Amazon Locker: A odisseia dos pacotes do Nagano

A

Estava eu pensando em maldades após a coletiva da Asus ontem em Las Vegas e decidi ir almoçar na rua do hotel Linq. Eis que coincidentemente recebo (mais) uma mensagem do Nagano no melhor estilo “urra meu, larga a mão de ser folgado e vai buscar meus pacotes no Amazon Locker que tem aí perto“. Sim, mestre, sim…

Larguei meu pedaço de pizza, paguei a conta e saí correndo. A uns 50 metros do restaurante encontrei a salvação do comprador da Amazon que quer economizar com entrega — o Amazon Locker. É um espaço cheio de armários trancados (óbvio) cheios de encomendas da loja online. Curiosamente, tem um caixa eletrônico ao lado.

O processo para mandar entregar no Locker — me explicou o Nagano — é simples: em vez de mandar para o endereço do hotel ou pra casa daquele amigo que mora em Miami, você manda para um Locker próximo, podendo pagar menos frete e fugindo das taxas exorbitantes cobradas pelos hotéis para guardar seus bens preciosos sua muamba. No caso (olha só a clarividência do Mário), o do Linq fica no meio do caminho entre a coletiva da Asus e o meu distante hotel, o Stratosphere.

Nagano comenta: Clarividência uma ova! O mome correto dessa mágica é tecnologia.

Isso porque na hora de fechar um pedido, você sempre tem a opção de enviar para um Locker que pode ser localizado por endereço, Zip Code (nosso CEP), ponto de referência ou até o “apelido” de cada ponto de retirada.

Por exemplo aqui está uma vista de todos os Lockers da região de Las Vegas…

… mas como o Henrique disse que ia estar perto do hotel Linq — Bingo!

Ai é só indicar o Locker de sua preferência, escolher o tempo de envio — normal (dois dias úteis) ou expresso (1 dia útil, mais caro) — e continuar com o fechamento do pedido.

Simples, não?

Não tem ninguém para controlar. Só uma câmera, claro. Uma tela sensível ao toque te dá boas vindas:

E tudo que é preciso fazer é digitar o código (Nagano me mandou três, que folgado!)…

… ou escanear o código de barras (enviado junto com o email de confirmação de entrega) na parte inferior da tela.

Resumindo, é um grande caixa eletrônico de compras.

Ao digitar o primeiro código, o Locker já identifica que o cliente ainda tinha três pacotes disponíveis o que minimiza o risco de, na pressa, o lacaio cliente pegar apenas um e ter que voltar depois para pegar o resto.

Basta selecionar na tela e BIIIIIIP CREEECK…

…a tela te indica para que lado procurar seu armário com as compras…

… e voilá. Epa, o armário tava vazio? (brincadeirinha, Nagano, tirei o pacote antes de fotografar!).

Voltei para a tela, pacote número dois: BIIIP CREEEK e a portinhola se abre como mágica. A única recomendação da Amazon é que você pegue seu pacote, feche a portinha e vá embora. Feliz, sem pagar as taxas do hotel!

Nagano comenta: O cenário descrito pelo Henrique é bem cor-de-rosa, ou seja:

  1. Ele entra com um código no terminal da Amazon e o sistema libera três volumes.
  2. O sistema (BIIIIIIP CREEECK…) libera a primeira portinha.
  3. O Henrique segue a seta, pega o primeiro pacote e fecha a portinha.
  4. O Henrique volta para o terminal da Amazon e o sistema (BIIIIIIP CREEECK…) libera a segunda portinha.
  5. O Henrique segue a seta, pega o segundo pacote e fecha a portinha.
  6. O Henrique volta para o terminal da Amazon e o sistema (BIIIIIIP CREEECK…) libera a terceira portinha.
  7. O Henrique segue a seta, pega o terceiro pacote e fecha a porta.

Fico imaginando esse sistema com um monte de gente na fila fungando no seu cangote esperando para retirar seu(s) pacote(s).

Se fosse no Brasil (tipo, na região do Brás) ainda corre-se o risco de você liberar suas encomendas e um trombadão lhe dar uma bifa na saída e correr com seus pacotes.

E isso sem falar naqueles meliantes mais pró-ativos (e menos violentos) que podem ir direto aos finalmentes e abrir aa portinhas usando um pé-de-cabra como senha.

Na rua, como eram três pacotes e eu tinha minha bolsa-tralhas para cobrir a feira e somente duas mãos, vendi tudo prum cara vestido de Mario Bros por dez dólares, nem vi o que era coloquei os dois primeiros pacotes em um envelope só (e amassei dentro da bolsa guardei com carinho e cuidado) e arrastei a caixa maior até o hotel.

Gostei do livro, viu Nagano? Acho que vou ler no caminho, te devolvo ano que vem, tá? E seus DVDs de sacanagem suas lentes para tampa de câmera tão seguras comigo, viu? 😉

Ah sim: acordei hoje cedo e recebi mensagem do Nagano que tem mais um pacote para buscar — e só chega no domingo, se chegar!

Nagano comenta: Isso porque o sistema do Amazon jurou de pé junto (se tivesse pernas é claro) que a encomenda iria chegar ontem — dia 4/jan — até as 8:00 da noite.

Mas é claro que isso não é culpa dela e sim dos patéticos e ineficientes motoristas humanos que ficam parados em congestionamentos na estrada, junto com outros débeis e ineficientes humanos.

E depois dizem que não precisamos de veículos autônomos. >:-(

Mas falando sério agora, como outros serviços do Amazon, acredito o Locker deve funcionar e muito bem para atender a comunidade local e redondezas.

Já para o turista acidental é preciso um pouco muito planejamento de logística, já que como lcolonezi já disse, o prazo de entrega é curto (no meu caso de um a dois dias) assim como o de retirada (até três dias).

Sob esse ponto de vista, estar no local certo na hora certa é crucial. E mesmo assim, ainda corre-se o risco do seu pacote empacar no meio do caminho e ai a casa caiu.

Vale a pena ressaltar que mandar o pacote no hotel tem lá suas vantagens, já que você tem a possibilidade de despachar os produtos com uma certa antecedência — o que pode ser o caso de outras lojas que não contam com a eficiência do Amazon.com — não precisa se preocupar com volume e quantidade, fora que eles podem chegar até antes do hóspede que o hotel costuma segurar a encomenda.

Apesar dessa bronca dos hotéis cobrarem pela recepção e guarda dos pacotes, para eles é mais um serviço como outro qualquer, sendo que os maiores mantém uma verdadeira central de logística que recebem e enviam toneladas de equipamentos e mercadorias que atendem a empresas que promovem eventos/convenções no local.

Certa vez tive que retornar um pacote do Amazon (com porte pago) e fui no concierge perguntar onde haveria um drop-box da DHL para fazer o despacho e — para minha surpresa — ele me disse que podia deixar ali mesmo que seria despachado junto com outros que saem regularmente do Hotel todo dia.

Um detalhe é que essa cobrança para receber o pacote varia de hotel para hotel. No geral a taxa é de US$ 5 por pacote (US$ 2,50 por envelope) mas já cheguei a pagar um valor fixo por todos os pacotes e alguns nem cobram pelo serviço (caso de hotéis menores). É o caso de consultar o estabelecimento na hora da reserva.

Finalmente, se você por um cliente muito regular do Amazon, vale a pena considerar a adesão ao programa Amazon Prime, cuja taxa de despacho de graça para dois dias pode até compensar a taxa do hotel.

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin é o fundador do ZTOP+ZUMO e da newsletter de tecnologia Interfaces. Já escreveu na PC World, PC Magazine, O Estado de São Paulo, Folha de S. Paulo e criou o ZTOP+ZUMO em 2007, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos