ZTOP

Tomada nacional(ista) flerta o consumidor

tomada_nacional

Já faz algum tempo que falamos sobre o novo padrão nacional de tomadas e, ao escutar o rádio hoje, entre uma nota sobre o Michael Jackson e outra, ouvi uma propaganda de uma loja que já está oferecendo os novos conectores elétricos. O que era uma movimentação silenciosa começa a entrar na mídia para tentar conquistar os corações e mentes do consumidor brasileiro.

Henrique comenta: demorou, né?

Para quem ainda não foi apresentado, trata-se da norma regulamentadora ABNT NBR 14136:2002, que estabelece um padrão nacional de desenho para plugues e tomadas que devem gradativamente substituir os mais de dez modelos usados no país até o ano de 2010. Ele pode ser facilmente identificada pelo formato sextavado que cria um encaixe mais firme entre o plugue e a tomada e alguns detalhes pouco perceptíveis, como diferentes diâmetros para pinos de maior ou menor potência – 4 mm para 10 Amperes e 4,8 mm para 20 Amperes. Isso impedirá, por exemplo, ligar um aparelho muito potente numa tomada subdimensionada.

Pelo que já pesquisei sobre esse assunto, a idéia de criar um padrão próprio de tomadas nacional é o fato de que não existir oficialmente uma norma internacional, de modo que cada país puxa a sardinha para seu lado com seu projeto tecnicamente mais funcional e seguro que a concorrência do resto do mundo. De fato, a nova tomada nacional tem seus méritos, mas fico imaginando como o consumidor vai receber esse novo padrão, de um certo modo imposto meio na porrada.

Alguns críticos dessa iniciativa dizem que num mundo globalizado não tem muito sentido criar mais um novo padrão exclusivamente nacional — como o PAL-M (cuja base teórica é até interessante, mas de boas intenções o inferno está cheio) — o que também cria um tipo de reserva de mercado para componentes elétricos e isso sem falar dos adaptadores de tudo quanto é tipo, cor e padrão de qualidade com e sem o selo do Inmetro.

É isso aí pessoal, encham o peito de orgulho e comecem a cantarolar:

A tomada de força é nossa!
Com o brasileiro, não há quem possa…
Ê eta conector de ouro,
É bom de carga, é mais seguro!

Henrique cantarola: Nagano, desde quando você vende livro de poesia no vão livre do Masp? Não conhecia esse seu lado nerd dos versinhos.

Nagano explica: Deve ter sido a cerveja romulana que serviram no último Editor’s  Day. Depois de tomar aquela bebida endemonhada não preciso mais de lanterna para andar no escuro.

(De minha parte, vou ficar com meus plugues e tomadas reacionárias e imperialistas – YES, WE CAN!).

Mais informações aqui, aqui e aqui.


Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • André

    Ué, eu tinha visto que o Brasil estava utilizando um padrão internacional (apesar que era o único país que começou a utilizar esse padrão).

    http://en.wikipedia.org/wiki/IEC_60906-1

  • Wilson Faustino

    Eu acho muito bom bom que esteja padronizado.

  • Mais perda de tempo vindo da ABNT, pois a não ser que seja obrigado, a maioria do povo nem vai saber o que é isso ou sequer comprar tomadas pra cada ponto em suas casas… Fico com o padrão internacional mesmo.

  • Anderson

    Esse padrão já estava em estudo há alguns anos, e foi feito, em linhas gerais, pegando as melhores características (pelo menos o que se supõe em teoria) das diversas especificações existentes no mundo.

    Resumindo um pouco a história (pois o Inmetro queria ter imposto esse novo padrão há alguns anos, e as datas para adoção foram segmentadas por uma solicitação dos fabricantes), existiam mais de 30 padrões diferentes em uso no Brasil (segundo as associações dos fabricantes), e a adoção de um padrão facilitaria diversas coisas, da comparação entre produtos e até mesmo a uniformização dos projetos elétricos.

    O pior de tudo (até a última vez que consultei esse assunto e isso já faz alguns meses) é que ainda existem elementos não definidos na norma, com adaptadores e os chicotes de alimentação tipo os utilizados por monitores e computadores (se não me falha a memória, a norma trata por corda)

  • Ricardo H.

    Ele pega tomadas de pino circular e hexagonal que nós já usamos(padrão da Europa continetal), a diferença está no fio terra, visto que para este tipo de aplicação utilizávamos o padrão A&B estadunidense. Se se tornar internacional ótimo, do contrário, pelo menos estaremos mais protegidos… Ele também já é usado na Suíça, de onde é originário.

    Quanto aos casos de padronização tão absurdos quanto o PAL-M, temos as tomadas de energia elétrica britânica e italo-chilena, bem como os plugues telefônicos do Reino Unido, da França e da nossa “ex-querida” TELEBRÁS.

  • Mauricio

    Agora só falta as pessoas realmente aterrarem suas tomadas!
    Plugues de máquinas que “puxam” muita energia como condicionadores de ar ou até aquecedores de água que têm aquele plug de 3 pinos finos e também os plugues de fonte de notebook e pc com 2 finos e 1 redondo etc, todos estes irão mudar até 2010 em novos produtos para o novo padrão? Já vi um e outro adaptador xing-ling para compatibilizar os formatos antigos com o novo, mas sem usar o aterramento…

  • José

    Tem alguns detalhes que tem que ditos sobre esse assunto…
    O padrão será obrigatório e as lojas que vendem material elétrico serão proibidas de vender os antigos modelos.
    Ainda é difícil encontrar algumas peças do modelo novo… e muitos comerciantes estão escondendo o modelo novo para vender o velho e acabar com o estoque antes que a comercialização seja proibida.
    Apesar de muitos fabricantes já estarem comercializando equipamentos e eletrônicos compatíveis com o modelo novo, a maior parte dos equipamentos de informática (computadores, estabilizadores, no-break)não está de acordo com a norma. Como temos aqui muitos equipamentos importados dos EUA e a tomada nova esta sintonizada com o que é utilizado em alguns países europeus… prevejo que o novo padrão vai causar muitas dificuldades… e vai acabar obrigando, no curto prazo, ao uso de gambiarras e adaptadores… piorando no final das contas a segurança das instalações.

  • Flavio

    Em todas as lojas de material de construção encontramos o novo plugue. Estive na Leroy Merlin no fim-de-semana passado e vi que várias linhas de espelhos já nem tem mais o padrão antigo, ou o A&B, que é o meu preferido.

    Sou contra a criação de um novo padrão. Devíamos ter oficializado a adoção do padrão americano. No entanto, como somos provincianos e vaidosos pra caramba, preferimos criar um padrão só nosso.

    Pra quem viaja bastante, como eu, isso é terrível. Vou resistir o máximo que puder. Na reforma que estou fazendo no meu ap. comprei só A&B e não comprarei eletrônicos e/ou eltrodomésticos que não venham nesse padrão.

    Abçs,
    Flavio

  • Micael Estrázulas

    usar importados nevermore

  • gmourao

    calma nagano… o padrão é internacional!nós somos pioneiros, e isso é muito bom. Vamos tentar criticar apenas o que é ruim… criticar o uso do fio terra, tomadas dimensionadas e etc…não sei se vc está sendo muito justo!

  • Walter Mercado

    Já tem adaptadores A+C pro novo formato.

    Até extensores/benjamins podem ser encontrados nos mercados.

  • Ricardo H.

    Tudo do mercado Europeu Continental sem aterramento funciona aqui…

  • Oi Gmourão

    Injusto eu? Nada contra, nada a favor, muito pelo contrário…

    Acho que o padrão ABNT em si foi bem bolado, assim como foi o PAL-M e o padrão de TV Digital Brasileiro. Mas não sei se essa história de pioneirimo ou padrão internacional vai colar, especialmente nos países onde seus padrões já estão consolidados, atendem à suas necessidades de segurança e vão bem, obrigado.

    Nos primórdios da computação pessoal no Brasil, eu me lembro de um papo que tive com um engenheiro da Itautec que me disse que o tipo de conector usado nas portas serial/paralela (não me lembro exatamente) usado no IBM-PC estava invertido segundo o padrão internacional.

    Como a Itautec achou melhor ficar dentro da norma, eles soltaram seus primeiros PCs com o conector correto ao contrário do resto do mercado (e até do mundo) que ficou com a IBM e deu no que deu, ou seja, os caras “certinhos” que seguiram a norma quebraram a cara e adotaram o padrão fora na norma.

    Acho que no final das contas, só o tempo dirá se essa iniciativa será bem sucedida. Até lá, como disse Duque de Caxias:

    Quem for Brasileiro que me siga!!!

    [ ]s

    M.

  • PMarc

    Nagano e Zumo-istas

    Ouvi do meu pai, que é eng. de segurança (já foi síndico do prédio tb), relatando o que foi dito a ele por outro engenheiro:

    “Muitas dessas normas (NBR) são criadas pela indústria, como uma forma de empurrar um produto ou serviço para os incautos ou ignorantes, como p.ex. síndicos de condomínios”

    Padronização é bom? Acho que ninguém são nega. Como dizem por aí: “Existem tantos padrões por aí, escolha o seu!”

    Aqui na empresa onde trabalho, que costuma ser “early adopter” nestes quesitos de norma, nem ouvi movimentação a esse respeito. 2010 está a miseros 6 meses…

  • Pessoal historiacamente tem que se observar qye colocar uma padrão internacional ‘tropicalizado’ para o mercado brasileiro, cria num primeiro momento uma certa reserva de mercado e num primeiro momento investimentos e empregos aqui no país. Imaginamos por exemplo que o padrão fosse outro um destes que os fabricantes chineses já tem as maquinas prontas a produzir milhares por um custo mais barato que uma bala na esquina. Nem precisa imaginar onde é que o dinheiro no final vai ficar.

    Esta coisa de se limitar padrões nacionais, não é esclusividade do Brasil, e nem vai deixar de ser. Por proteteção de mercados Inglaterra, EUA, todos tiveram em um determinado momento de sua historia a proteção a seus mercados e susas industrias fracas e incipientes. Aliás, ainda tem basta ver a montanha de subsidios que a Europa e os EUA, ainda destinam a agricultura e ou pecuaria e agora ao etanol.

    Em suma não tem bobo, no comercio entre as nações. Quem banca o bobo é porque joga contra e bota muito no bolso a custas dos outros.

  • internet100

    aqui em porto alegre, as lojas não vendem mais as tomadas até hoje ditas “normais”.
    Pode procurar em supermercado, ferragens, lojas maiores, só essas tomadas, vulgarmente chamadas de “padrão NBR”. Se em algum lugar tem, é final de estoque, eu comprei 3 reguas de 5 x 2P+T :D:D:D e coloquei na minha mesa!!
    Felizmente aqui em casa tenho tudo já pronto, pois não tem em lugar nenhum pra vender as tomadas 2P+T ou 2P. Será que estabilizadores e nobreaks vão seguir este padrão? Estamos no fim de 2009 e ainda vejo muita coisa utilizando tomadas que não se encaixam no padrão novo.

  • Marilu

    Eu ainda prefiro aquele padrão de três pinos comum em equipamentos de informática. As tomadas lá de casa são todas desse padrão. 🙂

  • Lucas Jardim

    Todas as tomadas, independentes de padrão deveriam vir com aterramento, todo o aparelho tinha que vir com 3 pinos,seja de informática, ar condicionado ou qlqr outro eletrônico! Se não conseguem obrigar os fabricantes a fazerem os 3 pinos, vcs acham que obrigarão a fazer no novo formato? Claro que não!

    O mais importante eles esqueceram, que e o bendito 3º pino, e os eletricistas, que sempre fazem instalação errado, que não sabem que no 3º pino, existe uma posição para a fase e para o neutro, que se forem invertidas, diminuem a eficiência do aterramento!

    No brasileiro existe a cultura da gambiarra, ligam 10 coisas em uma só tomada e não sabem depois pq pegou fogo, ou porque a luz ta vindo mto alta! Esse novo padrão só vai ser mais um motivo de gambiarra.

  • Daniel

    Não gosto destes plugues de pino achatado, geralmente ficam saindo da posição nas tomadas, tenho sempre problema c/ carregadores de celular.
    Além disso, quem já não teve problemas com macho/femea incompatíveis, já perdi a conta de quantos adaptadores tive de comprar ao longo da minha vida.

    Tenho visto esses novos conectores nas lojas e ao meu ver, são muito bons.
    Gostando ou não do novo padrão, a gente vai acabar tendo de usar mesmo, então pra que ficar resistindo.

  • Marcio

    A matéria está boa, só faltou citar que isso não foi feito de um dia para o outro, passou pela aprovação de pessoal do ramo e foi lançada já a algum tempo, dando desta forma tempo para o “mercado” se adaptar e atender aos preceitos e intenções – principalmente segurança – da tomada.
    Falando em padrão, quem já não passou por isso, principalmente com produrtos importados que apresentam “N” tipos de conexões e temos que utilizar adaptadores pára poder utilizá-los: padrão “norte americano”: pino chato (humm alguns o pino chato positivo é mais largo, outros não – isso é padrão); europeu pino redondo mas com distâncias variadas; enfim melhorou depois devirem da china – criou-se um padrão ou será porque vêem (desculpe, fugi da nova regra ortogáfica)do mesmo lugar e barato…

  • Rafael

    Disso tudo só tem UM pequeno detalhe: Pelo menos aqui em Brasília, não se encontra mais nenhuma tomada no padrão antigo, mas também não se encontra nenhum aparelho com plugue do padrão novo, e, além disso, o adaptador é encontrado com muita dificuldade e custa absurdos R$ 13,00.

  • internet100

    eu já ví para vender um adaptador paralelo que possui duas entradas… por razão de design, elas ficam invertidas, o que significa que se ligar duas coisas, necessariamente, uma delas vai ficar com a polaridade invertida…

    isso sim é gambiarra!!!

  • Antonio F.

    Me sinto “O OTÁRIO” pois comprei um apartamento no final do ano passado e troquei todas as tomadas (mais de 400 mango$, sem mão de obra) no padrão internacional e ninguém (fabricante Siemens e revendedor C&C) informou desta obrigatoriedade. E agora, vou ter que pagar tudo de novo para adaptar meu apê ao novo padrão? A única coisa que me consola é que o eletricista colocou o aterramento em todas elas.

    • @antonio sem stress por enquanto, acho que a coisa demora a “pegar”

  • Elétrico

    Acho este novo padrão algo muito parecido com aquela estória do kit de primeiros socorros para carros. Em nome da segurança, empurrou-se um modelo que não tem compatibilidade retrofit com diversos aparelhos antigos. Exemplo…alguém que muda de apartamento e comprou uma LCD no ano passado vai ter que trocar o plug ou usar adaptador… e por aí vai. Se fosse um estudo sério, o chamado retrofit deveria ter sido observado e poderíamos ter tomadas que aceitassem pino chato/redondo, mais o fio terra utilizando o recuo. Para que tirar o pino chato???? somente consigo pensar em duas respostas: a) tentativa de inibição de compra de produtos importados (não defendo as compras ilegais, mas qualquer carregador mixuruca americano tem pinos chatos) b) força a barra do pessoal que tem tomadas antigas a renovar os seus plugs… lembra algo como o kit de primeiros socorros?

  • Marcio

    Como tudo no Brasil, esta transição não foi planejada. Vejo os prós e contras do novo padrão, mas a transição tinha que ter sido melhor pensada…

    Compramos aqui na empresa recentemente alguns equipamentos novos que vieram com plugues no novo padrão, com 3 pinos. Obviamente, como todas instalações elétricas já feitas, não temos nenhuma tomada no novo padrão… Buscamos em mais de 5 casas de material elétrico e de informática aqui em Porto Alegre e não achamos nenhuma solução para ligar o plugue novo em tomadas antigas (descobri que a norma não permite). A única solução seria trocar as tomadas. Como os equipamentos serão usados em um laboratório no qual usamos outros equipamentos, não posso deixar de usar todos os outros que já temos. Procuramos adaptadores então do padrão americano para o novo brasileiro, também não achei (encontrei em alguns sites na internet que não me pareceram confiáveis…).

    Até estou querendo usar o padrão novo, mas também não encontramos réguas de tomadas (aquelas protegidas, com fusível, normalmente usadas para ligar computadores).

    Resumindo, por enquanto, pegamos um T (benjamin) do padrão antigo, fizemos um furo com uma furadeira para “entrar” o pino de terra e pudemos testar que os equipamentos novos estão funcionais.

    A melhor alternativa que estamos vendo por enquanto para usar os equipamentos com terra é cortar os fios com o plugue novo e colocar um plugue do tipo antigo…

    Alguém vê uma solução melhor???

  • ALfredo Vitali

    Minha dúvida é: no padrão monofásico antigo (2P + T) , isto é: Fase, Neutro e Terra a FASE é localizada na tomada na parte direita superior em relação ao terra (no formato de uma carinha). Não encontrei referencia nas "Normas" qual a localização da FASE na nova tomada de três pinos (aquela hexagonal achatada, com o pino terra no centro). Devo usar a mesma analogia, considerando o pino terra na posição mais baixa e o pino Fase à direita?