ASUS vai fabricar 2 modelos de eeePC no Brasil

A

eeepc_chen

Direto da coletiva da Asus: dois modelos de eeePC serão fabricados no Brasil: o 904HD (preço sugerido de R$ 1.499)e o 1000H (preço sugerido de R$ 1.699) que serão produzidos pela empresa Visum de Curitiba.

Na foto John Chen, Territory Manager da ASUS Brasil, segura uma das primeiras unidades fabricadas no País.

Mais detalhes ainda hoje, neste Zumo.

Então, pessoal, a história é a seguinte:

Depois de anos de chove mas não molha, a ASUS finalmente anunciou sua chegada oficial ao Brasil. As operações tiveram início em meados do ano passado e hoje já conta com um escritório na região da Barra Funda aqui em São Paulo e um staff de aproximadamente 20 pessoas, incluindo vários rostos já conhecidos do mercado como Marcel Campos (ex-Intel) e Rubens Shiruo (ex-Alcatéia).

A operação está sendo liderada por John Chen, que já abriu outros escritórios da ASUS em outras partes do mundo, como na Espanha. O site da empresa em português já está no ar e num avançado estágio de tropicalização e desenvolvimento.

Como suspeitávamos a grande novidade foi realmente o anúncio da produção local de alguns produtos, como os netbooks 904HD e 1000H em parceria com a Visum, de Curitiba.

Fora isso, também foram anunciados mais duas placas-mãe que serão produzidas localmente — a P5KPL-AM (preço sugerido de R$ 219) e a P5GC-MX (preço sugerido de R$ 209), ambas compatíveis com a plataforma Intel. Os netbooks produzidos no Brasil já vêm com teclado em português (padrão ABNT2), garantia local e todo o material que acompanha o produto já estará em português brasileiro (yay!), incluindo o sistema operacional (Windows XP Home ou Linux).  Segundo Campos, a localização de produtos para o mercado brasileiro será uma das bandeiras da ASUS no Brasil.

A empresa também anunciou outros produtos que virão de fora, como o Netbook eee PC 1002HA e a placa-mãe de alto desempenho P6T Deluxe (preço sugerido R$ 1.699) já compativel com o novo processador Intel Core i7 e chipset X58.

Chen disse que o Brasil será um dos focos da empresa para esse ano. Quando questionado por que agora numa época tão complicada, Chen explicou que o Brasil é o último do bloco de países em desenvolvimento — o velho e bom BRIC (Brasil, Rússia, India e China) — em que a ASUS ainda não havia feito uma ação mais significativa. É sabido que a ASUS é uma marca muito apreciada no Brasil e que já era tempo de fazer algo para oferecer um melhor suporte para o consumidor local. Marcel Campos gerente de marketing da ASUS para o Brasil complementou esse raciocínio dizendo ser muito importante ter alguém por aqui que fale português e que exista um local onde as pessoas possam ligar ou mesmo bater na porta para serem prontamente atendidas.

Com relação à sua estratégia de mercado, a ideia é de fortalecer os tradicionais pontos de venda que já trabalham com a marca ASUS, além de procurar entrar nas grandes redes de varejo. Entre os distribuidores que já trabalham com a ASUS está a id6, que já confirmou o fornecimento de produtos para as redes FNAC e WalMart.

Com relação ao futuro, Chen já confirmou que entre os próximos produtos a chegar no país estão o eeeTop, um desktop do tipo tudo-em-um na forma de monitor,  e o eeeBox, um mini-desktop sem monitor de baixo custo, que deve entrar de sola tanto no segmento de valor, quanto nas empresas onde eles poderiam ser usados em escritórios como pequenos desktops para uso geral ou mesmo substituir Thin Clients.

Com relação aos rumores da chegada dos três big players no segmento de montagem de notebooks, eu conversei com Stanley Chen, outro executivo da ASUS que comentou que até onde ele sabe, a Compal já está no Brasil e que até meados desse ano será a vez da Quanta chegar por aqui. Quando perguntei se a ASUS teria interesse em trabalhar com uma dessas empresas, Chen disse que não existe nada firmado nesse momento, mas tudo dependerá dos custos de produção, já que, dependendo do caso, a ASUS poderia até montar sua própria fábrica no Brasil.

John Chen disse que por enquanto a montagem dos netbooks ficará com a Visum, mas pode ser que o eeeTop possa ser produzido por outra empresa. No geral, o Chen reconhece que sua empresas ainda passa por um processo de aprendizado e conta com a ajuda dos parceiros e colaboradores locais para expandir a marca no País.

Mais algumas imagens dos produtos:

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos