-transparente e até um doce (ou mais exatamente, uma mísera pastilha de chiclete) que aparentemente vem junto só pra cumprir tabela.

Hako_vision_gundan_conteudo_1

Após recortar e remover a tampa superior, o consumidor deve colocar o cenário no fundo e a película dentro da caixa de modo que este último fique inclinado num ângulo de 45º em relação a abertura frontal.

Feito isso, o usuário deve pegar um smartphone compatível e escanear um código QR existente na lateral da caixa, que chama um vídeo na web que será usado para iluminar e animar o cenário, bastando para isso colocar o smartphone sobre a caixa com a tela para baixo:

Hako_vision_gundan_instrucoes

O resultado final pode ser conferido do vídeo abaixo (e de Zaku neste review):

A boa notícia é que eles estão bem mais em conta que o original — 500 ienes (~ R$ 11)  — apesar de estarem sendo vendido por bem mais no Amazon.co.jp, o que pode indicar uma demanda maior que a oferta.

Fora isso, a empresa já anunciou para meados de agosto a sua terceira série que será estrelada pela diva virtual Hatsune Miku: Hako_vision_mikuComo já dissemos, impressionante o que esses caras conseguem fazer com um pouco de papel e plástico né?

Ainda em tempo:

Além do Gundam e do Zaku II, a Bandai também lançou uma edição especial do RX-78-2 intitulada “Gundam in Daiba“…

Hako_vision_gundan_odaiba

… que deve ser o modelo em escala real que está exposto no complexo Diver City Tokyo Plaza em Odaiba, um distrito de Tóquio…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

… onde tivemos a oportunidade de ver o grandalhão em cores e ao vivo durante nossa última ida ao Japão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Ele é tão bacana que foi o protagonista em 2010 de um notório desastrado caso de cópia envolvendo um parque temático localizado na província de Chengdu na China (mais detalhes aquiaqui).

Com 18 metros de altura e 35 toneladas de peso ele é considerado o maior Gunpla (= Gundam Plastic Model) de todos os tempos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Clique para ver os “Alertas de Manutenção”.

… e foi criado em julho de 2009 para comemorar os 30 anos da série de TV e que atraiu mais de 4,5 milhões de visitantes até ser desmontado no mês seguinte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Depois, ele resurgiu em 2011 na cidade de Shizuoka — considerada a capital mundial do plastimodelismo devido a presença de diversas fábricas de kits para montar da Bandai — e depois retornou para Tóquio como parte de uma ação para arrecadar fundos para a campanha de ajuda as vítimas do grande terremoto do leste do Japão e permanece lá até hoje.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Ele também é usado para apresentações de projection mapping como o TOKYO Gundam Project 2014 “Industrial Revolution”  …

… que o brinquedo de um certo modo reproduz:

Para quem não sabe, ao contrário do ocidente cujo mercado de plastimodelismo é quase que dominado por modelos de veículos diversos, barcos, aviões e militaria em geral, robôs, naves espaciais e até personagens de anime (os chamados garage kits) são os temas mais populares no Japão, representando ~90% daquele mercado.

Curiosamente a paixão dos geeks/otakus nipões por esse assunto foi retratado no capítulo 13 (vol.3) do mangá Genshiken de Kio Shimoku publicado recentemente pela editora JBC no Brasil e no oitavo episódio do anime de mesmo nome, intitulado “Estudo comparativo em modelos e processos de produção“. Hako_vision_gundan_genshiken

Até eu já montei um desses — um Gundam GT-9600 Leopard:

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Wai-wai.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Adriano De Lima 02/06/2014, 09:57

    Rapaz talentoso mesmo! Belo modelo!

    • Mario Nagano 02/06/2014, 12:45

      Naah… Esse kit é bem simples e não dá muito trabalho já que fora alguns pequenos detalhes que o montador mais detalhista vai querer pintar, praticamente todas as peças já são injetadas nas suas cores finais (no caso abaixo, azul cinza e amarelo) e isso numa só operação! — Ou seja, no fim das contas é só recortar da armação retirar as rebarbas e ir encaixando uma peça na outra.

      Fico imaginando por que esse tipo de kit não é mais popular por aqui.

      • Adriano De Lima 02/06/2014, 12:57

        Imagino que o custo no varejo e a falta de informação e de divulgação deste tipo de material são os responsáveis por isso.
        Eu mesmo não acredito ter a destreza e a paciência necessária pra montar um modelo desses.

        • Mario Nagano 02/06/2014, 14:15

          Bom, neste hobby paciência é uma virtude e o pouco que sei sobre plastimodelismo eu aprendi com um colega meu (Aldeny Rocha Jr.) que passava semanas e até meses trabalhando num kit.

          Não que ele fosse lerdo e sim porque ele era especializado em customizações/Mods e passava muuuito tempo pensando em como resolver um problema e que tipo de material usar.

          Eu me lembro que certa vez ele estava montando um carrinho (um Ford da década de 1920~30) que tinha um porta-malas que não abria. Aí o cara cortou a porta fora com um estilete, fez duas dobradiças com peças de arame de aço e plástico, colou de volta e agora abria e fechava.

          Depois ele pegou um pote de margarina, recortou as partes planas e as dobrou na forma de uma caixa e colou dentro para fazer o interior porta-malas.

          E o toque de mestre foi quando depois de semanas ele descobriu que podia usar o papel metalizado de uma embalagem de cigarro para “cromar” as soleiras laterais do carrinho.

          E depois de pintado e seco, o resultado final ficou perfeito.

          Saudades do cara… boa gente mesmo!

          • Adriano De Lima 02/06/2014, 15:21

            Existem pessoas cuja dedicação vai muito além do imaginável.
            Aguardo ansiosamente pelo próximo artigo. 🙂

  • Adriano De Lima 02/06/2014, 13:00

    Agora me ocorreu um pensamento aqui, taí um excelente tópico pra se publicar aqui: Garage kits, onde obter e como montá-los.

    • Mario Nagano 02/06/2014, 13:31

      Para mim como produto em si, garage kit é algo bastante simples e de acabamento até meio tosco o que exige uma grande perícia, dedicação e paciência por parte do montador. Diz a lenda que esse nome vem do fato de que esses kits produzirem tanto pó e sujeira para cortar, lixar e corrigir suas imperfeições que as pessoas preferem fazer isso fora de casa ou seja, nas garagens.

      Mas se o cara for realmente bom, o resultado é realmente de cair o queixo.

      Por exemplo, na imagem abaixo dá para ver um garage kit da Kusanagi Motoko fabcricado pela empresa Vulcano (http://goo.gl/0qjGix ) da maneira que ela chega para o montador. O resultado final pode ser conferido em http://goo.gl/VDJCw2.