ZTOP

Hands-on: Sandisk Connect Wireless Stick

Novo memory key com Wi-Fi da Sandisk permite compartilhar dados e mídias com até três dispositivos móveis de maneira (muito) simples e (super) descomplicada.

Sandisk Connect Wireless Stick

A idéia de um mini servidor de mídia portátil capaz de se conectar com um ou mais dispositivos móveis por meio de uma rede Wi-Fi não é nova, sendo que a primeira vez que vimos (e testamos) algo deste tipo foi o singelo Wi-Drive da Kingston de 2012 que, na época, achamos meio limitado…

Wi_Drive_16GB_1024

… mas que trazia dentro de si a semente de uma idéia que prosperou (graças a empresas como aquela com nome de fruta que insiste em vender aparelhos com quantidade de memória fixa não expansível) sendo que hoje, a maioria das big players que comercializam sistemas de armazenamento oferecem uma ou mais soluções desse tipo de tudo quanto é tipo, cor e modelo.

Este é o caso da Sandisk, que trouxe para o país sua mais nova versão do Sandisk Connect Wireless Stick, um curioso memory key capaz de compartilhar seu conteúdo com até três usuários via rede Wi-Fi.

Anunciado durante a última CES 2016 essa nova versão sucede o modelo anterior de 64 GB que agora vem com um novo visual mais estiloso, sendo que a empresa irá trazer para o Brasil os modelos de 16 GB (preço sugerido: R$ 210), 32 GB (R$ 280), 64 GB (R$ 361) e 128 GB (R$ 929) só que este último modelo será vendido exclusivamente pela Apple no Brasil nas suas Apple Store e na lojinha online.

 

Sandisk_wireless_Stick_overall

Também existe um modelo de 200 GB — o único apresentado na cor branca — que, por enquanto, não tem previsão de chegar no Brasil. Lá fora ele sai pela bagatela de US$ 120.

Sandisk_wireless_Stick_200GB

Medindo aproximadamente 2,05 x 7,8 x 1,15 cm (LxAxP) e 22 gramas de peso (com a capinha), o Wireless Stick se parece muito com um memory key, o que tem lá suas vantagens e desvantagens já que ele pode ser facilmente confundido com esse acessório, o que pode levar a negligências como maus tratos e até perdas já que, cá entre nós, quem dá bola nos dias de hoje para um memory key vulgar?

Sandisk_wireless_Stick_na_mao

Para evitar esse tipo de coisa, a boa notícia é que ele vem equipado com uma abertura que permite amarrá-lo numa correia de pescoço, chaveiro ou qualquer outro penduricalho:

Sandisk_wireless_furo

Na parte de trás, também podemos ver todas as certificações do produto, incluindo a da Anatel. Logo acima da abertura da base podemos ver o número de série do produto e sua capacidade (no nosso caso, 16 GB). Além disso, sua interface Wi-Fi é compatível com o padrão 802.11 b/g/n de 2,4 GHz com chave de segurança WPA2 e, segundo a Sandisk, seu alcance máximo é de até 45 metros de distância com ponto de visada de ambos os lados e sem obstáculos, é claro.

Sandisk_wireless_Stick_certif

Um detalhe que nos chamou a atenção foi o seu conector USB 2.0 na cor laranja. A Sandisk não deixa isso claro, mas nosso palpite é que essa cor informa que esse dispositivo pode ser compatível com a tecnologia QuickCharge USB 2.0 cujos carregadores compatíveis adotam portas na cor laranja.

Sandisk_wireless_connector
Segundo o fabricante, sua bateria interna de lítio-polímero do Wireless Stick carrega em até 2 horas (ligado numa porta com saída de 500 mA) sendo que sua autonomia máxima é estimada em 4,5 horas de uso contínuo. Seu consumo é estimado em 1,8 mW/MHz. Seu único controle externo é um pequeno botão de liga/desliga o dispositivo localizado no lado direito do dispositivo:

Sandisk_wireless_liga

Um detalhe interessante é o seu discretíssimo LED colorido, capaz de transmitir diversas informações sobre o seu estado de uso:

sandisk-connect-wireless-LED-estado

Sandisk_wireless_Stick_LED1

Como vimos acima, para utilizar esse dispositivo é preciso carregá-lo numa porta USB livre de um carregador de celular ou mesmo de um PC/Mac…

sandisk-connect-carregando

… sendo que neste último caso, o usuário pode aproveitar a oportunidade para abrir a pasta de arquivos do Wireless Stick na sua área de trabalho…

Sandisk_wireless_Stick_memokey1

… e  transferir seus arquivos de mídia preferidos para as pastas já existentes do Wireless Stick:

Sandisk_wireless_Stick_memokey2

Segundo a empresa, esse sistema é compatível com os seguintes padrões de arquivos:

  • Imagem: BMP, TIF, TIFF, JPG, PNG, GIF, XBM, ICO, TGA
  • Video: WMV, AVI, MKV, MP4, MOV, FLV, MPG, RMVB, M4V, TS
  • Áudio: MP3, WAV, M4A, AAC, OGG
  • Documentos: DOC, DOCX, XLS, XLSX, PPT, PPTX, PDF

Fora isso, também é necessário que o usuário baixe o app Sandisk Connect disponível para os sistemas AndroidKindle Fire e iOS:

sandisk-connect-app

A interface de rede do Wireless Stick sai de fábrica aberta com SSID “SanDisk Connect ######”  onde ###### é um código alfanumérico único para cada dispostivo ( no nosso caso F36D0B). Quando rodamos o app pela primeira vez ela procura por esse nome de rede e se conecta automaticamente, entrando imediatamente em uso no caso de sucesso, ou seja, mais fácil impossível.

sandisk-connect-wireless-conectando

Vale a pena observar que é possível mudar tanto esse nome de rede padrão quanto proteger a mesma com uma senha, apesar de desconfiarmos que, dependendo do caso e da proposta de uso, muitos podem até preferir manter a rede aberta para “compartilhar” seu conteúdo com mais liberdade, o que não deixa de ser parte da graça desse produto.

Essa aplicação em si se comporta mais ou menos como um gerenciador de arquivos onde o usuário pode passear pelas pastas de arquivos e…

sandisk-connect-app-midias

… ao clicar nos arquivos de mídia é possível reproduzí-las dentro do próprio app via streaming (e daí até para um monitor externo compatível com a tecnologia Miracast, Chromecast etc.)…

sandisk-connect-app-playing

… ou abri-las com a ajuda de programas externos:

sandisk-connect-app-playing-ext

Interessante notar que o usuário tem a opção de criar e/ou apagar pastas adicionais e transferir arquivos do dispositivo móvel para o Wireless Stick e vice-versa, além de fazer backup automático de dados.

sandisk-connect-app-copiando

Fora isso o Wireless Stick também pode se conectar à rede local do ambiente, permitindo assim que o usuário não perca a conexão com a internet enquanto estiver conectado ao dispositivo.

sandisk-connect-app_recursos

Finalmente, vale a pena observar que também é possível se conectar nesse dispositivo por meio de um notebook, bastando para isso conectar-se a rede sem fio do dispositivo do mesmo modo que fazemos com um roteador Wi-Fi:

sandisk-connect-wireless-PC1

Feito isso, basta abrir o programa navegador web e digitar o endereço www.sandisk.com/myconnect. Observamos, porém, que esse modo não oferece todas as opções disponíveis para os apps de tablet ou smartphones.

sandisk-connect-wireless-PC2

Nossas conclusões:

No geral, o Sandisk Connect Wirelless Stick entrega o que promete, ou seja, uma maneira simples e descomplicada de compartilhar conteúdo entre algumas pessoas.

Mas sob um certo ponto de vista, alguns de seus atrativos — como sua leveza e dimensões compactas — podem impor alguns limites, principalmente no que se refere ao número de conexões ativas (no máximo 3), capacidade de armazenamento limitado e uma autonomia de bateria que, no máximo, chega a ~4,5 horas de uso contínuo, o que dependendo do caso, pode não ser lá muita coisa, principalmente se levarmos em consideração que ele deixa de funcionar como servidor de mídia enquanto estiver plugado numa porta USB para recarga.

Outro fator que o usuário precisa levar em consideração é que — devidos aos tempos difíceis em que vivemos — o custo desse produto pode não ser exatamente troco de bala, de modo que para nós, a versão de 32 GB (preço sugerido R$ 280) é a melhor relação custo x benefício se comparado, por exemplo, com a versão de 16 GB (R$ 210) e a de 64 GB (R$ 361).

Como sempre, é tudo uma questão de gosto pessoal, de modo que o consumidor deve avaliar sua real necessidade por um produto desse tipo e, caso a resposta seja sim — vai fundo e seja feliz.

De nossa parte o que podemos afirmar é que o Wireless Stick é um dos modelos mais simples de instalar e de usar que já passou por esta Zumo-caverna.

Mais informações aqui.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Eu sei que a proposta do negócio é usar sem fios e tudo, mas é imoral ele não ser USB 3.0…

    • A rede Wi-Fi seria capaz de aproveitar a velocidade do USB 3.0?
      Bem que ajudaria na hora de copiar os arquivos.

      • Mario Nagano

        Acho q não pq o modo “servidor” não pode ser ativado qdo ele estiver plugado na USB.

        E não se esqueçam: Esse Wirelles Stick é um produto voltado para comodidade e não para desempenho.

  • Não seria possivel compartilhar o pen drive como um drive de rede, pra acessar via IP?
    Tanto meu NAS WD my book live quanto o WiFile Explorer (aplicativo para android) disponibilizam os arquivos na rede acessíveis via IP.

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien