ZTOP

Review: Netgear ReadyNAS Duo (com BitTorrent!)

Numa sociedade onde as pessoas acumulam cada vez mais conteúdo digital como fotos, vídeos e músicas, um dos segmentos que mais crescem é o de armazenamento. Entre as soluções mais simples e práticas estão os discos externos, como a nova linha FreeAgent Go da Seagate, mais voltada para mobilidade, assim como o monstruoso MyBook Mirror da Western Digital.

Em ambos os casos, sua função básica é a de ampliar a capacidade de armazenamento de um único PC — apesar de que muitos podem achar que tal recurso seria melhor aproveitado se ele fosse compartilhado entre vários usuários ou mesmo grupos de trabalho, seja num pequeno negócio ou mesmo numa residência mais moderninha.

A resposta para esse dilema pode estar nas chamadas soluções de NAS (Network Attached Storage), um conceito que nasceu no mundo dos servidores e que, com o passar do tempo, tornaram-se cada vez menores ao ponto de chegar no seu mínimo denominador comum: um disco externo ligado diretamente numa rede local.

Um bom exemplo dessa solução é o ReadyNAS Duo da Netgear, um mini-servidor de NAS para até dois discos rígidos montados em um gabinete que ocupa menos espaço que uma caixa de sapatos e cuja proposta é de ofercer funcionalidades que vão além da simples tarefa de armazenar e compartilhar dados.

Medindo apenas 10,1 x 14,2 x 22,2 cm (LxAxP) e 2,07 kg de peso (sem os discos), a primeira coisa que chama a atenção do ReadyNAS Duo é seu padrão de construção com seu gabinete em metal em tons de preto fosco, o que passa a impressão de estarmos diante de um equipamento de TI de verdade ao invés de um brinquedo de plástico, muito comum no segmento de usuário final.

Ele parece ser uma versão compacta do ReadyNAS 1100, outro modelo do tipo Rack com 1U de altura e mais voltado para empresas. De fato, ambos parecem compartilhar alguns componentes em comum, como a gaveta para discos rígidos de 3,5″ com interface SATA II.

Como o próprio nome sugere, o Duo tem espaço para até dois discos rígidos montados em suportes com travas que prendem firmemente os HDs em seus compartimentos. O produto já vem com um disco rígido Seagate pré-instalado de fábrica — no nosso caso um Barracuda 7200.10 de 500 GB (também há opções de 750 GB e 1 TB), cuja garantia é por conta da Netgear. Curiosamente, o Duo não é oferecido vazio (sem discos) ou completo (já com dois discos inclusos).

Seu painel frontal possui uma grande grade que permite a circulação de ar no interior do gabinete e os controles se concentram à esquerda do painel, local onde também fica sua placa controladora. Fora o botão de liga/desliga e as luzes indicadoras de estado (atividade da rede, acesso ao disco 1 ou 2 e uso da porta USB frontal, ainda existe um botão que dá inicia o procedimento de backup.

Na pare de trás podemos ver a ventoinha (cuja velocidade é controlada por software), slot para trava de segurança padrão Kensington, entrada de força (12V x 5A), porta de rede Gigabit Ethernet e mais duas portas USB 2.0 que podem ser usadas para adcionar mais dispositivos de armazenamento — como memory keys ou discos — e até mesmo uma impressora com porta USB que assim pode ser compartilhada com outros usuários.

Para um dispositivo de rede, o ReadyNAS é até bem simples de ser instalado — basta ligar o mesmo na tomada elétrica, na rede local (cabo incluso) e pressionar o botão de ligar. Feito isso, sua luz indicadora começa a piscar (indicando que o sistema está sendo inicializado) ficando pronta para uso quando a luz estiver constante. Com o risco de dizer o óbvio, alerto que esse produto não substitui outros equipamentos de rede comuns em casas e pequenos negócios como ponto de acesso sem fio, switch de rede ou roteador de banda larga (duh!).

Já a sua configuração exige um pouco mais de atenção do usuário, sendo interessante que ele esteja familiarizado com alguns conceitos de rede local, como endereçamento IP,  DHCP, FTP etc.

Para configurá-lo no PC, a primeira coisa a ser feita é colocar o CD de instalação da leitora e instalar o utilitário RAIDar, cuja principal função é de varrer a rede a procura das unidades ReadyNAS:

(clique para ampliar)

Localizado o disco de rede, é preciso configurar seu gerenciador do ReadyNAS (com interface em HTML) o mesmo para adequá-lo aos parâmetros do seu ambiente de rede, como definir seu endereço IP (fixo ou via DHCP), senhas, contas de usuários (e suas cotas de uso) etc. Feito isso, todas as informações se concentram no página inicial do produto.

(clique para ampliar)

Para ter acesso à sua área de armazenamento, a maneira mais simples é executar novamente o utilitário RAIDar, selecionar a unidade desejada e utilizar a opção Browse. Feito isso, a pasta é aberta na sua área de trabalho:

Devido ao fato do hardware do ReadyNAS ser praticamente um servidor de arquivos baseado em Linux (batizado RAIDiator 4.01) ele já vem equipado com vários serviços pré-instalados como FTP,  HTTP, HTTPS, CIFS, NFS AFT, diversas opções de Backup, streaming de conteúdo armazenado no disco, gerenciamento de energia (com opção de ligar/desligar o disco em certos períodos automaticamente) etc. Além disso, ele dispõe de aplicações bastante elaboradas como trabalhar com o ReadyNAS Photos, que permite oferecer seu conteúdo na internet, de modo que seu(s) usuário(s) podem ter acesso ao mesmo de qualquer parte do mundo via HTTP/S ou mesmo FTP/S. De fato, é possível até criar uma home page pessoal para compartilhar fotos com amigos e familiares.

Talvez o recurso mais polêmico desse produto é a inclusão de um cliente BitTorrent no mesmo, de modo que ele pode fazer o download de arquivos diretamente na sua pasta de usuário e sem o uso de um computador (uia!).

Segundo a empresa, esse cliente é um software oficial desenvolvido em parceria com a BitTorrent e não possui nenhuma limitação, filtro ou sistema de proteção que impeça o download de qualquer tipo de conteúdo, seja ele legal ou não. A posição da Netgear é que eles oferecem apenas a ferramenta e que a decisão do que pode (ou não pode) ser baixado da web deveria ficar a critério do usuário. Como disse em outra oportunidade — na minha opinião — isso é como vender facas no supermercado: elas podem ser usadas para descascar laranja, cortar peixe ou mesmo ser enterrada nas costas de algum desafeto. É tudo uma questão de bom senso e juízo na cabeça.

No geral, ninha impressão desse produto é bastante positiva. O ReadyNAS Duo é um hardware muito bem construído e vai além da simples idéia de oferecer armazenamento na sua rede local, ofercendo serviços adicionais que podem ser considerados um bom valor agregado.

E consumindo (ligado) menos de 18 Watts, ele é menor e mais econômico do que seu principal concorrente:  qualquer PC velho que seja convertido num servidor headless com Linux e que seja configurado para fazer as mesmas coisas. Sob esse ponto de vista, sua grande desvantagem fica por conta de seu preço estimado no Brasil, a partir de US$ 899 — um pouco salgado para nosso paladar — mas bem melhor que o valor previamente divulgado (US$ 1.000).

Resumo: Netgear ReadyNAS DUO de 500 GB

O que é isso? Solução de NAS com recursos de compartilhamento de dados, streaming e até BitTorrent.

O que é legal? Construção sólida, ótimo conjunto de recursos, incluindo BitTorrent.
O que é imoral? Relativamente caro, não é vendido sem disco instalado.
O que mais? Compatível com sistema de arquivos do Mac OS e Linux.
Avaliação: 4,0 (de 5,0).

Preço sugerido: Configurações à partir de US$ 899 (com disco de 500 GB).
Onde encontrar: www.netgear.com.br

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Nossa, um *pouco* salgado é eufemismo… Este valor já compra um servidor Dell (ok, que consome MUITO mais energia).

    Mas, realmente, um NAS é uma mão na roda. Adquiri um (http://seiti.eti.br/blog/2008/nas-qnap-ts-109-turbo-station) e não me arrependo.
    Tem tudo o que diz aí no post e mais um pouco. =)

  • Anderson

    infelizmente aqui no país, não temos a cultura de avaliar o produto pelo seu valor agregado, mas apenas pelo valor que está na etiqueta. E isso é apenas o começo da distorção, que acaba emperrando o crescimento e principalmente, o amadurecimento do mercado.

  • Apóio o comentário acima. Posso até achar um produto caro, mas nem por causa disso acho que o mercado cinza seja a alternativa.

    M.

  • Ora, os dois extremos são ruins: avaliar *sem* levar em conta o preço e avaliar *somente* levando em conta o preço.

    O consumidor deve então escolher o melhor produto pensando em sua própia necessidade. E, na minha opinião, entra aí o maior problema. Muitas vezes este consumidor não sabe muito bem o que quer, nem o que pode esperar de um produto cujas características são exacerbadas pela mídia.

    Voltando ao NAS, creio que seu mercado sejam aqueles que possuem mais de um computador em casa e quer centralizar o armazenamento de seus vários arquivos e mídias, além de facilitar seu acesso. Se o NAS possuir servidor DLNA, pode-se inclusive assistir filmes através do Playstation 3 e MP3 pelo N95. Este público deve ser ainda tecnófilo suficiente para ao menos conhecer as siglas NAS, FTP, DHCP, etc.

    Ou seja, mercado de nicho. Principalmente no Brasil. Portanto não estranhem se muita gente reclama do preço. =)

  • Walter Mercado

    O importante é saber a quem o produto se destina e se atende as expectativas dentro da faixa de preço que o público-alvo está disposto a pagar. 🙂

    Por mais que um dispositivo desses fosse uma opção tentadora para usar em casa, o preço realmente é proibitivo.

    Uma solução barata são os dispositivos NetDisk da Ximeta (a Maxxtro vende no Brasil uma gaveta usb/ethernet baseado no chipset deles). Por menos de 150 reais (sem HD) achei uma opção de custo/benefício adequado ao que queria.
    Mas no caso dos NetDisks, por precisar de drivers (o disco não se “monta” como CIFS/SMB nem FTP), acaba limitando demais o uso em ambientes que usam mais que o Windows (PS3, X360 e celulares estão fora de questão).
    Por outro lado, é mais fácil de configurar que definir acesso a compartilhamentos no Windows e Mac OS X.

  • ademir

    como criar usuarios e fazer com que cada usuario posso entrar apenas na sua area
    adrpelai@esalq.usp.br

Próximo post:

Post anterior: